Especialista Brasileiro em Relíquias Sagradas (e Vice Curador da Regalis Lipsanotheca da Fundação Oureana) faz pesquisa inédita sobre Coroa de Espinhos de Jesus Cristo

coroa-na-cruz-3.jpg
Coroa ou Turbante de Espinhos?

O ensaio preliminar sobre o simbolismo da relíquia foi feito por Fábio Tucci Farah, fundador do Departamento de Arqueologia Sacra da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI). O pesquisador apresenta a hipótese de que, “tecnicamente”, a Coroa de Espinhos de Cristo seria um Turbante de Espinhos, abrindo o debate sobre o argumento: “estou convencido de que os soldados se espelharam na tiara e no turbante sacerdotais para confeccionar a Coroa de Espinhos. E, portanto, Cristo foi crucificado como Sumo Sacerdote”.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

A “Coroa de Espinhos”, uma relíquia da Paixão de Cristo descrita em três Evangelhos, foi tema de pesquisa do jornalista e escritor Fábio Tucci Farah. O especialista em relíquias da Arquidiocese de São Paulo é também fundador do Departamento de Arqueologia Sacra da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI) e atua no Brasil como delegado da “International Crusade for Holy Relics” (ICHR).

Trabalho inédito sobre a Relíquia

Nos últimos quatros anos, Fábio se aprofundou nos estudos sobre as relíquias da Paixão e notou algo inusitado:

“Temos uma imagem bastante clara de como era a Santa Cruz, a lança que perfurou o torso de Cristo, a Santa Síndone. Porém, a imagem mais conhecida da Coroa de Espinhos não corresponde à realidade. A imagem que temos da Coroa de Espinhos contradiz importantes testemunhos históricos e pesquisas recentes sobre a Santa Síndone e o Sudário de Oviedo. A iconografia ocidental consagrou imagem da Coroa de Espinhos em forma da coroa triunfal romana. Em abril do ano passado, o incêndio na Catedral de Notre-Dame, de Paris, trouxe à tona essa imagem equivocada da Coroa de Espinhos: ali estava custodiada a relíquia mais afamada da Coroa de Espinhos adquirida por São Luís. Essa relíquia, graças a Deus salva do incêndio, trata-se de um círculo de juncos trançados, desprovido de espinhos. Não é uma relíquia falsa, na realidade, é apenas uma peça da Coroa de Espinhos original.”

O ensaio preliminar do pesquisador brasileiro, acompanhado de ilustrações, buscou resgatar o verdadeiro simbolismo de uma das mais importantes relíquias da Paixão e ganhou o título de “A Coroa de Espinhos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Do estudo arqueológico da relíquia à redescoberta de seu simbolismo”. Segundo o autor, o trabalho inédito já foi apreciado pelo arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, que teria recomendado a sua divulgação.

Coroa ou Turbante de Espinhos?

Desde os primórdios da arte cristã, a relíquia é retratada com ramos espinhosos. Entretanto, no século V, São Vicente de Lérins a descreveu como um píleo. Mas “por que os soldados confeccionariam uma coroa em formato tão prosaico?”, se questionou o pesquisador que resolveu se aprofundar no argumento, na tentativa de compreender o real significado da relíquia que faz parte significativa da história da Salvação.

Fábio conta que outros estudos, inclusive dos sindonologistas – aqueles que pesquisam sobre a Santa Síndone, têm lançado novas hipóteses sobre a Coroa de Espinhos: ela chegou a ser descrita como um capacete, um gorro, uma carapuça, um boné, o que não faria sentido algum do ponto de vista simbólico. A pesquisa do brasileiro mostra, então, que, para a confecção da Coroa, os soldados romanos poderiam ter buscado inspiração em um acessório sagrado da maior autoridade dos judeus: o Sumo Sacerdote.

“Se a coroação de espinhos era uma paródia de investidura real, por que os soldados confeccionaram uma coroa em forma de pileu? Do ponto de vista simbólico, isso não faria sentido algum. Para aqueles homens, qual seria a figura mais parecida ao Rei dos Judeus? A evidência é justamente a Coroa de Espinhos. Se avaliarmos os testemunhos históricos e as investigações sobre a Santa Síndone e o Sudário de Oviedo constatamos que a Coroa se compunha de duas partes; essas partes remetem ao adorno sagrado que o Sumo Sacerdote usava sobre a cabeça durante as solenidades no Templo de Salomão. O círculo de juncos corresponderia à tiara sacerdotal e os ramos espinhosos ao turbante sacerdotal, ou seja, os soldados teriam trajado Cristo como um Sumo Sacerdote. E, sem querer, teriam esboçado a resposta à pergunta de Pilatos a Cristo: ‘Então, Tu és rei?’. Sim, era um rei, mas não rei deste mundo, era um rei-sacerdote como Melquisedec. Tecnicamente não teríamos uma Coroa de Espinhos, mas um Turbante de Espinhos.”

Resgate contínuo da História Sagrada

O ensaio preliminar e a hipótese apresentada por Fábio sobre o simbolismo da Coroa de Espinhos foi para atrair outros colegas para o debate, assim como tem feito durante a carreira. O pesquisador desenvolve um trabalho no Brasil para resgatar a história e o culto das sagradas relíquias, tanto que, em maio, deve lançar a obra “Relíquias Sagradas – dos tempos bíblicos à era digital”, em coautoria com Carlos Evaristo, considerado um dos maiores peritos do mundo no assunto; e prefácio de Dom Odilo Scherer.

“Como pesquisador, estou convencido de que os soldados se espelharam na tiara e no turbante sacerdotais para confeccionar a Coroa de Espinhos. E, portanto, Cristo foi crucificado como Sumo Sacerdote no momento estou analisando duas novas importantes evidências que ajudam a endossar essa hipótese. A ideia de divulgar um ensaio preliminar é para atrair outros pesquisadores para esse debate e, dessa maneira, enriquecer a hipótese com outros pontos de vista.”

24 de Março de 2020

FONTES: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2020-03/coroa-de-espinhos-jesus-especialista-brasileiro-pesquisa.html

https://media.vaticannews.va/media/audio/s1/2020/03/24/14/135537287_F135537287.mp3

Share

PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE OURÉM, JOÃO MOURA, ATRIBUIU MEDALHA DE OURO DA AMO À FUNDAÇÃO HISTÓRICO – CULTURAL OUREANA

O Dr. João Moura confere a Medalha à Fundação Oureana.

A Concessão do mais alto galardão da AMO reconhece os 25 anos da Fundação e os seus elevados préstimos ao Concelho de Ourém, nomeadamente na valorização do seu património histórico/cultural.

A Medalha de Ouro foi recebida por D. Duarte, Duque de Bragança na qualidade de Membro do Conselho de Curadores da Fundação Oureana e o Diploma entregue a Carlos Evaristo, Presidente do Conselho Executivo.

Medalha e Diploma.

Esta distinção acontece no dia em que foi renovado o Protocolo de Acordo de Parceria e Cooperação entre o Município de Ourém e a Fundação e no âmbito do programa da Comemoração do Centenário do Nascimento de Amália Rodrigues, do qual fez parte a inauguração das Exposições “Bem-vinda Seja Amália” / “Viva Amália! Rainha do Fado!”, patentes no Auditório Cultural dos Paços do Concelho até 10 de Outubro.

26 de Setembro de 2020

FONTE: https://www.facebook.com/assembleiamunicipaldeourem/posts/672295920076528

🎖️(O presidente da AMO, João Moura, atribuiu hoje a medalha de ouro da Assembleia Municipal à Fundação Histórico – Cultural Oureana. O mais alto galardão da AMO reconhece os 25 anos da Fundação e os seus elevados préstimos ao concelho de Ourém, nomeadamente na valorização do seu património histórico/cultural. A medalha foi recebida por D. Duarte, Duque de Bragança. Esta distinção acontece no dia em que foi renovado o protocolo de acordo de parceria e cooperação entre o Município de Ourém e a Fundação e no âmbito do programa da comemoração do Centenário sobre o nascimento de Amália Rodrigues, do qual fez parte a inauguração da exposição “Bem-vinda Seja Amália” / “Viva Amália! Rainha do Fado!”, patente no Auditório Cultural dos Paços do Concelho até 10 de outubro.)

FOTOS: Município de Ourém

Share