RETÁBULOS RELICÁRIOS

Décimo terceiro volume da Promontoria Monográfica – História da Arte, que tem vindo a dar a conhecer o património retabular português, abrange exemplares desta tipologia específica existentes em igrejas não só em Portugal continental, Açores e Madeira, mas também em antigos territórios ultramarinos, nomeadamente, no Brasil e em Goa, com datas compreendidas entre o último quartel do século XVI e o século XIX.

Autores: Francisco Lameira, Carlos Evaristo, José João Loureiro (Coord.)

Faro: Universidade do Algarve, 2016

Desc. Física: 206 p.; Il.; 31 cm 

DL 416719/16

FONTE: https://www.bensculturais.com/index.php?page=shop.product_details&flypage=flypage.tpl&product_id=105&category_id=5&vmcchk=1&option=com_virtuemart&Itemid=248

A Real Confraria do Santo Condestável São Frei Nuno de Santa Maria Álvares Pereira

A Confraria do Escapulário foi fundada pelo Santo Condestável no Carmo para auxiliar os Pobres e cerca de cem anos mais tarde se tornou na Ordem Terceira.

Real Confraria do Santo Condestável São Frei Nuno de Santa Maria Álvares Pereira promove a Santificação pessoal através de actos corporais de misericórdia, e a promoção da Adoração Eucarística, da devoção Mariana e do Culto ao Santo Condestável. (Afiliada da Sociedade Missionária Beato Nuno, erecta canónicamente na diocese de Duluth, EUA e como Real Confraria na Diocese de São Tomé e Príncipe e mais dioceses.

A Real Confraria do Santo Condestável tem origem na obra de caridade fundada pelo próprio São Frei Nuno de Santa Maria Álvares Pereira, no ano de 1422, pouco tempo após ter Professado no Carmo como Irmão Carmelita “Donato” e de se ter dedicado quase em exclusivo aos pobres e sem abrigo da cidade de Lisboa.

Esta Confraria originalmente conhecida por “Confraria de Nossa Senhora do Carmo”, mas popularmente conhecida por “Confraria do Condestável”, “Confraria dos Pobres” ou “Confraria do Caldeirão” (em recordação do caldeirão de ferro usado por Dom Nuno para alimentar as tropas do exército e mais tarde os pobres), procurava aliviar a fome e sofrimento dos pobres através da recolha de dádivas junto dos Confrades que incluíam, como membros fundadores o próprio Rei D. João I e uma parte da Nobreza da Corte.

A Obra da Confraria de Frei Nuno que procurava desenvolver nos Confrades leigos o espírito da Fraternidade Cristã de devoção ao Santíssimo Sacramento, a Nossa Senhora do Carmo e a Caridade e Serviço para com os pobres, foi exemplar na Europa e ao fim de mais ou menos um século transformou-se na Ordem Terceira Carmelita em Lisboa.

Em 1895 e novamente em 1918, alguns membros da Ordem Terceira, conscientes do papel fundamental que Frei Nuno teve na Fundação do Laicado Carmelitano, tentaram dar o espírito da Confraria original a uma outra associação de fiés a que chamaram “Obra do Caldeirão” e que durou até meados do Século XX.

Em 1946, o antigo Irmão Donato Carmelita Americano e Co-fundador do “Exército Azul”, Ir. John Mathias Haffert, aquando da publicação da biografia do Santo Condestável “The Peacemaker that went to War”, também organizou um Apostolado semelhante que editava uma revista mensal intitulada “Scapular” (Escapulário) e que durou várias décadas.

Em 1985, aquando do 600º Aniversário da Vitória de Aljubarrota, o então Presidente do “Exército Azul”, o Bispo Missionário, Constantino Luna, com a ajuda do grande Missionário da Consolata e escritor de Fátima, Padre Giovanni Demarchi e do grande devoto do Beato Nuno, Timothy Richard Heinan, recriou uma obra de apóio aos pobres com a mesma espiritualidade da original fundada pelo Santo Condestável e que teve o nome primitivo de “The Count Nuno Society” (Sociedade do Conde Nuno), sedeada na Casa Alta, no Castelo de Ourém.

Pouco tempo mais tarde, esta organização foi reconhecida pelo governo Americano como uma associação sem fins lucrativos dedicada à angariação de fundos para os pobres e órfãos com presença e actividade em Portugal e também em muitos países lusofonos, hispanicos e do Terceiro Mundo.

A mesma organização foi depois Canonicamente Erecta na Diocese de Duluth, no Minnesota, (E.U.A.) com o nome de “Blessed Nuno Society” (Sociedade Missionária do Beato Nuno) sendo mais tarde Canonicamente reconhecida noutras Dioceses em vários países latino–americanos como no México, na Guatemala, em Cuba e na Colômbia. Recentemente foi implantada em São Tomé e Príncipe.

A Federação Internacional das Reais Confrarias do Santo Condestável, sob Alto Patrocínio da Casa Real Portuguesa, mantêm a sua sede internacional e museu no Castelo de Ourém, onde o Ir. John Haffert deixou a sua obra.

Esta Obra levada hoje a cabo em países de língua Castelhana em memória do São Nuno relembra os muitos actos de caridade praticados por D. Nuno Álvares Pereira em favor até dos Castelhanos, durante o conflito entre Portugal e Castela.

Em 2008, aquando do 90º Aniversário da Beatificação do III Conde de Ourém por Decreto do Papa Bento XV, a Real Confraria do Santo Condestável foi reestabelecida pelo Promotor de Beato Nuno, Carlos Evaristo, sob a orientação espiritual do Vice-Postulalador para a Causa da Canonização de Frei Nuno de Santa Maria, contando desde então com o Alto Patrocínio da Casa Real Portuguesa na pessoa de Sua Alteza Real o Duque de Bragança e Conde de Ourém, Dom Duarte Pio, descendente directo do Fundador da Casa de Bragança, Grã-Prior Honorário da Real Confraria; da Casa Ducal de Cadaval (representantes oficiais dos “Pereiras”) e de várias Casas Reais que descendem do próprio Santo.

A 26 de Abril de 2009, por ocasião da Canonização de São Nuno no Vaticano por Bento XVI, e após a celebração de vários Protocolos, foi Canonicamente conferida à Confraria pelas Dioceses onde a Sociedade Beato Nuno tem Erecção Canónica e actividade legal civil, a Representação Oficial reciproca em Portugal e Espanha podendo a referida Sociedade Missionária também se chamar de “Real Confraria do Santo Condestável São Frei Nuno de Santa Maria Álvares Pereira, III Conde de Ourém” e vice-versa.

A Sede original da Sociedade Beato Nuno, foi, a Casa Alta situada no Castelo de Ourém, antiga Ermida da Santíssima Trindade (Espírito Santo), fundada pela Rainha Santa Isabel e mais tarde, albergue real. É um local onde, segundo a tradição, o Santo Condestável passou algum tempo com sua mãe e sua filha e séculos mais tarde por alí passou a Rainha D. Catarina de Bragança antes e depois de ser Rainha Consorte de Inglaterra.

Hoje, a sede Internacional da Confraria está localizada em frente à Casa Alta, na antiga Botica de São João fundada em 1392 por Dom Nuno, quando Prior da Ordem Hospitalária de São João (Priorado do Crato) e que faz parte integrante do complexo do Museu Nacional do Santo Condestável da Fundação Histórco – Cultural Oureana (A Fundação para a Pesquisa Religiosa), obra fundada pelo Ir. John Haffert e conta com o Alto Patrocínio de várias personalidades da Igreja Católica entre elas Sua Alteza Sereníssima o Príncipe Grão – Mestre da Ordem de São João de Malta Fra Matthew Festing e de Suas Excelências Reverendíssimas, o Arcebispo de Santiago de Compostela e o Bispo de São Tomé e Príncipe.

Em Portugal a actividade religiosa tem o apoio do Capelão – Mór e Vice-Postulador da Causa da Canonização, Frei Francisco Rodrigues, O. Carm.

Os Confrades são admitidos nas tradicionais categorias de “Irmão Professo”, “Irmão Nobre Professo” ou “Irmão Honorário”, no gráus de “Confrade, Alcaide” e “Condestável”.

Os membros da Confraria, além de usarem o Escapulário de Nossa Senhora do Carmo, de recitarem o Terço do Rosário por Portugal, nutrirem e promovem devoção a Nossa Senhora do Monte Carmelo, a São João Baptista e a São Nuno, devendo participar nas Missas Festivas e contribuir no acto de admissão e anualmente, com donativos para a “Obra do Caldeirão” que remete a favor da obra dos Pobres Carmelitano

Dias de Festa da Real Confraria ou de especial Observação ou Missas

15 de Janeiro – Aniversário da Beatificação em 1918

1 de Abril – Aniversário do Falecimento em 1431

26 de Abril – Aniversário da Canonização em 2009

24 de Junho – Aniversário do Nascimento em 1360

16 de Julho – Festa de Nossa Senhora do Carmo

14 de Agosto – Aniversário da Vitória de Aljubarrota em 1385

6 de Novembro – Festa Litúrgica Universal de São Nuno

A Insígnia: Medlahões e Colares
Todos os Membros da Real Confraria do Santo Condestável podem usar o  Medalhão usado sobre um Cordão de seda vermelha e branca da Real Confraria do Santo Condestável ou ser proposto a ser Condecorado por Sua Alteza Real o Conde de Ourém ou o Conselho da “Corporação Nobre”, o Grande Colar do Caldeirão de Ouro do Santo Condestável pelos serviços extraordinários prestados à Caridade ou à Real Confraria do Santo Condestável, mas apenas os Membros da “Nobre Corporação” da mesma Soberana Invocação podem usar a Insígnia de Cavalaria que corresponde ao Distintivo de Pescoço Suspenso dos Membros com as correspondentes Estrelas do Peito em Prata para “Alcaides” e em Ouro para “Condestáveis”.
Os “Juízes” das Reais Confrarias do Santo Condestável detêm o antigo título honorário de Alcaide, e juntamente com os Juízes do Conselho da “Nobre Corporação” da mesma Soberana invocação, podem ser agraciados por Sua Alteza Real o Conde de Ourém ou pelo Conselho com o Grande Colar do Santo Condestável, em reconhecimento pelos extraordinários serviços prestados a qualquer uma das Confrarias Reais da FRCHC.

 Real Confraria do Santo Condestável S. Frei Nuno Stª Maria Álvares Pereira

DGPC adquiriu peças do Rei D. Miguel I para o Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda

José Alberto Ribeiro (ao centro) com as entidades convidadas para examinarem a espada do Rei D. Miguel I.

Está de parabéns o Dr. José Alberto Ribeiro, Director do Palácio Nacional da Ajuda por ter conseguido adquirir para a DGPC um importante conjunto de peças históricas que farão parte da Colecção do Tesouro Real do Palácio Nacional da Ajuda.

No photo description available.
Carlos Evaristo examina a espada do Rei D. Miguel I.

Para José Alberto Ribeiro: “o conjunto adquirido pela DGPC é constituído por quatro peças que pertenceram ao Rei D. Miguel I, considerando a proveniência deste relevante conjunto de obras, o seu contexto histórico e inquestionável qualidade artística, entende-se que esta aquisição contribui para a valorização das colecções do Património Nacional e, em particular, do acervo do PNA.”

Espada de Ouro do Rei D. Miguel I.

Para José Alberto Ribeiro: “Ressalta deste lote a Espada de ouro de D. Miguel I, uma obra de inquestionável singularidade, qualidade estética e artística, que em muito enriquecerá o Tesouro Real e a sua futura exposição na ala poente do Palácio da Ajuda.”

D. Afonso de Bragança com a espada do seu antepassado.

O Perito Carlos Evaristo, Presidente da Fundação Oureana, Pareceria Protocolar do Palácio Nacional da Ajuda, ao examinar a peça disse: “verifica-se que esta espada foi a que foi feita em Toledo em 1824 e que está referida pela Infanta D. Filipa de Bragança, tia de D. Duarte Pio, em correspondência pessoal existente.”

D. Afonso de Bragança examina a espada de D. Miguel I.

A mesma arma fez parte do lote de peças do espólio de D. Miguel I, depositado no Banco de Portugal em 1834 e posteriormente reclamado pelos seus herdeiros num processo que se arrastou por cerca de cem anos. Só em 1943 viria a ser realizado um leilão privado entre os dois ramos herdeiros visando os bens depositados.

A espada de D. Miguel I foi fabricada em Toledo em 1824 conforme a inscrição que se pode ver na lâmina.

Sua Alteza Real D. Afonso de Bragança, Príncipe da Beira, em representação de seu pai, D. Duarte Pio, Duque de Bragança, também teve a oportunidade de examinar a referida espada histórica a convite do Director do Palácio Nacional da Ajuda e na presença do Presidente da Fundação Oureana, Carlos Evaristo, do Director de Relações Públicas, Bruno de Castro e demais elementos das Fundações Oureana e D. Manuel II.

O Director do Palácio Nacional da Ajuda explicou os termos da aquisição da peça aos convidados.

FONTE: #patrimoniocultural#DGPC#PNA

FOTOS: Arquivo da Fundação Oureana – Direitos Reservados

19 de Julho de 2019

Pesquisa da Fundação Oureana comprovou que “Elvis Presley gravou canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima” em 1961

Elvis e o Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima.
Quadro a óleo do Mestre Henrique Mourato.
Colecção Instituto Elvis Presley (Fundação Oureana)

“Está confirmado que Elvis Presley gravou uma canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima“, afirmou o Pesquisador Carlos Evaristo, Presidente da Direcção da Fundação Oureana, quando revelou esse facto inédito pela primeira vez ao Mundo, a 12 de Maio de 1998, numa reportagem transmitida no Noticiário da RTP 1 / RTP Internacional. O Comentador e Especialista em assuntos de Fátima da estação estatal havia sido alertado em 1989 para cópias de gravações originais de 1961 num arquivo pessoal de Armantine Keller, uma octogenária dos EUA. Mas as mesmas eram gravações caseiras, de fraca qualidade, feitas de cópias em 1990 e por isso levantavam sérias dúvidas de autenticidade… As bobines de onde foram gravadas tinham sido alegadamente feitas a partir das originais em1968 usando um gravador portátil. Pensava-se que eram as originais mas não eram pois as fitas originais foram gravadas em 1961 por (Jesse) Lee Denson quando o mesmo visitou Elvis Presley na sua mansão em Graceland e ambos decidiram improvisar o tema “The Miracle of the Rosary (of Our Lady of Fátima.

Em 1995, Evaristo foi novamente alertado pela Ex-Funcionária da CIA, para a existência das cópias originais dessas gravações e também correspondência que comprovava várias ligações do Rei do Rock n’ Roll a Fátima. Posteriormente, Evaristo contactou o Compositor Norte Americano Lee Denson que vivia num Lar de Terceira Idade em Memphis, Tennessee, EUA, e esse amigo de infância de Elvis, não só confirmou todos os factos, como doou à Fundação Oureana as gravações e documentação inédita, oferecendo os direitos de autor sobre as mesmas à Fundação criada por John Haffert, pai do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima. Hoje estes e outros artefactos de Elvis Presley, fazem parte do Arquivo do Instituto Elvis Presley, Rei do Rock n´Roll da Fundação.

O texto que segue baseia-se numa reportagem do Correio da Manhã de 13 de Agosto de 2002

Elvis canta para Nossa Senhora de Fátima. Quadro a óleo de Henrique Tigo. Colecção Instituto Elvis Presley (Fundação Oureana)

Elvis Presley gravou canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima

Segundo Evaristo, a ligação de Elvis Presley a Fátima vai mais longe. “Por exemplo, foi entre os dias 12 e 15 de Maio de 1971 que Elvis Presley esteve no estúdio a gravar o disco “Elvis Now”. Entre as inúmeras músicas que tinha à sua disposição, houve uma que o Rei do “Rock’n’Roll” fez questão de utilizar: “The Miracle of the Rosary”, de Lee Denson, uma das pessoas que mais o ajudou quando começou a carreira.

O Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima

A Canção, dedicada a Nossa Senhora do Rosário de Fátima, foi escrita em 1960, quando Denson se aproximou do Catolicismo. Mas a história de “The Miracle of the Rosary” (O Milagre do Rosário) só foi confirmada a Carlos Evaristo há pouco tempo pelo autor da letra e da música e isto após uma antiga funcionária do FBI de nome Armantine Keller ter alertado o Pesquisador para esse facto (e ter redescoberto Denson a residir num lar de terceira idade em Memphis).

Lee Denson e Mary Denson

A história começa com o casamento de Lee com Mary. Ele pertencia à Igreja Baptista e ela era uma fervorosa Católica, que rezava todos os dias o terço, conforme Nossa Senhora de Fátima tinha pedido quando apareceu aos três pastorinhos na Cova de Iria, em 1917. Só que começou a descurar a fé, devido às inúmeras viagens que o marido – músico profissional – era obrigado a efectuar.

O terço que uma amiga lhe trouxe de Fátima chegou mesmo a desaparecer. Apesar de ter vasculhado a casa de alto a baixo, Mary não o encontrou. Até que, na noite de 13 de Outubro de 1960, quando o casal regressou a casa, após mais um concerto de Lee, o terço apareceu: estava aberto no seu estojo, em cima de uma almofada na cama.

Ficaram perplexos…

Tinham a certeza de que ninguém tinha entrado em casa enquanto estiveram fora. Mas resolveram dormir. Porém, a meio da noite, acordaram de repente: Mary, através de um toque suave nos lábios, e Lee, por causa de um som que se assemelhava a um sino. Sentiram ainda uma força eléctrica passar pelos corpos enquanto dormiam. Trocaram impressões sobre o que havia sucedido. Concluíram que só podia ter sido um milagre. Mary atribuiu-o logo a Nossa Senhora de Fátima. Lee, que não era Católico, passou a ser crente – embora só tivesse sido baptizado em 11 de Julho de 1964 – e juntou-se à mulher quando esta rezou o terço.

Na manhã seguinte, resolveram ir à missa. E ouviram o padre dizer que Nossa Senhora de Fátima todos os dias opera milagres na vida de cada um e que poucos lhe agradecem, ou param para pensar no que lhes aconteceu. Tentaram discutir o tema após a cerimónia religiosa e não o conseguiram. Segundo Lee, ele e a mulher foram os únicos a ouvir tais palavras. Cada vez mais perplexo, o músico não voltou a dormir descansado. Só o passou a fazer depois de ter escrito uma música dedicada a Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Quando pensou num artista que a gravasse, de modo a dar uma grande projecção a Fátima, Denson pensou no amigo Elvis Presley, que na altura já era uma das maiores celebridades da música mundial. Contudo, decidiu esperar até 1967, ano do 50.º aniversário das Aparições de Fátima, aproveitando também a vinda do Papa Paulo VI a Portugal.

Rótulo do primeiro LP de 1960

Lee conversou com o amigo, mas este respondeu-lhe que tinha a agenda demasiado preenchida. A canção esteve na gaveta até 1971.

Denson, entretanto, abandonou a carreira artística para se dedicar à igreja, em Memphis. Em 1978 cantou “The Miracle of the Rosary” numa missa. A igreja encheu-se de perfume de rosas, perante a estupefacção dos fiéis, entre eles o Arcebispo Panamiano Tomas Clavel, que considerou aquele sinal como algo“milagroso”.

Algum tempo depois, o Papa Paulo VI, abençoou a canção para que todas as pessoas que a ouvissem, cantada por Elvis Presley ou por Lee Denson (num disco editado por John Haffert Co-fundador do Exército Azul e Fundador da Fundação Oureana) recebam uma bênção Papal.

Uma Guitarra em vez de bicicleta

Lee Denson conheceu Elvis quando a família Presley trocou a cidade-natal, Tupelo, por Memphis, em 1947. Na altura, o futuro Rei do “Rock’n’Roll” vivia numa situação de extrema pobreza. A casa [da avó materna, Minie Mae Hood] onde habitava, no n.º 572 da Poplar Street, tinha apenas dois quartos, mas albergava 15 famílias em permanência.

Perante um quadro tão negro, os pais de Lee, o pastor evangelista J.J. Denson e a mulher Mattie, que geriam uma associação de solidariedade do tipo “sopa dos pobres”, foram determinantes na ajuda à família de Presley. Até emprego conseguiram para o pai de Elvis. E em Janeiro de 1948 arranjaram mesmo aos Presley uma casa no bairro de Lauderdale, no n.º 185 de Winchester Road.

Apesar de só ter dois quartos, era únicamente para o clã Presley. E a renda era acessível: 35 dólares por mês. Segundo Lee Denson, Elvis tinha, aos 12 anos, muita dificuldade em arranjar amigos. Na escola, um dos professores chegou ao ponto de lhe chamar “menino da mamã”, por usar brilhantina e ter uma popa no cabelo. Na hora das brincadeiras de rua mostrava-se sempre alheado. Um dos seus passatempos preferidos consistia em ficar especado a ver e ouvir Lee Denson e os amigos tocarem guitarra.

Apesar de só ter 13 anos, Lee era já um dos profissionais da música mais respeitados na zona sul de Memphis. Um dia, Lee disse a Elvis que um dos caminhos para tirar a família da miséria poderia passar pela música. Elvis respondeu-lhe que tinha medo de cantar em público e recusava-se a tocar com os amigos de Lee. Mas ficou a matutar na ideia.

E, por influência do amigo, no Natal de 1948 solicitou à mãe que, em vez da bicicleta já pedida, lhe oferecesse uma guitarra.

Lee foi o primeiro professor de Elvis e depressa percebeu que havia magia na voz do amigo. Não se enganou. Pouco tempo depois, cada vez que o ex-pobre miúdo de Memphis aparecia numa festa havia multidões a aplaudi-lo.

Disco de Elvis Presley foi editado em 1972

A canção “The Miracle of the Rosary” havia sido gravada por Elvis em 1971, mas só apareceu nas discotecas em 1972, no LP “Elvis Now”.

(NOTA: Segundo confirmou Lee Denson em entrevista gravada com Carlos Evaristo em 2001;Quando interpretava o tema para os amigos, Elvis, apesar de não ser Católico, terminava a canção com a recitação da oração da Avé Maria que conhecia. O facto da gravação de Elvis ter sido lançada em 1972 segundo John Haffert era outra ligação a Fátima pois tinha a ver com a chamada Profecia da Vidente Jacinta Marto para esse ano.”)

A Ex-Funcionária do CIA*

Armantine Keller

A história da canção “Miracle of the Rosary” chegou a Portugal através da devota de Fátima, a norte-americana Armantine Keller. Ex-funcionária do CIA*, em Memphis, contou a história a Carlos Evaristo, Presidente da Fundação Oureana, e Produtor do Elvisfest, que se realizou em Ourém.

(NOTA: No artigo publicado no Correio da Manhã em 2002 foi erradamente referido que Armantine Keller trabalhava para o CIA quando na realidade trabalhava para o FBI.

Armantine Keller era natural de Memphis, e foi amiga pessoal de Elvis Presley e de Lee Denson. Foi funcionária do Director do FBI, J. Edgar Hoover, a pessoa que mantinha uma ficha de investigação aberta sobre Elvis Presley e trabalhou na Sede do FBI em Washington, DC durante a Segunda Guerra Mundial e mais tarde para a Dave Dermon Company em Memphis.

J. Edgar Hoover
Carta de Armantine Keller datada 8 Abril de 1997

Armantine guardava as únicas cópias de 1968 das gravações inéditas originais de um ensaio do tema “The Miracle of the Rosary”, gravadas por Lee Denson, em 1961 e que nunca foram usadas. Armantine recebeu estas cópias de Lee Denson em 1968 ofereceu as mesmas a Carlos Evaristo em 1990 mas depois, mais tarde em 1997 conseguiu as originais, afirmado que Elvis sabia que Lee havia dedicado a canção a Nossa Senhora de Fátima e que tanto ele, como John Haffert, haviam tentado convencer Elvis Presley a gravar o tema em 1967 para que servisse de Hino do Cinquentenário das Aparições de Nossa Senhora de Fátima. Haffert confirmou a história em 1996 mas Carlos Evaristo só pôde confirmar em 2002 que as cópias de 1968 não eram originais mas cópias das gravações de 1961. Evaristo confirmou também que a canção fora mesmo dedicada a Nossa Senhora do Rosário “de Fátima”. Isto só foi possível depois de localizar o compositor Lee Denson que estava então a residir no Wesley Tower Retreat Home, um Lar de Terceira Idade para artistas em Highland Park, Memphis, Tennessee.

Tanto Armantine Keller como Lee Deonson eram dovotos de Nossa Senhora de Fátima e membros do Exército Azul e tinham vindo muitas vezes em Peregrinações a Fátima e outros lugares santos organizadas por John Haffert. Eram também Membros da Legião de Maria e do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima. A sua devoção à Mãe de Deus inspirou Armantine a trazer uma imagem de Nossa Senhora de Fátima para a Paróquia de São Luís, em Memphis. Durante anos, Armantine Keller e Lee Denson levaram a Virgem Peregrina do Exército Azul a centenas de lares promovendo o Terço do Rosário como uma ferramenta poderosa para a Paz Mundial. Foi Armantine também quem ofereceu uma imagem luminosa de Nossa Senhora de Fátima que Lee Denson enviou para Elvis Presley, com o pedido em 1967.

Armantine Keller foi casada 52 anos com o falecido Allen Y. Keller, primo de um Padre Católico Gregory Keller que lançou Elvis Presley na sua carreira artística. Armantine e Allen tiveram cinco filhos. Faleceu no Lar Kirby Pines Manor, aos 88 anos, a 28 de Fevereiro de 2006 e a Missa de Funeral teve lugar no dia 6 de Março, na Igreja Católica de São Luís. Armantine Keller ficou sepultada em Memory Hill Gardens em Memphis mas um Cenotáfio no Castelo de Ourém recorda o seu legado.)

Dali Pintou Milagre

Salvador Dali cobrou 15 mil dólares, em 1960, para pintar um quadro sobre as aparições na Cova de Iria. Quem o contratou foi um ex-crente da Igreja Baptista, conhecido de Lee Denson, que se converteu ao Catolicismo, depois de tomar conhecimento da Mensagem de Fátima.

Dali's Great Secret - VillaseGolfe
(NOTA: O quadro de Salvador Dalí da “Visão do Inferno” foi encomendado por John Haffert em 1960 e terminado em 1962. John Haffert e Lee Denson queriam que o mesmo fosse usado para a capa do single proposto a Elvis Presley em 1967.)

A CANÇÃO

The Miracle of the Rosary

“Oh Blessed Mother we pray to Thee.

Thanks for The Miracle of The Rosary.

Only You, can hold Back your Holy Son’s hand,

long enough for the whole world to understand.

Hail Mary, full of grace,

The Lord is with you.

Blesseed art Thou among women,

and blessed is the fruitof Thy Womb Jesus.

Oh Holy Mary,

Dear Mother of God,

please pray for us sinners,

Now and at the hour of our death.

And thanks once again,

for the Miracle of Your Rosary”

Circular de Lee Denson enviado através do Exército Azul com Mensagem de Fátima e os Pedidos de Nossa Senhora
LP de Lee Denson (Edição do Exército Azul. 1978)

TRADUÇÃO

“Ó Mãe Santíssima, nós vos rezamos.

Obrigado pelo Vosso Milagre do Rosário.

Só Vós pudestes suster a Mão do Vosso Filho Sagrado, durante o tempo suficiente para o Mundo compreender.

Avé Maria, Cheia de graça, O Senhor é Convosco,

Bendita Sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso Ventre Jesus.

Ó Santa Maria, Querida Mãe de Deus,

rogai por nós pecadores, agora e na horada nossa morte.

E mais uma vez agradeço o Milagre do Vosso Rosário.”

NOTA: Em 1978 Lee Denson com o apoio de John Haffert e do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima, lançou um LP com a sua interpretação do tema “The Miracle of the Rosary.” O disco foi oficialmente consagrado ao Apostolado de Fátima e recebeu não só o Imprimatur do Cardeal Português D. Humberto de Medeiros de Boston, mas a bênção do Papa Paulo VI.

Na década de 1980, Lee Denson cantou a sua canção no Santuário de Fátima e também no Carmelo de Coimbra, na presença da Vidente de Fátima, Irmã Lúcia.

Lee Denson e o irmão Jimmy Denson.

A pesquisa de Carlos Evaristo confirmou ainda outra ligação de Elvis Presley a Fátima.

Presley e Denson tocaram juntos no palco, pela primeira vez, num Baile de Finalistas de uma Escola Católica da Diocese de Little Rock (Diocese vizinha de Memphis) a 2 de Dezembro de 1954. Este liceu tinha um Clube Católico de jovens num Salão Paroquial que havia sido dedicado a Nossa Senhora de Fátima e tinha uma imagem na Igreja de Santa Maria ao lado. Elvis Presley nunca mais se esqueceu dessa primeira oportunidade que o Pároco dessa Igreja ofereceu ao artista pois foi essa actuação que o lançou na sua carreira artística. Todos os anos até falecer, o Rei do Rock n’ Roll enviava uma donativo anónimo de 10, 000 Dólares à Diocese por ocasião da Festa de Nossa Senhora de Fátima.

Foi o “Padre Ted”, um Monsenhor que costumava vir em Peregrinação a Fátima e que era amigo de Elvis desde os tempos em que esteve nas Forças Armadas, na Alemanha, quem confirmou a Carlos Evaristo, estes factos numa entrevista gravada em 1998, no Restaurante Medieval no Castelo de Ourém. Segundo o mesmo “certo ano quando a quantia ultrapassou 10, 000 dólares, o Bispo foi investigar e descobriu de que era Elvis Presley o generoso benfeitor anónimo da Diocese. A Diocese agradeceu a Elvis a sua generosidade numa carta oficial e a partir de então, Elvis passou a enviar o donativo em forma de cheque pessoal que chegava pelo Natal acompanhado de um cartão de Boas Festas assinado por ele e pelo seu Manager, o Coronel Tom Parker.

Elvis e o Coronel Parker

Em 1961 Lee Denson teve um raro reencontro com seu velho amigo na mansão de Graceland e durante o qual tocaram “The Miracle of the Rosary” juntos. Foi a primeira altura em que Lee pediu a Elvis para gravar o tema. Lee havia gravado o disco um ano antes, em 1960, e ofereceu ao Rei do Rock n’ Roll um exemplar. Nunca mais se encontraram e demorou dez anos até que Elvis Presley gravasse a canção; simplesmente para preencher o LP “Elvis Now” que precisava de mais uma faixa. Em 1971, Elvis lembrou-se que Denson e Haffert haviam-lhe escrito em 1967 a pedir que gravasse o tema nesse ano como um single para lançar em Maio pelo Cinquentenário das Aparições.

Segundo Carlos Evaristo, “Elvis era um profundo conhecedor das Aparições de Nossa Senhora em Fátima e tomou conhecimento da Mensagem através do Capelão Católico Padre Ted Malanowski, durante o tempo que passou como soldado na Alemanha.”

Em 1971, o Productor Red West ligou a Denson para anunciar que “The Miracle of the Rosary” estaria no LP mais recente de Presley e que Denson havia de receber direitos de autor, o que passou a receber até falecer.

Na entrevista a Evaristo em 2001, Lee Denson admitiu que era filho de um Ministro da igreja pentecostal, a mesma a que pertencia a família Presley, mas que na verdade, embora ele sempre tenha permanecido crente, ele não era um Cristão particularmente bom – até um dia no final da década de 1950 quando sentiu o que mais tarde descreveu como “uma poderosa força interior” surgindo em seu corpo. Ele e sua esposa Mary ficaram nervosos com a experiência e de alguma forma decidiram rezar o Terço. No dia seguinte, foram à Missa e rapidamente se converteram ao Catolicismo. Esse foi o primeiro Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima.

Seguidamente, Lee Denson abandonou a carreira artística para se dedicar à igreja, em Memphis. Em uma ocasião, em 1978, cantou “The Miracle of the Rosary” na Missa e, conforme relatos, a igreja se encheu de perfume de rosas. Entre os fiéis, estava o Arcebispo do Panamá, D. Tomas Clavel, que considerou ser um sinal “milagroso”. A história espalhou-se através do Exército Azul e, mais tarde, Denson foi convidado a cantar a sua canção na Cova da Iria, no Carmelo do Coimbra na presença da Irmã Lúcia e na igreja do Castelo de Ourém aquando da sua participação num Banquete Medieval.

Felto Jarvis e Elvis Presley

A gravação de “Miracle of the Rosary”, segundo os registos guardados por Armantine Keller e adquiridos por Carlos Evaristo, revelaram que Elvis Presley gravou o tema no Estúdio B da RCA entre 12 e 15 de Maio de 1971.

O Productor Discográfico Felto Jarvis que supervisou tudo deixou registado que “todos esperavam que as gravações para o novo LP ficassem concluídas num só dia e que os restantes dias fossem para meter a orquestração. Mas faltavam ainda alguns temas para se fechar o disco e o grupo de trabalho começou a propor vários temas até que Elvis deixou todos em silêncio ao insistir em gravar um tema que havia ensaiado a sós. The Miracle of the Rosary fora escrito por Lee Denson um compatriota das velhas Cortes de Lauderdale e que havia levado o tema pessoalmente a Elvis que manteve a intenção de o gravar no topo da agenda. Assim que trabalharam uma introdução no órgão a primeira gravação fluiu lindamente e Elvis depois conduziu os músicos nas quatro seguintes gravações que foram necessárias para completar a canção. Na noite do dia 14 para 15 de Maio, o Estúdio B havia sido decorado para uma gravação de Natal. A árvore de Natal estava lá no meio da sala decorada com caixas vazias embrulhadas a simularam presentes. Na manhã do último dia de gravações Elvis surpreendeu todos aos trazer presentes de Natal verdadeiros para os músicos e associados no projecto: pulseiras de ouro com as palavras “Elvis 71” gravadas. Toda a equipa com excepção do coro de fundo tinham trabalhado com Elvis no último projecto em Junho de 1970 e esta era a maneira de agradecer o trabalho de todos.

uma outra versão inédita da canção “The Miracle of the Rosary”, gravada por Elvis Presley acompanhado somente por um piano, a 12 de Maio de 1971, foi redescoberta em 1998 e incluído em 2002 numa edição especial de um CD produzida por Carlos Evaristo e o COFE (Clube de Fãs e Elvis em Portugal) para o Elvisfest 2002, no 25º aniversário da morte do cantor.

Denson havia dado permissão legal à Fundação Oureana para produzir uma edição limitada, não comercial do tema, contendo faixas com as três interpretações dedicadas a Nossa Senhora de Fátima; duas de Elvis Presley e a original de 1960 gravada por Lee Denson. Denson sonhava também com um novo projecto musical; um CD com 15 temas interpretados pelo próprio e dedicado aos 15 Mistérios do Rosário.

Carlos Evaristo desenhou a maqueta da capa e do rotulo do CD que foram aprovados por Denson, e também trabalhava com ele num filme de animação natalício orquestrado pelo compositor mas Lee adoeceu subitamente, tendo vindo a falecer, a 6 de Novembro de 2007 aos 75 anos de idade.

Na Missa fúnebre celebrada na igreja Católica de Santa Teresa, em Memphis, os amigos recordaram a sua devoção a Nossa Senhora de Fátima e o facto que havia conseguido que o Rei do Rock n’Roll, Elvis Presley, tivesse cantado e gravado a canção que o amigo de infância compôs para a Rainha do Céu e da Terra.

Os restos mortais de Jesse Lee Denson foram enterrados no Cemitério do Calvário da cidade de Memphis situado no Elvis Presley Boulevard. Em sua lápide está gravada uma mensagem final a Nossa Senhora de Fátima: “Obrigado mais uma vez pelo Milagre do Rosário”.

Parte de uma Carta de Denson enviada a Evaristo
Aprovação da Maqueta por Lee Denson
Maqueta do último CD de Lee Denson desnnhado por Carlos Evaristo
Sepultura de Jesse Lee Denson

IMPRENSA

A primeira divulgação desta história na Imprensa foi no Jornal Regional Diocesano de Leira;

“O Mensageiro”, a 28 de Maio de 1998.

“O Mensageiro”, 28 de Maio de 1998.
“O Mensageiro”, 28 de Maio de 1998.
The Algarve Resident, 2 de Agosto de 2002
Diário de Leiria, 5 de Agosto de 2002

A Notícia foi depois publicada no Correio da Manhã, a 12 e 13 de Agosto de 2002, em versão digital e impressa

Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
24 Horas, 13 de Agosto de 2002

Reportagens Posteriores

IMPRENSA – Dom Duarte de Bragança na Festa de Reis da Fundação Oureana

Por Mário Rui Fonseca

Dom Duarte de Bragança na Festa de Reis da Fundação Oureana. Foto: CMO

O Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Luís Miguel Albuquerque, esteve presente, conjuntamente com o Presidente da Assembleia Municipal de Ourém, João Moura, na XII Festa de Reis da Fundação Oureana, evento que decorreu este domingo, dia 5 de janeiro, no Restaurante Medieval da Vila Medieval de Ourém.

Esta iniciativa, que para além do tradicional almoço, teve ainda a Missa da Solenidade da Epifania e a Benção dos Reis, contou com a presença de Dom Duarte de Bragança, Duque de Bragança e Conde de Ourém.

A Fundação Oureana é uma instituição criada por John Haffert (Fundador do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima e grande amigo da Irmã Lúcia), que nos anos 40 se fixou em Ourém e tem procurado promover o seu património histórico.

Mário Rui Fonseca

A experiência de trabalho nas rádios locais despertaram-no para a importância do exercício de um jornalismo de proximidade, qual espírito irrequieto que se apazigua ao dar voz às histórias das gentes, a dar conta dos seus receios e derrotas, mas também das suas alegrias e vitórias. A vida tem outro sentido a ver e a perguntar, a querer saber, ouvir e informar, levando o microfone até ao último habitante da aldeia que resiste.

Fonte: https://www.mediotejo.net/ourem-dom-duarte-de-braganca-na-festa-de-reis-da-fundacao-oureana/?fbclid=IwAR2IfVnz3nPnWqOCRXc3aToESxD399ggfYY5X_6uJ7uryFoUDdxZlmF7veU

5 de Janeiro de 2020

ADN dos Santos está a ser estudado

Santiago de Compostela

A 1ª edição do projeto “ADN da Fé”, capitaneado pelo Dr. Carlos Evaristo, pretende resgatar as raízes da Fé na Península Ibérica a partir da suposta viagem missionária de São Tiago aos “confins da terra”.

A Europa se fez a caminho de Compostela. Essa observação atribuída ao célebre autor alemão Johann Wolfgang von Goethe já foi repetida à exaustão. E raros são os que desconhecem sua origem lendária. Ela teria começado com uma chuva de estrelas no bosque Libredón, no século IX. Surpreendido pelo espetáculo sobrenatural, o ermitão Pelágio alertaria o bispo de Iria Flávia, Dom Teodomiro. O que o religioso teria encontrado naquele bosque mudaria os rumos da civilização ocidental. Em um imponente sepulcro, jaziam os restos mortais de um dos apóstolos mais próximos de Cristo, São Tiago Zebedeu. Dois séculos após a suposta descoberta milagrosa, a história começou a ganhar repercussão por meio do documento Concordia de Antealtares.

A 1ª edição do projeto “ADN da Fé”, capitaneado pelo Dr. Carlos Evaristo, pretende resgatar as raízes da Fé na Península Ibérica a partir da suposta viagem missionária de São Tiago aos “confins da terra”. A equipe multidisciplinar conta com peritos nas mais diversas áreas: antropologia, arqueologia sacra, pesquisa documental, análise de DNA e datação por carbono-14. O terreno da investigação, porém, não é a antiga Iria Flávia, rebatizada de Santiago de Compostela e promovida a santuário apostólico, mas sua rival na Idade Média. Uma tradição largamente difundida na época afirmava que o apóstolo havia evangelizado a Península Ibérica, porém, seu centro principal de atuação era Bracara Augusta, posteriormente rebatizada de Braga, e seus arredores. Na antiga capital do Reino de Galiza, São Tiago teria fundado a primeira igreja cristã da Hispania, considerada a primaz até os dias de hoje, e nomeado, como bispo, o amigo e discípulo Pedro de Rates. No claustro da catedral de Braga, há um significativo vestígio dessa tradição: uma arca em pedra lavrada com a identificação dos restos mortais de São Pedro de Rates. Todas as suas relíquias, entretanto, foram trasladadas – boa parte para uma arca de madeira atualmente custodiada na Sé. 

A publicidade sobre a descoberta milagrosa do túmulo de São Tiago causou uma corrida ao seu alegado túmulo. Pessoas de todos os rincões do mundo peregrinavam até a casa do Apóstolo. E o enorme fluxo de peregrinos acabou forjando a Europa. Lembra-se da citação atribuída a Goethe? Antes desse fenômeno, porém, Iria Flávia estava sob a jurisdição da Sé de Braga, onde havia um importante santuário com relíquias insignes. Em busca de curas milagrosas, multidões acorriam até lá. A suposta descoberta de Teodomiro mudou o rumo da história. Alçada a arquidiocese e santuário apostólico, Santiago de Compostela começou a disputar com Braga a atenção dos peregrinos, uma disputa repleta de tramas ardilosas e furtos fantásticos, conhecidos como furta sacra ou pio latrocínio. Um personagem-chave foi o bispo Dom Diego Gelmírez. No século XI, o religioso se aliou à Dona Urraca, rainha de Castela e Leão, para esvaziar Braga e suas paróquias de seus mais importantes tesouros, incluindo relíquias de papas e antigos mártires da Igreja. O objetivo era trasladar essas joias medievais ao novo santuário compostelano. Eram relíquias verdadeiras? O simples fato de um bispo ter reunido um exército para invadir Portugal em busca delas é, por si só, um atestado de autenticidade. Se pairasse qualquer dúvida a respeito disso, o bispo poderia ter inventado relíquias, prática bem comum na época. Em 1992, parte dessas relíquias furtadas foi devolvida a Braga por ordem do atual arcebispo de Santiago de Compostela, Dom Julián Barrio Barrio.

Pela primeira vez na história, esse patrimônio religioso e histórico está sendo minuciosamente analisado pela equipe liderada por Carlos Evaristo, perito em relíquias, arqueologia sacra e iconografia sacra medieval. A primeira fase do projeto “ADN da Fé”, batizada de “Relíquias Insignes da Sé de Braga e do Caminho de Santiago de Compostela”, consistiu na identificação de todas as relíquias de Braga custodiadas na Sé e em outras paróquias da arquidiocese. Muitas estavam em condições precárias de armazenamento, misturadas a elementos inusitados. O primeiro passo foi examinar as relíquias insignes e colocá-las em invólucros de linho puro, benzidos pelo pároco da Sé, o cônego Manuel Joaquim Costa, e selados com fita e lacre, conforme preza a tradição da Igreja. Na investigação dessas relíquias antigas, uma pergunta fundamental deve ser respondida. Elas realmente pertencem aos alegados santos, aos eleitos de Cristo, ou foram “inventadas” (descobertas, na acepção medieval do termo)? 

Na Idade Média era comum produzir relíquias místicas, ou seja, réplicas em escala com pequenos fragmentos de relíquias reais. Havia também ossos que não passavam de relíquias de contato. Quando uma relíquia insigne era destruída ou roubada de um importante local de culto, havia uma relíquia representativa de substituição. Ela poderia ser de outro santo ou simplesmente uma escultura em madeira ou papel machê, incrustrada com uma relíquia menor. Algumas vezes, elaborava-se ainda uma pasta de ossos e terra do sepulcro. Réplicas místicas ou de substituição foram uma prática corrente. Um exemplo tradicional são as várias cabeças de São João Batista. Elas não passam de fragmentos do crânio em relicários no formato de cabeça ou caveira.

O estudo preliminar das relíquias de Braga já revelou o recurso a essas práticas medievais e romanas de substituição e reconstrução de relíquias insignes com uso de ouro, prata, cerâmica, madeira, gesso, cera e papel machê. A utilização dessas técnicas indica claramente que as relíquias de Braga haviam sido roubadas, destruídas ou parcialmente danificadas. O fato de muitas estarem carbonizadas e com partes reconstruídas – em madeira, gesso e papel machê pintado na cor de osso – comprova que sobreviveram ao fogo, resultante de acidente ou de alguma intervenção bélica de Dom Diego Gelmírez no processo de pilhagem. Há outra explicação plausível para o uso dessa técnica: as relíquias podem ter estado primeiramente em relicários de madeira destruídos por insetos. Em uma espécie de dedetização medieval, eles foram chamuscados pelo fogo, danificando também as relíquias. Vestígios de cola antiga e fragmentos de pergaminho com nomes de santos em ossos ajudam a corroborar essa hipótese.

Carlos Evaristo entrega a José António Lorente Acosta a primeira recolha de relíquias insignes para análises ADN.

A investigação inicial, porém, é incapaz de dar uma resposta definitiva sobre essas importantes relíquias. Para ajudar a desvendar o mistério, é preciso recorrer a métodos científicos confiáveis, como a investigação do DNA dos restos mortais e a datação por carbono-14. Nisso consiste a segunda etapa do projeto “DNA da Fé”. Foram retiradas amostras de cerca de duas dúzias de ossadas de santos, todas encaminhadas ao Dr. José António Lorente Acosta, professor de genética, médico-legista forense e presidente da comissão médica desse projeto. Em seu laboratório GENYO, na Universidade de Granada, o Dr. Lorente Acosta foi o responsável pela identificação dos restos mortais de célebres personagens históricas como Cervantes e Cristóvão Colombo. Segundo Lorente Acosta: “O material escolhido para a análise de relíquias deve ser constituído por dentes e fragmentos dos esqueletos, fragmentos com uma maior densidade óssea. Se não tiver cáries, os dentes são a parte do corpo que melhor guardam o DNA. O mesmo se passa com os ossos densos, pois o núcleo fica pouco exposto, e, portanto, menos propício à contaminação”. Pela primeira vez na história, uma tecnologia revolucionária no estudo do DNA será colocada a serviço da Igreja católica. Trata-se da NGS (New Generation Sequencer). É apenas o início de um projeto mais amplo para a criação de um Banco Internacional do DNA de santos, com o objetivo de auxiliar a Igreja na investigação da vida dos eleitos de Deus, bem como na reautenticação de relíquias. Essa base de dados já conta com amostras genéticas de diversos santos e beatos portugueses. É a gênese de novas edições do projeto “ADN da Fé”.

A investigação das relíquias dos santos bracarenses entra agora em sua quarta fase. O cônego José Paulo Leite Abreu, deão da Sé de Braga, perito em arte sacra e conservação e autoridade eclesiástica responsável pelo projeto desde o início, enfatiza a importância ímpar desse trabalho para a Igreja. Segundo o vigário-geral: “Precisamos saber a verdade acerca de alguns santos e suas relíquias insignes ligadas à história da fundação das dioceses de Braga e Santiago de Compostela e ao início da peregrinação jacobeia. Temos de confirmar se algumas figuras são históricas ou lendárias? Um exemplo significativo: São Pedro de Rates existiu? Ele foi realmente o primeiro bispo de Braga? Talvez seja finalmente possível encontrar a resposta por meio da investigação dessas relíquias que custodiamos na Sé desde a Idade Média”.

Enquanto as análises são processadas pela equipe, o grande enigma da peregrinação jacobeia paira no horizonte dessa investigação. Para desvendá-lo, devemos lançar um novo olhar para a Idade Média. Embora Dom Diego Gelmírez alardeasse que as relíquias de São Tiago Maior estivessem no santuário compostelano, Dom Maurício Burdino afirmou que elas haviam sido custodiadas primeiramente em Braga. Quando Dom Gelmírez começou a distribuir relíquias da mandíbula e dos dentes de São Tiago Maior, Burdino alegou que a maior parte do corpo do apóstolo ainda permanecia em Braga. Segundo alguns historiadores, o arcebispo de Braga havia adquirido o crânio de São Tiago Menor – e promovido o mal-entendido de que poderia ser o de Zebedeu. E também havia colocado para veneração pública os ossos de outro São Tiago, o Interciso, sem revelar plenamente sua identidade. Fazia parte do seu jogo na disputa de poder com Dom Gelmírez e na batalha para conquistar mais peregrinos. Todas as relíquias dos santos homônimos acabariam em Santiago de Compostela pelas mãos de Dom Gelmírez, incluindo o crânio de São Tiago Menor. Outra importante questão deve ser respondida pela equipe de investigação: Essas relíquias pertencem a santos homônimos ou constituem partes dispersas da ossada de um único santo, com fragmentos insignes ainda em Jerusalém, Braga e Pistoia?

Atualmente, a maior parte das alegadas relíquias de São Tiago Maior estão encerradas na arca-relicário de prata na cripta abaixo do altar-mor da catedral de Santiago de Compostela. E há uma interdição papal que impede sua abertura. No acervo da Regalis Lipsanotheca, no castelo de Ourém, e na coleção de relíquias de um arcebispo medieval de Braga, porém, existem peças fundamentais desse quebra-cabeça. Tratam-se de alegadas relíquias insignes de São Tiago Maior doadas por arcebispos de Santiago de Compostela a figuras históricas portuguesas dos séculos XV e XVI. São as mais antigas relíquias documentadas antes da maior parte dos ossos ter sido ocultada – e perdida – na época das invasões do corsário inglês sir Francis Drake. Ela seria redescoberta e reautenticada apenas no século XIX sob o papado de Leão XIII. 

Juntamente com amostras de relíquias de São Tiago Alfeu e São Tiago Interciso, essas históricas e alegadas relíquias de São Tiago Maior, custodiadas em Portugal, já foram encaminhadas ao Dr. Lorente Acosta. Em breve, o laboratório GENYO, na Universidade de Granada, poderá oferecer respostas a esses enigmas milenares. E provar se o DNA da Fé da Península Ibérica está realmente enraizado nas relíquias de um dos apóstolos mais próximos de Cristo. Independentemente das respostas, uma coisa é certa: Braga e Santiago de Compostela tornaram-se autênticas herdeiras de São Tiago Maior e nunca deixaram de zelar pela Boa-Nova que o Apóstolo teria carregado até aqueles “confins da terra”. 

O Cónego José Paulo Leite de Abreu e Carlos Evaristo apresentam o Projeto “Relíquias Insignes da Sé de Braga e do Caminho de Santiago de Compostela.

25 de Janeiro de 2022

Carlos Evaristo é arqueólogo, historiador e curador de várias comissões diocesanas para a reautenticação relíquias. Com sua mulher Margarida Evaristo, é fundador do Apostolado pelas Relíquias Sagradas e da Cruzada Internacional pelas Sagradas Relíquias. Curador da Regalis Lipsanotheca, colabora há várias décadas com a Sagrada Congregação para a Causa dos Santos e Gabinetes de Postuladores, sendo Presidente do Gabinete dos Patronos dos Museus do Vaticano para paises lusófonos e diretor do projeto “ADN da Fé”.

Fábio Tucci Farah é jornalista e perito em relíquias da Arquidiocese de São Paulo. Curador adjunto da Regalis Lipsanotheca, ele desenvolve diversas pesquisas com Carlos Evaristo e é membro da equipe de arqueologia sacra do projeto “ADN da Fé” e chefe da equipe editorial e de pesquisa.

FONTE: https://www.vaticannews.va/pt/mundo/news/2022-01/o-dna-da-fe-da-peninsula-iberica.html?fbclid=IwAR0Cxk_hysKFjMnVRzH4RxNVS7gtZrKn-hj1ol1SL4cCBxCSgwc9IIp47YA

Presidente da Guiné-Bissau aprova proposta do Departamento Heráldico da Fundação Oureana para a Criação das Três Ordens de Estado

O Presidente da República da Guiné-Bissau, General de Exército Umaro Sissoco Embaló no acto da Nomeação

Acaba de ser aprovado pela Presidência da República da Guiné-Bissau, o projecto para a criação das três Ordens de Estado, que teve origem num Projecto concebido em 24 de Setembro de 2017, pelo Colégio Heráldico da Fundação Oureana, para a instituição na Guiné-Bissau das suas Ordens Honoríficas, uma Chancelaria das Ordens e um Colégio Heráldico Nacional.

O Chanceler-Mor das Ordens General Malam Ca

O Presidente da República da Guiné-Bissau, General de Exército Umaro Sissoco Embaló que assinou o Decreto para a criação das três Ordens de Estado, nomeou Chanceler-Mor das mesmas, o General Malam Camará.

A ideia para a criação das Ordens foi proposta pelo Conselheiro da Presidência da República da Guiné-Bissau, Manuel Beninger Simões, Presidente da Fundação Meninos do Bissauzinho que partilha a autoria do projecto com o Heraldista Chefe Carlos Evaristo, o perito que concebeu a natureza e orgânica para a concessão das ordens e o ordenamento heráldico. Os desenhos são do Desenhador Heráldico Mathieu Chaine, do Colégio Heráldico da Fundação e o projecto oferecido gratuitamente ao Governo da Guiné-Bissau.

O projecto de proposta, assim como a minuta para o Decreto Presidencial foram preparados pelo Colégio Heráldico da Fundação, tendo por base a orgânica das Ordens Honoríficas da República Portuguesa, prevendo a criação pelo Presidente da República da Guiné-Bissau, das seguintes Ordens, baseando os nomes e insígnias das Ordens no lema e símbolos do Ordenamento Heráldico e da Divisa Nacional:

O Chanceler-Mor das Ordens General Malam Camará

ORDEM DA UNIDADE

ORDEM DA LUTA

ORDEM DO PROGRESSO

Na Minuta do Decreto pode-se ler que: “Pela Vontade do Povo, o Presidente da República da Guiné-Bissau, reconhecendo que a nossa Bem Amada e Gloriosa Pátria, ao contrário das outras Nações, até este momento não possuía Ordens Honoríficas de Estado para o Chefe da Nação, em nome do seu Povo, e a bem da Nação, poder Reconhecer, Galardoar ou Distinguir, em vida ou a título póstumo, os Cidadãos, e as Organizações e Entidades, Nacionais ou Estrangeiras, que se notabilizem por Méritos, pessoais ou colectivos, por Feitos Militares, Heroicos ou Cívicos, por Actos Excepcionais ou por Serviços Relevantes prestados ao País“, por meio deste Decreto cria as Ordens Honoríficas de Estado que por sugestão da comissão autora do Projecto que de acordo com o Chefe da Comissão autora do Projecto, Carlos Evaristo, “baseamos no Lema e Símbolos do Brasão da Divisa Nacional.”

Ordens que “servirão para serem perpetuamente outorgadas pelo Chefe de Estado em Pleno Exercício das suas Funções e Cargo” e que serão respectivamente de carácter: “Nacional, Militar e de Mérito Civil, a cada uma correspondendo finalidades e insígnias específicas, consagradas no Decreto e orgânica de gestão e concessão agora aprovado.

De harmonia com os usos internacionais, as Ordens Honoríficas da República da Guiné-Bissau podem ser atribuídas a cidadãos estrangeiros, como membros honorários de qualquer grau. Também os corpos militarizados, as unidades ou estabelecimentos militares podem ser declarados membros honorários de qualquer das Ordens, sem indicação de Grau, tal como as localidades, as colectividades e instituições que sejam pessoas colectivas de direito público ou de utilidade pública há, pelo menos, vinte e cinco anos.

No photo description available.
O Presidente da República da Guiné-Bissau, General de Exército Umaro Sissoco Embaló

Estas três Ordens que “servirão para serem perpetuamente outorgadas pelo Chefe de Estado em
Pleno Exercício das suas Funções e Cargo”
serão respectivamente de carácter: “Nacional, Militar e de Mérito Civil e a
cada uma correspondem finalidades e Insígnias específicas, consagradas no Decreto e orgânica de Gestão e Concessão agora aprovado.

Como Grão – Mestre das três Ordens de Estado, o Presidente da República da Guiné-Bissau usará, enquanto exerce funções de Chefe de Estado, a Banda das Três Ordens e o Grande Colar das Três Ordens, insígnias desenhadas pelo Desenhador Heráldico Francês; Mathieu Chaine do Departamento Heráldico da Fundação.

“De harmonia com os usos internacionais, as Ordens Honoríficas da República da Guiné-Bissau podem ser atribuídas a cidadãos estrangeiros, como membros honorários de qualquer grau, não se lhes aplicando as condições da sua concessão a cidadãos nacionais.

Os corpos militarizados e as unidades ou estabelecimentos militares podem ser declarados membros honorários de qualquer das Ordens, sem indicação de Grau, tal como as localidades, as colectividades e instituições que sejam pessoas colectivas de direito público ou de utilidade pública há, pelo menos, vinte e cinco anos.

AS NORMAS DE CONCESSÃO PROPOSTAS

A Concessão de qualquer grau das Ordens Honoríficas da República da Guiné-Bissau é da Exclusiva Competência do Senhor Presidente da República como Grão-Mestre das Ordens. A Competência referida no número anterior pode ser exercida “Motu Proprio” por iniciativa própria do Senhor Presidente da República ou por Proposta do Senhor Presidente da Assembleia da República ou do Senhor Primeiro-Ministro.

O grau de Grande-Colar destina-se principalmente a agraciar Chefes de Estado podendo, ainda ser concedido, por Decreto do Senhor Presidente da República, antigos Chefes de Estado e a pessoas cujos feitos, de natureza extraordinária e especial relevância para a Guiné-Bissau, os tornem merecedores dessa distinção.


PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE ORDENS HONORÍFICAS

O Presidente da Assembleia da República e o Primeiro-Ministro podem propor a concessão dos graus de qualquer Ordem a Cidadãos Nacionais ou Estrangeiros, sendo que a iniciativa das Propostas apresentadas pelo Primeiro-Ministro podem partir de qualquer dos Ministros.

A iniciativa das propostas de concessão da Ordem Militar da Luta é reservada ao Ministro da Defesa Nacional, ouvido o Senhor Chefe do Estado-Maior-General das Forças Armadas ou os Senhores Chefes dos Estados-Maiores do Exército, da Armada ou da Força Aérea, consoante o ramo a que pertença o agraciado, sendo formalizada pelo Senhor Primeiro-Ministro.

Os Conselheiros das Ordens podem propor a concessão de qualquer grau das respectivas Ordens, por iniciativa de qualquer dos seus membros ou no termo da apreciação  das solicitações de agraciamento formuladas por quaisquer cidadãos ou entidades.

A Concessão de qualquer condecoração a Cidadãos Estrangeiros, quando não seja da iniciativa do Senhor Presidente da República ou por proposta do Presidente da Assembleia da República ou do Primeiro-Ministro, é precedida de Minuta de Informação do Ministro Responsável pelos Negócios Estrangeiros.


FORMA E CONTEÚDO DAS PROPOSTAS E RESERVA DO DIREITO DE ACESSO

As Propostas de Concessão de qualquer grau das Ordens Honoríficas da República da Guiné-Bissau devem ser devidamente fundamentadas e Assinadas pela Entidade Proponente.

Os Fundamentos exigidos para a Concessão do Título de Membro Honorário de uma Ordem
a Localidades, Colectividades e Instituições devem ser provados pela Entidade Proponente, em
documentação anexa à Proposta, quando não constituam factos notórios.

É especialmente Obrigado ao Dever de Sigilo quem aceder, no exercício e por causa das suas
funções, à documentação referida nos números anteriores.

FORMA DO ACTO DE CONCESSÃO

A Concessão reveste a forma de Alvará, a publicar, integralmente ou por extracto, no Diário
do Governo.

Concedida a Condecoração, a Chancelaria das Ordens emite o correspondente Diploma e
Carta Patente, assinada pelo Chanceler da respectiva Ordem e autenticado com o Selo Branco
da Chancelaria.

Os Diplomas respeitantes ao grau de Grande-Colar são sempre assinados pelo Senhor Presidente da
República.

FORMA DE NVESTIDURA

A Investidura consiste na Imposição das Insígnias ao Agraciado por quem Presidir ao Acto Cerimonial.

A Investidura de Cidadãos Nacionais é precedida da Assinatura do Compromisso de Honra de Observância da Constituição e da Lei e de respeito pela Disciplina própria das Ordens Honoríficas Nacionais.

A “Investidura Solene” é assim designada quando o Senhor Presidente da República como Grão-Mestre das Ordens determinar no Despacho de Concessão.

Na “Investidura Solene”, a Imposição de Insígnias é precedida da Leitura do Alvará de
Concessão e do Toque e ou Canto do Híno Nacional.

A “Investidura Solene” tem lugar em Acto presidido pelo Senhor Presidente da República.

O Senhor Presidente da República pode Delegar no Senhor Presidente da Assembleia da
República ou ao Senhor Primeiro-Ministro a Imposição de Insígnias, nomeadamente em
Agraciamentos resultantes de Proposta dos mesmos.

O Senhor Presidente da República pode ainda, por expressa Delegação sua, encarregar da
Imposição das Insígnias os Chanceleres das respectivas Ordens, os Membros do Governo, os
Representantes da República nas Regiões Autónomas, em Actos a realizar nelas, os Chefes de
Estado-Maior ou os Embaixadores ou Consuls nos Países onde a Cerimónia ocorra.

A Solenidade da Investidura pode ser Simplificada em circunstâncias especiais.

PREVILÉGIOS DOS AGRACIADOS

As Unidades, Estabelecimentos Militares, Corpos Militarizados, Localidades, Colectividades e Instituições agraciadas usam sobre o laço da Bandeira de Desfile ou Estandarte Oficial outro laço de fitas da cor da Ordem, franjadas de ouro, tendo pendente numa das pontas o respectivo distintivo, não devendo os Laços das Condecorações ser usados cumulativamente com quaisquer adornos ou com outras insígnias.

Todos os membros das Ordens podem usar as Insígnias da Ordem Honorífica nas ocasiões apropriadas e também usarem as mesmas nos Escudos, Brasões de Armas ou Selos afixados em documentos que os identifiquem.

CHANCELARIA DAS ORDENS

As Unidades, Estabelecimentos Militares, Corpos Militarizados, Localidades, Colectividades e Instituições agraciadas usam sobre o laço da Bandeira de Desfile ou Estandarte Oficial outro laço de fitas da cor da Ordem, franjadas de ouro, tendo pendente numa das pontas o respectivo distintivo, não devendo os Laços das Condecorações ser usados cumulativamente com quaisquer adornos ou com outras insígnias.

Todos os membros das Ordens podem usar as Insígnias da Ordem Honorífica nas ocasiões apropriadas e também usarem as mesmas nos Escudos, Brasões de Armas ou Selos afixados em documentos que os identifiquem.


PROPOSTA DA CRIAÇÃO DE UM COLÉGIO HERÁLDICO PARA DESENHO, REGISTO E USO DE BRASÕES DE ARMAS

A fim de se poder desenhar, conceder e registar armas institucionais para repartições públicas, ministérios, corpos militares, municípios, etc. e ainda para poder conferir armas particulares a membros das Ordens que podem ostentar nos mesmos ou em selos as insígnias da(s) Ordem(s) Honorífica(s) com que foram agraciados foi também proposto ao Presidente da República da Guiné-Bissau, a criação de um Colégio Heráldico Estatal composto por um Heraldista Chefe, um Heraldista Assistente, um Desenhador Heráldico e três Conselheiros Heráldicos. Tarefas para as quais o Colégio Heráldico da Fundação Oureana disponibilizou a sua assesoria.



ORGÂNICA DAS TRÊS ORDENS PROPOSTAS À PRESIDÊNCIA DA REPUBLICA A 24 DE SETEMEBRO DE 2017

A ORDEM DA UNIDADE

O distintivo da Ordem da Unidade é uma estrela de nove pontas de esmalte vermelho perfilada de ouro, carregada, ao centro, de um círculo de vermelho com uma vieira de ouro, tudo envolvido por uma bordadura de esmalte verde filetada de ouro, com a legenda “Ordem da Unidade”, em letras maiúsculas de ouro.

É a mais alta condecoração da República da Guiné-Bissau e será atribuída pelo Presidente da República nos seguintes graus:

a) Grande-Colar; é o mais alto grau da Ordem sendo concedido exclusivamente a Chefes de Estado Estrangeiros durante visitas de Estado ou actos protocolares, podendo ainda ser concedido a antigos Chefes de Estado ou a pessoas cujos feitos, de natureza extraordinária perpétua ou de especial relevância internacional para a Guiné-Bissau, os tornem merecedores dessa Alta Distinção;

b) Grã-Cruz; pode ser concedida a qualquer cidadão, nacional ou estrangeiro, por altos serviços pontualmente prestados à Pátria ou que foram prestados de forma continuada, ao longo dos anos e por feitos muito extraordinários em prol da Guiné-Bissau, de elevado relevo e importância nacional, como os realizados por Primeiro Ministros e líderes políticos ou religiosos que tenham desempenhado um papel importante para a Unidade Nacional, após cumprimento de mandato, cargo ou no fim de carreira política;

c) Grande-Oficial; pode ser concedida a qualquer cidadão, nacional ou estrangeiro, por serviços ou feitos extraordinários prestados ou realizados em prol da Guiné-Bissau ou actos de alto relevo e importância nacional no campo da governação, como os que são exercidos por Ministros do Governo que tenham desempenhado um papel importante para a Unidade Nacional e isto após cumprimento de mandato, cargo ou no fim de carreira política;

d) Comendador; pode ser concedida a qualquer cidadão, nacional ou estrangeiro, por serviços ou feitos prestados ou realizados em prol da Guiné-Bissau actos de relevo e importância no campo da diplomacia estrangeira reservando-se este grau particularmente para distinguir Embaixadores que tenham desempenhado um papel importante para as Relações Internacionais no cumprimento de mandato ou em fim de carreira diplomática;

e) Oficial; pode ser concedida a qualquer cidadão, nacional ou estrangeiro, por serviços ou feitos prestados ou realizados em prol da Guiné-Bissau ou actos de importância no campo da diplomacia e cidadania reservando-se este grau particularmente para distinguir cônsules que tenham desempenhado um papel importante para a representação consular no cumprimento de mandato ou em fim de carreira consular;

f) Cavaleiro ou Dama; pode ser concedida a qualquer cidadão, nacional ou estrangeiro, por serviços ou feitos prestados ou realizados em prol da Guiné-Bissau no país ou fora dele, tais como em Comunidades Emigrantes;

A ORDEM DA LUTA

O distintivo da Ordem da Luta é uma é uma estrela de cinco pontas de esmalte negro perfilada de ouro, carregada, ao centro, de um círculo de ouro com a legenda “Luta”, em letras maiúsculas de vermelho, tudo envolvido por uma bordadura de esmalte vermelho filetada de ouro, com a legenda “República da Guiné-Bissau”, em letras maiúsculas de negro.

Representando o luto nacional e perpetuo de homenagem devida aos soldados mortos em combate e o sangue dos filhos da pátria.

É a mais alta condecoração da República da Guiné-Bissau e será atribuída pelo Presidente da República, como Chefe Supremo das Forças Armadas, para reconhecer altos serviços militares a oficiais das Forças Armadas, da Polícia e similares, tais como a Unidades, Órgãos, Estabelecimentos e Corpos Militares, e ainda os Soldados da Paz, tais como Bombeiros, Paramédicos, etc nos seguintes graus:

A Ordem da Luta pode ser também atribuída por Actos Heróicos praticados por Soldados em prol da Pátria ou do próximo, sendo condições gerais necessárias, no seu conjunto, para atribuição de qualquer grau da Ordem da Luta as seguintes:

a) Ter prestado, pelo menos, sete anos de Serviço Militar a contar da data da graduação ou promoção a Oficial;

b) Ter no decurso da carreira militar revelado elevados atributos morais e profissionais, manifestados através de uma irrepreensível conduta, reconhecidas qualidades cívicas e virtudes militares;

c) Ter prestado serviços altamente meritórios, reconhecidamente relevantes e distintos e que tenham contribuído para o Prestígio Militar das Forças Armadas ou da Polícia, etc., com especial relevância para os serviços prestados em campanha ou com risco de vida.

O Critério para a Concessão de cada grau da Ordem da Luta, baseia-se nomeadamente na Condecoração prévia com graus inferiores na mesma Ordem. Aos vários graus da Ordem da Luta, pertencem as honras militares correspondentes aos seguintes postos, se os condecorados não tiverem outras superiores:

a) Chefe de Estado Maior do Exército (em exercício de funções): Grande Colar;

b) Generais: Grã-Cruz;

c) Coronéis: Grande-Oficial;

d) Tenentes-coronéis: Comendador;

e) Majores: Oficial;

f) Alferes: Cavaleiro ou Dama;

Aos Militares Condecorados com a Ordem da Luta é permitido o uso das Insígnias respectivas, em passeio, com qualquer uniforme.

A ORDEM DO PROGRESSO

O distintivo da Ordem do Progresso são dois ramos de oliveira vitoriosos entrelaçadas de esmalte verde, unidos na base por um anel de ouro, carregados, ao centro, com o mapa do território da Guiné-Bissau esmaltado com as cores da Bandeira Nacional.

A Ordem do Progresso será atribuída em reconhecimento de serviços relevantes prestados em defesa dos valores da civilização e do progresso na agricultura, na tecnologia, na ciência e na indústria, etc. ou também em prol da dignificação da pessoa humana, de causas humanitárias e da causa da liberdade. Pode ainda distinguir quem houver prestado serviços relevantes à Pátria, no país ou no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura nacional ou por dar maior conhecimento da Guiné-Bissau, da sua história, cultura, música, arte e valores no mundo. 

A Ordem do Progresso pode galardoar actos ou serviços meritórios praticados no exercício de quaisquer funções, públicas ou privadas, que revelem abnegação em favor da colectividade com o grau de Companheiro.

O Presidente da República da Guiné-Bissau pode ainda reconhecer com a Medalha de Mérito da Ordem do Progresso os altos serviços prestados à causa da educação e do ensino tendo assim o objectivo de reconhecer o Mérito Civil, manifestado no exercício de funções públicas ou privadas, em especial na área social, educacional e no meio empresarial.

Os graus de concessão desta Ordem são iguais as anteriores com excepção do grau da medalha de Mérito que nas demais não existe.

IGUALMENTE PROPOSTA A CONSAGRAÇÃO DE ARMAS, BANDEIRA E HINO NACIONAL DA REPÚBLICA DA GUINÉ-BISSAU

A Proposta do Colégio Heráldico da Fundação Oureana incluía a ideia de consagrar no Decreto Presidencial; o Brasão de Armas da Guiné-Bissau, a Bandeira Nacional e o Hino Nacional, já consignados no Artigo 22º nr.º 1 da Constituição da República da Guiné-Bissau.

O Brasão de Armas da Guiné-Bissau

As Armas da República da Guiné-Bissau consistem em duas palmas de esmalte verde, avivadas de ouro, dispostas em círculo, unidas pela base, onde assenta uma vieira amarela, alegoria à localização do país na costa Oeste de África, e ligadas por um listel de esmalte vermelho, filetado de negro, em que se inscreve o lema «UNIDADE LUTA PROGRESSO», em letras maiúsculas negras. Encimando a extremidade superior das palmas uma estrela negra de cinco pontas, simbolizando o Pan-Africano e frequentemente referenciada como a “Estrela Negra de África”.

A Bandeira Nacional da Guiné-Bissau

A bandeira da Guiné-Bissau é composta por uma faixa vertical de vermelho e duas faixas horizontais de amarelo e verde. No centro da faixa vermelha está uma estrela preta de cinco pontas.

O Hino Nacional da Guiné-Bissau

O Hino Nacional foi escrito por Amílcar Cabral e a música composta por Xiao He.

Esta é a Nossa Pátria Bem Amada
Sol, suor, o verde e o mar,
Séculos de dor e esperança;
Esta é a terra dos nossos avós!
Fruto das nossas mãos,
Da flôr do nosso sangue:
Esta é a nossa pátria amada.
Viva a pátria gloriosa!
Floriu nos céus a bandeira da luta.
Avante, contra o jugo estrangeiro!
Nós vamos construir
Na pátria imortal
A paz e o progresso!
Nós vamos construir
Na pátria imortal
A paz e o progresso! Paz e o progresso!
Ramos do mesmo tronco,
Olhos na mesma luz:
Esta é a força da nossa união!
Cantem o mar e a terra
A madrugada e o sol
Que a nossa luta fecundou.

O Ministro da Defesa da Guiné-Bissau, General Sandji Fati e Manuel Beniger Simões com o Decreto e o Projecto das Ordens

O COLÉGIO HERÁLDICO DO DEPARTAMENTO HERÁLDICO DA FUNDAÇÃO OUREANA

O Departamento Heráldico da Fundação Oureana, foi criado em 2000 por Carlos Evaristo e está sedeado no Centro de Estudos das Ordens Dinásticas da Casa Real Portuguesa localizado no Castelo de Ourém, inaugurado em 1996 por John Mathias Haffert e D. Duarte Pio de Bragança. O Departamento da Fundação é um órgão com Colégio Heráldico que dá pareceres e trata da elaboração gratuita de projectos de Brasões de Armas e Condecorações tanto para entidades públicas como privadas, assim como para Casas Dinásticas e pessoas individuais.

Os pareceres, estudos e projectos, são depois propostos à consideração, para aprovação e registo de Conselhos Heráldicos de Estado, Reis d’Armas de Reinos, Heraldistas e Departamentos Heráldicos Municipais e de Estado, com legítimo Fons Honorum Legal para concederem autorização, para criar Brasões e Ordens Honoríficas e Implementar e Regular o uso das mesmas. O Colégio Heráldico também dá pareceres às Casa Reais e Dinásticas através de outro Departamento da Fundação; o Instituto Preste João, Real e Imperial Conselho de Nobreza Estrangeira, que também tem uma Associação do mesmo nome, criada pela Fundação Oureana em 2003 e hoje reconhecida mundialmente como único órgão reconhecido para registo das Honras, Ordens e Mercês conferidas por Casas Reais e Imperiais extra europeias, não reinantes.

É de referir que embora haja quem assuma o uso de armas pessoais ou associações e heraldistas privados que produzem Cartas de Armas, a verdade é que, legalmente nenhuma organização ou pessoa, a não ser parte de um órgão de Estado com poderes para o efeito, ou entidade com Fons Honorum; Pontifício, Diocesano ou Dinástico de uma Casa Real, pode validamente atribuir, registar e regular armas para uso individual, familiar ou institucional.

O Departamento Heráldico da Fundação já teve vários Heraldistas Chefes no Conselho Heráldico e entre eles: Carl Lindgren (2000 – 2003), David Ashley Pritchard (2003 – 2005), Carlos Evaristo (2005 – ) e Humberto Nuno de Oliveira (2019 – ). Foram Desenhadores Heráldicos do Conselho; Clyde William Webb (2000 – 2005), Hernani Marques de Carvalho (2005) Padre John Guilbbert Mariani (2005 – 2015) e actualmente Mathieu Chaine (2015 – ) e Humberto Nuno de Oliveira (2019 – ), especialista em Falerística, Heráldica e Protocolo de Estado.

Acaba de ser aprovado pela Presidência da República da Guiné-Bissau, o projecto para a criação das três Ordens de Estado, que teve origem num projecto concebido em 24 de Setembro de 2017, pelo Colégio Heráldico da Fundação Oureana, para a instituição na Guiné-Bissau das suas Ordens Honoríficas, uma Chancelaria das Ordens e um Colégio Heráldico Nacional.
O Desenhador Heráldico Mathieu Chaine

Também fazem parte do Conselho Heráldico, para além dos membros já supra referidos; os seguintes Conselheiros; Pier Felice degli Uerti, Presidente da I.C.O.C., especialista mundial em Ordens e Casas Reais; Manuel Beninger Simões, Conselheiro Diplomático e especialista em relações Diplomáticas; Kevin Couling, especialista em Heráldica e Ordens; e os Advogados especialistas nestas matérias: António Agostinho dos Santos Pereira, Jorge Costa Rosa e Luis Roberto Lorenzato di Ivrea, Deputado Federal na Itália. São Secretários do Departamento; David Alves Pereira e Bruno de Castro.

Até hoje, o Departamento Heráldico da Fundação já preparou e apresentou gratuitamente e a pedido de entidades Governamentais, Episcopais Diocesanas ou Chefes de Casas Reais Dinásticas, não reinantes, mais de 35 projectos para a criação de Condecorações de Mérito e Ordens, um dos quais acaba de ser aprovados e implementados pelos Governos da República da Guiné-Bissau e de São Tomé e Príncipe. Outros três estão actualmente em apreciação por parte de Governos estrangeiros.

O Departamento Heráldico também desenhou gratuitamente mais de 150 Brasões de Armas para indivíduos, entidades, particulares e instituições sendo que alguns foram posteriormente usados na elaboração de Cartas Oficiais de Concessão de Armas e Cartas de Reconhecimento de Armas.

O Colégio Heráldico da Fundação já preparou também Brasões de Armas que foram posteriormente aprovados e conferidos pela Corte do Lord Lyon, o Rei d’armas da Escócia e o recém-criado Gabinete do Heraldista de Estado da República de Malta.

No description available.

O Departamento desenhou também as Insígnias da Real Guarda de Honra, da Real Confraria do Santo Condestável, do Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado, novas Insígnias da Ordem de São Miguel da Ala e da Real Irmandade da mesma soberana Invocação e o Brasão da Real Irmandade de Nossa Senhora da Saúde de Évora e as Armas da Regalis Lipsanotheca e o Instituto Preste João entre muitas outras organizações. Também criou Brasões de Armas, Insígnias de Ordens e Condecorações Diocesanas, e entre elas, o Brasão Episcopal do Bispo de São Tomé e Príncipe, D. Manuel António Mendes dos Santos e o logotipo da CEAST; Conferência Episcopal de Angola e São Tomé e Príncipe.

FONTE: https://www.facebook.com/watch/?v=1027078351416498&extid=WA-UNK-UNK-UNK-IOS_GK0T-GK1C&ref=sharing

13 de Novembro de 2021

Faleceu Frá Matthew Festing, Príncipe Grão-Mestre Emérito da Soberana Ordem de Malta, Patrono da Real Confraria do Santo Condestável e da Regalis Lipsanotheca

R.I.P.
Frá Matthew Festing
(1949 – 2021)

É com triste pesar que a Fundação Histórico – Cultural Oureana recebe a notícia do falecimento de Frá Matthew Festing, Príncipe Grão-Mestre Emérito da Soberana Ordem de Malta.

O falecimento de Frá Matthew de 71 anos de idade, foi comunicado pelo Grande Magistério da Ordem de Malta em Roma, como tendo ocorrido, hoje, Sexta-Feira, 12 de Novembro.

Festing, foi o 79º Grão-Mestre da Soberana Ordem de Malta, e era, desde 22 de Setembro de 2009, Patrono Fundador e Condestável-Mor Honorário da Real Confraria do Santo Condestável. Era também Patrono Honorário do Museu da Fundação; Regalis Lipsanotheca e Botica de São João / ambos os edifícios fazendo parte da Exposição Nacional do Santo Condestável da Fundação Oureana.

Numa carta dirigida à Real Confraria em 2009 informava: “Ficarei muito contente em ser Patrono Honorário do vosso Museu.”

Festing era grande devoto das Santas Relíquias mas também de São Nuno de Santa Maria tendo assistido à Missa de Canonização, a 26 de Abril de 2009, na Praça de São Pedro no Vaticano, altura em que havia solicitado à Real Confraria, uma relíquia e imagem do Santo Condestável para uso devocional na Capela no Palácio do Grande Magistério em Roma. A relíquia e imagem, oferecidas e enviadas pelos Confrades Fundadores da Real Confraria, Carlos Evaristo e José António Alves Cunha Coutinho, foram entronizadas pelo Príncipe Grão-Mestre, na referida capela, pela Festa de São João Baptista, aniversário do nascimento de D. Nuno Àlvares Pereira.

Sobre a relíquia de São Nuno escreveu: “A Ordem de Malta tem muita honra em receber uma relíquia de São Nuno (…) E obviamente iriamos ficar encantados de a ter e muito a iremos estimar.”

O Príncipe Frá Matthew Festing com os Confrades Fundadores; Carlos Evaristo e Vítor Portugal dos Santos

Frá Matthew escrevia com regularidade, e durante muitos anos, para a Real Confraria. Sua última carta como Príncipe e Grão-Mestre da Ordem de Malta, por coincidência, está datada do mesmo dia de sua abdicação.

Festing havia participado no último dia 4 de Novembro, em Malta, na Profissão de Votos Solenes de Frá Francis Vassallo, na Concatedral de São João de la Valette, mas após a cerimônia, sentiu-se mal e foi levado ao hospital onde ficou internado ao se verificar que o seu estado de saúde era considerado grave. No dia 6 de Novembro, Festa de São Nuno, foram enviados votos de rápidas melhoras e orações pelas suas rápidas melhoras por parte da Real Confraria.

Frá Matthew cumprimenta o Celebrante na Missa que teve lugar no passado dia 4 de Novembro

Frá Marco Luzzago, atual Lugar-Tenente do Grão-Mestre, pediu orações pela alma de Frá Matthew Festing que nasceu em 1949, em Northumberland, na Inglaterra. Filho de Robert Matthew Festing, era descendente de Sir Adrian Fortescue, Cavaleiro de Malta que morreu Mártir, em1539.

Matthew Festing estudou História na Universidade de Cambridge e era especialista em Arte. Também serviu os Granadeiros, foi Coronel do Exército Britânico e recebeu da Rainha Elizabeth II, o título de Oficial da Ordem do Império Britânico.

Frei Matthew Festing ingressou na Soberana Ordem de Malta no ano de 1977 onde Professou Solenemente os votos em 1991, tornando-se no primeiro membro da Ordem a ter o título de Grão-Prior de Inglaterra após 450 anos. Em 2008, foi Eleito Príncipe e 79º Grão-Mestre da soberana Ordem de Malta e permaneceu no cargo até à sua renúncia, a pedido do Papa, em Janeiro de 2017.

O Papa Francisco com o Príncipe Matthew Festing em 2017

Durante os anos que passou à frente da Ordem de Malta, visitou todos os Continentes para conhecer com detalhes o trabalho da Ordem além de reforçar laços Diplomáticos com todos os países. Foi o principal promotor das peregrinações anuais da Ordem de Malta aos Santuários Marianos, de Fátima e Lourdes, onde se encarregava pessoalmente de acolher os peregrinos com deficiências.

Rogamos a todos os Capelães e Confrades da Real Confraria que rezem para que Deus conceda o Eterno descanso ao nosso querido Patrono para assim gozar de paz na Pátria Celeste na companhia de São Frei Nuno Nuno de Santa Maria que também foi Prior da Ordem de São João em Portugal.

Um Missa por alma de Frá Matthew Festing será mandada celebrar pela Real Confraria em data a anunciar.

12 de Novembro de 2021

Família Real Portuguesa visitou Exposição no Palácio Nacional da Ajuda

O Chefe da Casa Real Portuguesa, Dom Duarte Pio de Bragança, visitou a exposição temporária “D. Maria II. De Princesa Brasileira a Rainha de Portugal (1819 – 1853)”, acompanhado de sua mulher D. Isabel, dos filhos e dos primos.

A visita guiada à exposição patente na Galeria de Pintura Rei D. Luís I do Palácio da Ajuda, foi conduzida pelo Dr. José Alberto Ribeiro, Director do Monumento, que explicou aos Duques de Bragança e seus filhos D. Afonso, Príncipe da Beira e D. Maria Francisca, Duquesa de Coimbra, a história das peças expostas que incluem a Coroa Real, o Ceptro e o Trono mandados fazer para a Coroação da Rainha D. Maria II.

É de recordar que as Fundações D. Manuel II e Oureana mantêm Protocolos com o Palácio Nacional da Ajuda para conservação, consulta e divulgação de património.   

No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.
No description available.

27 de Outubro de 2021