DUQUE DE BRAGANÇA HOMENAGEADO COM A MAIS ALTA DISTINÇÃO UNIVERSITÁRIA

Prof. Moritz Hunzinger, Magnífico Patrono Prof. D. Duarte de Bragança e Dr. Carlos Evaristo.

O Presidente da Fundação D. Manuel II, S.A.R. Dom Duarte de Bragança, recebeu hoje, no Palácio Fronteira, em Lisboa, os títulos de “Patrono” e “Membro de Honra da Faculdade de História” da Universidade Pedagógica Nacional Dragomanov, de Kiev, Ucrânia.

Prof. Moritz Hunzinger, Magnífico Patrono Prof. D. Duarte de Bragança e Dr. Carlos Evaristo.

Tal como no passado, em que os Papas, Imperadores e Reis eram os Patronos, e tantas vezes protetores e mecenas das universidades, entendeu esta Universidade Ucraniana, uma das maiores da Europa, ao entregar este título de Patrono, que era o mais alto reconhecimento das Universidades, assinalar as qualidades de humanista e estadista e o insigne papel no domínio das relações internacionais, sobretudo na defesa intrínseca da amizade entre os povos e sua história, liberdade e cultura, que o Senhor Dom Duarte vem assumido. Ao atribuir o estatuto de Patrono e Membro de Honra da sua Faculdade de História, a Universidade Pedagógica Nacional Dragomanov presta ao Chefe da Casa Real Portuguesa o reconhecimento da sua estatura no domínio das relações internacionais e ao seu inquestionável papel na história mundial como representante da Casa Real Portuguesa.

Prof. Moritz Hunzinger, Magnífico Patrono Prof. D. Duarte de Bragança e Dr. Carlos Evaristo.

A Universidade deliberou também a concessão ao Cônsul Carlos Evaristo, Pesquisador e Autor, Presidente e Co-Fundador da Fundação Histórico Cultural Oureana, de um Doutoramento Honoris Causa em reconhecimento dos mais de 30 anos de serviço à Comunidade Cristã, nos domínios da História, do Culto dos Santos, da Iconografia Sacra, da Fenomenologia Religiosa e da Arqueologia Sacra. A entrega destas distinções foi levada a cabo pelo Prof. Moritz Hunzinger que chefiou uma Delegação Oficial enviada pela Reitoria da Universidade para o efeito.

Dr. Carlos Evaristo, Magnífico Patrono Prof. D. Duarte de Bragança e Prof. Moritz Hunzinger.

5 de Dezembro de 2020

Fotos: Direitos Reservados

Share

CUMPRE-SE SONHO DE JOHN HAFFERT: PAPA PROCLAMA ANO DEDICADO A SÃO JOSÉ

Um curioso monumento dedicado a São José colocado por vontade de John Haffert à entrada da Regalis Lipsanotheca da Fundação Oureana no Castelo de Ourém, antecipava a Proclamação pelo Papa de um Ano dedicado ao Patriarca da Sagrada Família e Protetor Universal da Igreja.

Pensava Haffert, fundador da Fundação Oureana e do Exército Azul em 1999, que o Papa João Paulo II iria proclamar um Ano dedicado ao Patrono da Igreja, São José, no Ano 2000 ou logo a seguir a esse Ano Santo mas tal não veio a acontecer.

Haffert que faleceu a 31 de Outubro de 2001, estava convencido que no futuro o Papa havia de dedicar um ano a são José e em antecipação inaugurou o Monumento a São José no Castelo de Ourém no local onde começa a rua dedicada ao Patriarca da Sagrada Família e onde existia em tempos uma Ermida de reclusas dedicada ao mesmo Santo e destruída no século XIX..

O Monumento a São José que recorda também a aparição do Patrono da Igreja no Milagre do Sol em Fátima a 13 de Outubro de 1917 acompanhado pela figura do menino Jesus que aparentava ter uns 12 anos, foi desenhado por John Haffert e Carlos Evaristo em 1999 e benzido depois na Festa de São José, 19 de Março de 2000, pelo Padre Carlos Querido da Silva, Pároco de Ourém (Nossa Senhora das Misericórdias) então Vice-Presidente do Conselho de Curadores da Fundação.

Contribuíram para o Monumento executado pelo artista Fatimense Arlindo Vieira, os Benfeitores; Helen Bergkemp, Armand James Williamson e Jran Macdonald em memória de seu marido william L. Macdonald.

Monumento à Aparição de São José com o Menino Jesus no Milagre do Sol em Fátima.
Imagem de São José a dormir fotografada na mesa dos aposentos do Papa Francisco.
É debaixo desta imagem que o Papa coloca seus pedidos e petições antes de se deitar.

CARTA APOSTÓLICA PATRIS CORDE DO PAPA FRANCISCO

POR OCASIÃO DO 150.º ANIVERSÁRIO DA DECLARAÇÃO DE SÃO JOSÉ COMO PADROEIRO UNIVERSAL DA IGREJA

Com coração de pai: assim José amou a Jesus, designado nos quatro Evangelhos como «o filho de José».[1]

Os dois evangelistas que puseram em relevo a sua figura, Mateus e Lucas, narram pouco, mas o suficiente para fazer compreender o género de pai que era e a missão que a Providência lhe confiou.

Sabemos que era um humilde carpinteiro (cf. Mt 13, 55), desposado com Maria (cf. Mt 1, 18; Lc 1, 27); um «homem justo» (Mt 1, 19), sempre pronto a cumprir a vontade de Deus manifestada na sua Lei (cf. Lc 2, 22.27.39) e através de quatro sonhos (cf. Mt 1, 20; 2, 13.19.22). Depois duma viagem longa e cansativa de Nazaré a Belém, viu o Messias nascer num estábulo, «por não haver lugar para eles» (Lc 2, 7) noutro sítio. Foi testemunha da adoração dos pastores (cf. Lc 2, 8-20) e dos Magos (cf. Mt 2, 1-12), que representavam respetivamente o povo de Israel e os povos pagãos.

Teve a coragem de assumir a paternidade legal de Jesus, a quem deu o nome revelado pelo anjo: dar-Lhe-ás «o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados» (Mt 1, 21). Entre os povos antigos, como se sabe, dar o nome a uma pessoa ou a uma coisa significava conseguir um título de pertença, como fez Adão na narração do Génesis (cf. 2, 19-20).

No Templo, quarenta dias depois do nascimento, José – juntamente com a mãe – ofereceu o Menino ao Senhor e ouviu, surpreendido, a profecia que Simeão fez a respeito de Jesus e Maria (cf. Lc 2, 22-35). Para defender Jesus de Herodes, residiu como forasteiro no Egito (cf. Mt 2, 13-18). Regressado à pátria, viveu no recôndito da pequena e ignorada cidade de Nazaré, na Galileia – donde (dizia-se) «não sairá nenhum profeta» (Jo 7, 52), nem «poderá vir alguma coisa boa» (Jo 1, 46) –, longe de Belém, a sua cidade natal, e de Jerusalém, onde se erguia o Templo. Foi precisamente durante uma peregrinação a Jerusalém que perderam Jesus (tinha ele doze anos) e José e Maria, angustiados, andaram à sua procura, acabando por encontrá-Lo três dias mais tarde no Templo discutindo com os doutores da Lei (cf. Lc 2, 41-50).

Depois de Maria, a Mãe de Deus, nenhum Santo ocupa tanto espaço no magistério pontifício como José, seu esposo. Os meus antecessores aprofundaram a mensagem contida nos poucos dados transmitidos pelos Evangelhos para realçar ainda mais o seu papel central na história da salvação: o Beato Pio IX declarou-o «Padroeiro da Igreja Católica»,[2] o Venerável Pio XII apresentou-o como «Padroeiro dos operários»[3] e São João Paulo II, como «Guardião do Redentor».[4] O povo invoca-o como «padroeiro da boa morte».[5]

Assim, ao completarem-se 150 anos da sua declaração como Padroeiro da Igreja Católica, feita pelo Beato Pio IX a 8 de dezembro de 1870, gostaria de deixar «a boca – como diz Jesus – falar da abundância do coração» (Mt 12, 34), para partilhar convosco algumas reflexões pessoais sobre esta figura extraordinária, tão próxima da condição humana de cada um de nós. Tal desejo foi crescendo ao longo destes meses de pandemia em que pudemos experimentar, no meio da crise que nos afeta, que «as nossas vidas são tecidas e sustentadas por pessoas comuns (habitualmente esquecidas), que não aparecem nas manchetes dos jornais e revistas, nem nas grandes passarelas do último espetáculo, mas que hoje estão, sem dúvida, a escrever os acontecimentos decisivos da nossa história: médicos, enfermeiras e enfermeiros, trabalhadores dos supermercados, pessoal da limpeza, curadores, transportadores, forças policiais, voluntários, sacerdotes, religiosas e muitos – mas muitos – outros que compreenderam que ninguém se salva sozinho. (…) Quantas pessoas dia a dia exercitam a paciência e infundem esperança, tendo a peito não semear pânico, mas corresponsabilidade! Quantos pais, mães, avôs e avós, professores mostram às nossas crianças, com pequenos gestos do dia a dia, como enfrentar e atravessar uma crise, readaptando hábitos, levantando o olhar e estimulando a oração! Quantas pessoas rezam, se imolam e intercedem pelo bem de todos».[6] Todos podem encontrar em São José – o homem que passa despercebido, o homem da presença quotidiana discreta e escondida – um intercessor, um amparo e um guia nos momentos de dificuldade. São José lembra-nos que todos aqueles que estão, aparentemente, escondidos ou em segundo plano têm um protagonismo sem paralelo na história da salvação. A todos eles, dirijo uma palavra de reconhecimento e gratidão.

1. Pai amado

A grandeza de São José consiste no facto de ter sido o esposo de Maria e o pai de Jesus. Como tal, afirma São João Crisóstomo, «colocou-se inteiramente ao serviço do plano salvífico».[7]

São Paulo VI faz notar que a sua paternidade se exprimiu, concretamente, «em ter feito da sua vida um serviço, um sacrifício, ao mistério da encarnação e à conjunta missão redentora; em ter usado da autoridade legal que detinha sobre a Sagrada Família para lhe fazer dom total de si mesmo, da sua vida, do seu trabalho; em ter convertido a sua vocação humana ao amor doméstico na oblação sobre-humana de si mesmo, do seu coração e de todas as capacidades no amor colocado ao serviço do Messias nascido na sua casa».[8]

Por este seu papel na história da salvação, São José é um pai que foi sempre amado pelo povo cristão, como prova o facto de lhe terem sido dedicadas numerosas igrejas por todo o mundo; de muitos institutos religiosos, confrarias e grupos eclesiais se terem inspirado na sua espiritualidade e adotado o seu nome; e de, há séculos, se realizarem em sua honra várias representações sacras. Muitos Santos e Santas foram seus devotos apaixonados, entre os quais se conta Teresa de Ávila que o adotou como advogado e intercessor, recomendando-se instantemente a São José e recebendo todas as graças que lhe pedia; animada pela própria experiência, a Santa persuadia os outros a serem igualmente devotos dele.[9]

Em todo o manual de orações, há sempre alguma a São José. São-lhe dirigidas invocações especiais todas as quartas-feiras e, de forma particular, durante o mês de março inteiro, tradicionalmente dedicado a ele.[10]

A confiança do povo em São José está contida na expressão «ite ad Joseph», que faz referência ao período de carestia no Egito, quando o povo pedia pão ao Faraó e ele respondia: «Ide ter com José; fazei o que ele vos disser» (Gn 41, 55). Tratava-se de José, filho de Jacob, que acabara vendido, vítima da inveja dos seus irmãos (cf. Gn 37, 11-28); e posteriormente – segundo a narração bíblica – tornou-se vice-rei do Egito (cf. Gn 41, 41-44).

Enquanto descendente de David (cf. Mt 1, 16.20), de cuja raiz deveria nascer Jesus segundo a promessa feita ao rei pelo profeta Natan (cf. 2 Sam 7), e como esposo de Maria de Nazaré, São José constitui a dobradiça que une o Antigo e o Novo Testamento.

2. Pai na ternura

Dia após dia, José via Jesus crescer «em sabedoria, em estatura e em graça, diante de Deus e dos homens» (Lc 2, 52). Como o Senhor fez com Israel, assim ele ensinou Jesus a andar, segurando-O pela mão: era para Ele como o pai que levanta o filho contra o seu rosto, inclinava-se para Ele a fim de Lhe dar de comer (cf. Os 11, 3-4).

Jesus viu a ternura de Deus em José: «Como um pai se compadece dos filhos, assim o Senhor Se compadece dos que O temem» (Sal 103, 13).

Com certeza, José terá ouvido ressoar na sinagoga, durante a oração dos Salmos, que o Deus de Israel é um Deus de ternura,[11] que é bom para com todos e «a sua ternura repassa todas as suas obras» (Sal 145, 9).

A história da salvação realiza-se, «na esperança para além do que se podia esperar» (Rm 4, 18), através das nossas fraquezas. Muitas vezes pensamos que Deus conta apenas com a nossa parte boa e vitoriosa, quando, na verdade, a maior parte dos seus desígnios se cumpre através e apesar da nossa fraqueza. Isto mesmo permite a São Paulo dizer: «Para que não me enchesse de orgulho, foi-me dado um espinho na carne, um anjo de Satanás, para me ferir, a fim de que não me orgulhasse. A esse respeito, três vezes pedi ao Senhor que o afastasse de mim. Mas Ele respondeu-me: “Basta-te a minha graça, porque a força manifesta-se na fraqueza”» (2 Cor 12, 7-9).

Se esta é a perspetiva da economia da salvação, devemos aprender a aceitar, com profunda ternura, a nossa fraqueza.[12]

O Maligno faz-nos olhar para a nossa fragilidade com um juízo negativo, ao passo que o Espírito trá-la à luz com ternura. A ternura é a melhor forma para tocar o que há de frágil em nós. Muitas vezes o dedo em riste e o juízo que fazemos a respeito dos outros são sinal da incapacidade de acolher dentro de nós mesmos a nossa própria fraqueza, a nossa fragilidade. Só a ternura nos salvará da obra do Acusador (cf. Ap 12, 10). Por isso, é importante encontrar a Misericórdia de Deus, especialmente no sacramento da Reconciliação, fazendo uma experiência de verdade e ternura. Paradoxalmente, também o Maligno pode dizer-nos a verdade, mas, se o faz, é para nos condenar. Entretanto nós sabemos que a Verdade vinda de Deus não nos condena, mas acolhe-nos, abraça-nos, ampara-nos, perdoa-nos. A Verdade apresenta-se-nos sempre como o Pai misericordioso da parábola (cf. Lc 15, 11-32): vem ao nosso encontro, devolve-nos a dignidade, levanta-nos, ordena uma festa para nós, dando como motivo que «este meu filho estava morto e reviveu, estava perdido e foi encontrado» (Lc 15, 24).

A vontade de Deus, a sua história e o seu projeto passam também através da angústia de José. Assim, ele ensina-nos que ter fé em Deus inclui também acreditar que Ele pode intervir inclusive através dos nossos medos, das nossas fragilidades, da nossa fraqueza. E ensina-nos que, no meio das tempestades da vida, não devemos ter medo de deixar a Deus o leme da nossa barca. Por vezes queremos controlar tudo, mas o olhar d’Ele vê sempre mais longe.

3. Pai na obediência

De forma análoga a quanto fez Deus com Maria, manifestando-Lhe o seu plano de salvação, também revelou a José os seus desígnios por meio de sonhos, que na Bíblia, como em todos os povos antigos, eram considerados um dos meios pelos quais Deus manifesta a sua vontade.[13]

José sente uma angústia imensa com a gravidez incompreensível de Maria: mas não quer «difamá-la»,[14] e decide «deixá-la secretamente» (Mt 1, 19). No primeiro sonho, o anjo ajuda-o a resolver o seu grave dilema: «Não temas receber Maria, tua esposa, pois o que Ela concebeu é obra do Espírito Santo. Ela dará à luz um filho, ao qual darás o nome de Jesus, porque Ele salvará o povo dos seus pecados» (Mt 1, 20-21). A sua resposta foi imediata: «Despertando do sono, José fez como lhe ordenou o anjo» (Mt 1, 24). Com a obediência, superou o seu drama e salvou Maria.

No segundo sonho, o anjo dá esta ordem a José: «Levanta-te, toma o menino e sua mãe, foge para o Egito e fica lá até que eu te avise, pois Herodes procurará o menino para o matar» (Mt 2, 13). José não hesitou em obedecer, sem se questionar sobre as dificuldades que encontraria: «E ele levantou-se de noite, tomou o menino e sua mãe e partiu para o Egito, permanecendo ali até à morte de Herodes» (Mt 2, 14-15).

No Egito, com confiança e paciência, José esperou do anjo o aviso prometido para voltar ao seu país. Logo que o mensageiro divino, num terceiro sonho – depois de o informar que tinham morrido aqueles que procuravam matar o menino –, lhe ordena que se levante, tome consigo o menino e sua mãe e regresse à terra de Israel (cf. Mt 2, 19-20), de novo obedece sem hesitar: «Levantando-se, ele tomou o menino e sua mãe e voltou para a terra de Israel» (Mt 2, 21).

Durante a viagem de regresso, porém, «tendo ouvido dizer que Arquelau reinava na Judeia, em lugar de Herodes, seu pai, teve medo de ir para lá. Então advertido em sonhos – e é a quarta vez que acontece – retirou-se para a região da Galileia e foi morar numa cidade chamada Nazaré» (Mt 2, 22-23).

Por sua vez, o evangelista Lucas refere que José enfrentou a longa e incómoda viagem de Nazaré a Belém, devido à lei do imperador César Augusto relativa ao recenseamento, que impunha a cada um registar-se na própria cidade de origem. E foi precisamente nesta circunstância que nasceu Jesus (cf. 2, 1-7), sendo inscrito no registo do Império, como todos os outros meninos.

São Lucas, de modo particular, tem o cuidado de assinalar que os pais de Jesus observavam todas as prescrições da Lei: os ritos da circuncisão de Jesus, da purificação de Maria depois do parto, da oferta do primogénito a Deus (cf. 2, 21-24).[15]

Em todas as circunstâncias da sua vida, José soube pronunciar o seu «fiat», como Maria na Anunciação e Jesus no Getsémani.

Na sua função de chefe de família, José ensinou Jesus a ser submisso aos pais (cf. Lc 2, 51), segundo o mandamento de Deus (cf. Ex 20, 12).

Ao longo da vida oculta em Nazaré, na escola de José, Ele aprendeu a fazer a vontade do Pai. Tal vontade torna-se o seu alimento diário (cf. Jo 4, 34). Mesmo no momento mais difícil da sua vida, vivido no Getsémani, preferiu que se cumprisse a vontade do Pai, e não a sua,[16] fazendo-Se «obediente até à morte (…) de cruz» (Flp 2, 8). Por isso, o autor da Carta aos Hebreus conclui que Jesus «aprendeu a obediência por aquilo que sofreu» (5, 8).

Vê-se, a partir de todas estas vicissitudes, que «José foi chamado por Deus para servir diretamente a Pessoa e a missão de Jesus, mediante o exercício da sua paternidade: desse modo, precisamente, ele coopera no grande mistério da Redenção, quando chega a plenitude dos tempos, e é verdadeiramente ministro da salvação».[17]

4. Pai no acolhimento

José acolhe Maria, sem colocar condições prévias. Confia nas palavras do anjo. «A nobreza do seu coração fá-lo subordinar à caridade aquilo que aprendera com a lei; e hoje, neste mundo onde é patente a violência psicológica, verbal e física contra a mulher, José apresenta-se como figura de homem respeitoso, delicado que, mesmo não dispondo de todas as informações, se decide pela honra, dignidade e vida de Maria. E, na sua dúvida sobre o melhor a fazer, Deus ajudou-o a escolher iluminando o seu discernimento».[18]

Na nossa vida, muitas vezes sucedem coisas, cujo significado não entendemos. E a nossa primeira reação, frequentemente, é de desilusão e revolta. Diversamente, José deixa de lado os seus raciocínios para dar lugar ao que sucede e, por mais misterioso que possa aparecer a seus olhos, acolhe-o, assume a sua responsabilidade e reconcilia-se com a própria história. Se não nos reconciliarmos com a nossa história, não conseguiremos dar nem mais um passo, porque ficaremos sempre reféns das nossas expectativas e consequentes desilusões.

A vida espiritual que José nos mostra não é um caminho que explica, mas um caminho que acolhe. Só a partir deste acolhimento, desta reconciliação, é possível intuir também uma história mais excelsa, um significado mais profundo. Parecem ecoar as palavras inflamadas de Job, quando, desafiado pela esposa a rebelar-se contra todo o mal que lhe está a acontecer, responde: «Se recebemos os bens da mão de Deus, não aceitaremos também os males?» (Job 2, 10).

José não é um homem resignado passivamente. O seu protagonismo é corajoso e forte. O acolhimento é um modo pelo qual se manifesta, na nossa vida, o dom da fortaleza que nos vem do Espírito Santo. Só o Senhor nos pode dar força para acolher a vida como ela é, aceitando até mesmo as suas contradições, imprevistos e desilusões.

A vinda de Jesus ao nosso meio é um dom do Pai, para que cada um se reconcilie com a carne da sua história, mesmo quando não a compreende totalmente.

O que Deus disse ao nosso Santo – «José, Filho de David, não temas…» (Mt 1, 20) –, parece repeti-lo a nós também: «Não tenhais medo!» É necessário deixar de lado a ira e a desilusão para – movidos não por qualquer resignação mundana, mas com uma fortaleza cheia de esperança – dar lugar àquilo que não escolhemos e, todavia, existe. Acolher a vida desta maneira introduz-nos num significado oculto. A vida de cada um de nós pode recomeçar miraculosamente, se encontrarmos a coragem de a viver segundo aquilo que nos indica o Evangelho. E não importa se tudo parece ter tomado já uma direção errada e se algumas coisas já são irreversíveis. Deus pode fazer brotar flores no meio das rochas. E mesmo que o nosso coração nos censure de qualquer coisa, Ele «é maior que o nosso coração e conhece tudo» (1 Jo 3, 20).

Reaparece aqui o realismo cristão, que não deita fora nada do que existe. A realidade, na sua misteriosa persistência e complexidade, é portadora dum sentido da existência com as suas luzes e sombras. É isto que leva o apóstolo Paulo a dizer: «Sabemos que tudo contribui para o bem daqueles que amam a Deus» (Rm 8, 28). E Santo Agostinho acrescenta: tudo, «incluindo aquilo que é chamado mal».[19] Nesta perspetiva global, a fé dá significado a todos os acontecimentos, sejam eles felizes ou tristes.

Assim, longe de nós pensar que crer signifique encontrar fáceis soluções consoladoras. Antes, pelo contrário, a fé que Cristo nos ensinou é a que vemos em São José, que não procura atalhos, mas enfrenta de olhos abertos aquilo que lhe acontece, assumindo pessoalmente a responsabilidade por isso.

O acolhimento de José convida-nos a receber os outros, sem exclusões, tal como são, reservando uma predileção especial pelos mais frágeis, porque Deus escolhe o que é frágil (cf. 1 Cor 1, 27), é «pai dos órfãos e defensor das viúvas» (Sal 68, 6) e manda amar o forasteiro.[20] Posso imaginar ter sido do procedimento de José que Jesus tirou inspiração para a parábola do filho pródigo e do pai misericordioso (cf. Lc 15, 11-32).

5. Pai com coragem criativa

Se a primeira etapa de toda a verdadeira cura interior é acolher a própria história, ou seja, dar espaço no nosso íntimo até mesmo àquilo que não escolhemos na nossa vida, convém acrescentar outra caraterística importante: a coragem criativa. Esta vem ao de cima sobretudo quando se encontram dificuldades. Com efeito, perante uma dificuldade, pode-se estacar e abandonar o campo, ou tentar vencê-la de algum modo. Às vezes, são precisamente as dificuldades que fazem sair de cada um de nós recursos que nem pensávamos ter.

Frequentemente, ao ler os «Evangelhos da Infância», apetece-nos perguntar por que motivo Deus não interveio de forma direta e clara. Porque Deus intervém por meio de acontecimentos e pessoas: José é o homem por meio de quem Deus cuida dos primórdios da história da redenção; é o verdadeiro «milagre», pelo qual Deus salva o Menino e sua mãe. O Céu intervém, confiando na coragem criativa deste homem que, tendo chegado a Belém e não encontrando alojamento onde Maria possa dar à luz, arranja um estábulo e prepara-o de modo a tornar-se o lugar mais acolhedor possível para o Filho de Deus, que vem ao mundo (cf. Lc 2, 6-7). Face ao perigo iminente de Herodes, que quer matar o Menino, de novo em sonhos José é alertado para O defender e, no coração da noite, organiza a fuga para o Egito (cf. Mt 2, 13-14).

Numa leitura superficial destas narrações, a impressão que se tem é a de que o mundo está à mercê dos fortes e poderosos, mas a «boa notícia» do Evangelho consiste precisamente em mostrar como, não obstante a arrogância e a violência dos dominadores terrenos, Deus encontra sempre a forma de realizar o seu plano de salvação. Às vezes também a nossa vida parece à mercê dos poderes fortes, mas o Evangelho diz-nos que Deus consegue sempre salvar aquilo que conta, desde que usemos a mesma coragem criativa do carpinteiro de Nazaré, o qual sabe transformar um problema numa oportunidade, antepondo sempre a sua confiança na Providência.

Se, em determinadas situações, parece que Deus não nos ajuda, isso não significa que nos tenha abandonado, mas que confia em nós com aquilo que podemos projetar, inventar, encontrar.

Trata-se da mesma coragem criativa demonstrada pelos amigos do paralítico que, desejando levá-lo à presença de Jesus, fizeram-no descer pelo teto (cf. Lc 5, 17-26). A dificuldade não deteve a audácia e obstinação daqueles amigos. Estavam convencidos de que Jesus podia curar o doente e, «não achando por onde introduzi-lo, devido à multidão, subiram ao teto e, através das telhas, desceram-no com a enxerga, para o meio, em frente de Jesus. Vendo a fé daqueles homens, disse: “Homem, os teus pecados estão perdoados”» (5, 19-20). Jesus reconhece a fé criativa com que aqueles homens procuram trazer-Lhe o seu amigo doente.

O Evangelho não dá informações relativas ao tempo que Maria, José e o Menino permaneceram no Egito. Mas certamente tiveram de comer, encontrar uma casa, um emprego. Não é preciso muita imaginação para preencher o silêncio do Evangelho a tal respeito. A Sagrada Família teve que enfrentar problemas concretos, como todas as outras famílias, como muitos dos nossos irmãos migrantes que ainda hoje arriscam a vida acossados pelas desventuras e a fome. Neste sentido, creio que São José seja verdadeiramente um padroeiro especial para quantos têm que deixar a sua terra por causa das guerras, do ódio, da perseguição e da miséria.

No fim de cada acontecimento que tem José como protagonista, o Evangelho observa que ele se levanta, toma consigo o Menino e sua mãe e faz o que Deus lhe ordenou (cf. Mt 1, 24; 2, 14.21). Com efeito, Jesus e Maria, sua mãe, são o tesouro mais precioso da nossa fé.[21]

No plano da salvação, o Filho não pode ser separado da Mãe, d’Aquela que «avançou pelo caminho da fé, mantendo fielmente a união com seu Filho até à cruz».[22]

Sempre nos devemos interrogar se estamos a proteger com todas as nossas forças Jesus e Maria, que misteriosamente estão confiados à nossa responsabilidade, ao nosso cuidado, à nossa guarda. O Filho do Todo-Poderoso vem ao mundo, assumindo uma condição de grande fragilidade. Necessita de José para ser defendido, protegido, cuidado e criado. Deus confia neste homem, e o mesmo faz Maria que encontra em José aquele que não só Lhe quer salvar a vida, mas sempre A sustentará a Ela e ao Menino. Neste sentido, São José não pode deixar de ser o Guardião da Igreja, porque a Igreja é o prolongamento do Corpo de Cristo na história e, ao mesmo tempo, na maternidade da Igreja, espelha-se a maternidade de Maria.[23] José, continuando a proteger a Igreja, continua a proteger o Menino e sua mãe; e também nós, amando a Igreja, continuamos a amar o Menino e sua mãe.

Este Menino é Aquele que dirá: «Sempre que fizestes isto a um destes meus irmãos mais pequeninos, a Mim mesmo o fizestes» (Mt 25, 40). Assim, todo o necessitado, pobre, atribulado, moribundo, forasteiro, recluso, doente são «o Menino» que José continua a guardar. Por isso mesmo, São José é invocado como protetor dos miseráveis, necessitados, exilados, aflitos, pobres, moribundos. E pela mesma razão a Igreja não pode deixar de amar em primeiro lugar os últimos, porque Jesus conferiu-lhes a preferência ao identificar-Se pessoalmente com eles. De José, devemos aprender o mesmo cuidado e responsabilidade: amar o Menino e sua mãe; amar os Sacramentos e a caridade; amar a Igreja e os pobres. Cada uma destas realidades é sempre o Menino e sua mãe.

6. Pai trabalhador

Um aspeto que carateriza São José – e tem sido evidenciado desde os dias da primeira encíclica social, a Rerum novarum de Leão XIII – é a sua relação com o trabalho. São José era um carpinteiro que trabalhou honestamente para garantir o sustento da sua família. Com ele, Jesus aprendeu o valor, a dignidade e a alegria do que significa comer o pão fruto do próprio trabalho.

Neste nosso tempo em que o trabalho parece ter voltado a constituir uma urgente questão social e o desemprego atinge por vezes níveis impressionantes, mesmo em países onde se experimentou durante várias décadas um certo bem-estar, é necessário tomar renovada consciência do significado do trabalho que dignifica e do qual o nosso Santo é patrono e exemplo.

O trabalho torna-se participação na própria obra da salvação, oportunidade para apressar a vinda do Reino, desenvolver as próprias potencialidades e qualidades, colocando-as ao serviço da sociedade e da comunhão; o trabalho torna-se uma oportunidade de realização não só para o próprio trabalhador, mas sobretudo para aquele núcleo originário da sociedade que é a família. Uma família onde falte o trabalho está mais exposta a dificuldades, tensões, fraturas e até mesmo à desesperada e desesperadora tentação da dissolução. Como poderemos falar da dignidade humana sem nos empenharmos para que todos, e cada um, tenham a possibilidade de um digno sustento?

A pessoa que trabalha, seja qual for a sua tarefa, colabora com o próprio Deus, torna-se em certa medida criadora do mundo que a rodeia. A crise do nosso tempo, que é económica, social, cultural e espiritual, pode constituir para todos um apelo a redescobrir o valor, a importância e a necessidade do trabalho para dar origem a uma nova «normalidade», em que ninguém seja excluído. O trabalho de São José lembra-nos que o próprio Deus feito homem não desdenhou o trabalho. A perda de trabalho, que afeta tantos irmãos e irmãs e tem aumentado nos últimos meses devido à pandemia da Covid-19, deve ser um apelo a revermos as nossas prioridades. Peçamos a São José Operário que encontremos caminhos onde nos possamos comprometer até se dizer: nenhum jovem, nenhuma pessoa, nenhuma família sem trabalho!

7. Pai na sombra

O escritor polaco Jan Dobraczy?ski, no seu livro A Sombra do Pai,[24] narrou a vida de São José em forma de romance. Com a sugestiva imagem da sombra, apresenta a figura de José, que é, para Jesus, a sombra na terra do Pai celeste: guarda-O, protege-O, segue os seus passos sem nunca se afastar d’Ele. Lembra o que Moisés dizia a Israel: «Neste deserto (…) vistes o Senhor, vosso Deus, conduzir-vos como um pai conduz o seu filho, durante toda a caminhada que fizeste até chegar a este lugar» (Dt 1, 31). Assim José exerceu a paternidade durante toda a sua vida.[25]

Não se nasce pai, torna-se tal… E não se torna pai, apenas porque se colocou no mundo um filho, mas porque se cuida responsavelmente dele. Sempre que alguém assume a responsabilidade pela vida de outrem, em certo sentido exercita a paternidade a seu respeito.

Na sociedade atual, muitas vezes os filhos parecem ser órfãos de pai. A própria Igreja de hoje precisa de pais. Continua atual a advertência dirigida por São Paulo aos Coríntios: «Ainda que tivésseis dez mil pedagogos em Cristo, não teríeis muitos pais» (1 Cor 4, 15); e cada sacerdote ou bispo deveria poder acrescentar como o Apóstolo: «Fui eu que vos gerei em Cristo Jesus, pelo Evangelho» (4, 15). E aos Gálatas diz: «Meus filhos, por quem sinto outra vez dores de parto, até que Cristo se forme entre vós!» (Gl 4, 19).

Ser pai significa introduzir o filho na experiência da vida, na realidade. Não segurá-lo, nem prendê-lo, nem subjugá-lo, mas torná-lo capaz de opções, de liberdade, de partir. Talvez seja por isso que a tradição, referindo-se a José, ao lado do apelido de pai colocou também o de «castíssimo». Não se trata duma indicação meramente afetiva, mas é a síntese duma atitude que exprime o contrário da posse. A castidade é a liberdade da posse em todos os campos da vida. Um amor só é verdadeiramente tal, quando é casto. O amor que quer possuir acaba sempre por se tornar perigoso: prende, sufoca, torna infeliz. O próprio Deus amou o homem com amor casto, deixando-o livre inclusive de errar e opor-se a Ele. A lógica do amor é sempre uma lógica de liberdade, e José soube amar de maneira extraordinariamente livre. Nunca se colocou a si mesmo no centro; soube descentralizar-se, colocar Maria e Jesus no centro da sua vida.

A felicidade de José não se situa na lógica do sacrifício de si mesmo, mas na lógica do dom de si mesmo. Naquele homem, nunca se nota frustração, mas apenas confiança. O seu silêncio persistente não inclui lamentações, mas sempre gestos concretos de confiança. O mundo precisa de pais, rejeita os dominadores, isto é, rejeita quem quer usar a posse do outro para preencher o seu próprio vazio; rejeita aqueles que confundem autoridade com autoritarismo, serviço com servilismo, confronto com opressão, caridade com assistencialismo, força com destruição. Toda a verdadeira vocação nasce do dom de si mesmo, que é a maturação do simples sacrifício. Mesmo no sacerdócio e na vida consagrada, requer-se este género de maturidade. Quando uma vocação matrimonial, celibatária ou virginal não chega à maturação do dom de si mesmo, detendo-se apenas na lógica do sacrifício, então, em vez de significar a beleza e a alegria do amor, corre o risco de exprimir infelicidade, tristeza e frustração.

A paternidade, que renuncia à tentação de decidir a vida dos filhos, sempre abre espaços para o inédito. Cada filho traz sempre consigo um mistério, algo de inédito que só pode ser revelado com a ajuda dum pai que respeite a sua liberdade. Um pai sente que completou a sua ação educativa e viveu plenamente a paternidade, apenas quando se tornou «inútil», quando vê que o filho se torna autónomo e caminha sozinho pelos caminhos da vida, quando se coloca na situação de José, que sempre soube que aquele Menino não era seu: fora simplesmente confiado aos seus cuidados. No fundo, é isto mesmo que dá a entender Jesus quando afirma: «Na terra, a ninguém chameis “Pai”, porque um só é o vosso “Pai”, aquele que está no Céu» (Mt 23, 9).

Todas as vezes que nos encontramos na condição de exercitar a paternidade, devemos lembrar-nos que nunca é exercício de posse, mas «sinal» que remete para uma paternidade mais alta. Em certo sentido, estamos sempre todos na condição de José: sombra do único Pai celeste, que «faz com que o sol se levante sobre os bons e os maus, e faz cair a chuva sobre os justos e os pecadores» (Mt 5, 45); e sombra que acompanha o Filho.

* * *

«Levanta-te, toma o menino e sua mãe» (Mt 2, 13): diz o anjo da parte de Deus a são José.

O objetivo desta carta apostólica é aumentar o amor por este grande Santo, para nos sentirmos impelidos a implorar a sua intercessão e para imitarmos as suas virtudes e o seu desvelo.

Com efeito, a missão específica dos Santos não é apenas a de conceder milagres e graças, mas de interceder por nós diante de Deus, como fizeram Abraão[26] e Moisés,[27] como faz Jesus, «único mediador» (1 Tm 2, 5), que junto de Deus Pai é o nosso «advogado» (1 Jo 2, 1), «vivo para sempre, a fim de interceder por [nós]» (Heb 7, 25; cf. Rm 8, 34).

Os Santos ajudam todos os fiéis «a tender à santidade e perfeição do próprio estado».[28] A sua vida é uma prova concreta de que é possível viver o Evangelho.

À semelhança de Jesus que disse: «Aprendei de Mim, porque sou manso e humilde de coração» (Mt 11, 29), também os Santos são exemplos de vida que havemos de imitar. A isto nos exorta explicitamente São Paulo: «Rogo-vos, pois, que sejais meus imitadores» (1 Cor 4, 16).[29] O mesmo nos diz São José através do seu silêncio eloquente.

Estimulado com o exemplo de tantos Santos e Santas diante dos olhos, Santo Agostinho interrogava-se: «Então não poderás fazer o que estes e estas fizeram?» E, assim, chegou à conversão definitiva exclamando: «Tarde Vos amei, ó Beleza tão antiga e tão nova, tarde Vos amei!»[30]

Só nos resta implorar, de São José, a graça das graças: a nossa conversão.

Dirijamos-lhe a nossa oração:

Salve, guardião do Redentor

e esposo da Virgem Maria!

A vós, Deus confiou o seu Filho;

em vós, Maria depositou a sua confiança;

convosco, Cristo tornou-Se homem.

Ó Bem-aventurado José,

mostrai-vos pai também para nós

e guiai-nos no caminho da vida.

Alcançai-nos graça, misericórdia e coragem,

e defendei-nos de todo o mal.

Ámen.

Roma, em São João de Latrão, na Solenidade da Imaculada Conceição da Bem-Aventurada Virgem Maria, 8 de dezembro do ano de 2020, oitavo do meu pontificado.

Francisco

[1] Lucas 4, 22; João 6, 42; cf. Mateus 13, 55; Marcos 6, 3.

[2] Sacra Congregação dos Ritos, Quemadmodum Deus (8 de dezembro de 1870): ASS 6 (1870-71), 194.

[3] Cf. Discurso às Associações Cristãs dos Trabalhadores Italianos (ACLI) por ocasião da Solenidade de São José Operário (1 de maio de 1955): AAS 47 (1955), 406.

[4] Cf. Exortação apostólica Redemptoris custos (15 de agosto de 1989): AAS 82 (1990), 5-34.

[5] Catecismo da Igreja Católica, 1014.

[6] Francisco, Meditação em tempo de pandemia (27 de março de 2020): L’Osservatore Romano (29/III/2020), 10.

[7] Homiliæ in Matthæum, V, 3: PG 57, 58.

[8] Homilia (19 de março de 1966): Insegnamenti di Paolo VI, IV (1966), 110.

[9] Cf. Livro da Vida, 6, 6-8.

[10] Todos os dias, há mais de quarenta anos, depois das Laudes, recito uma oração a São José tirada dum livro francês de devoções, do século XIX, da Congregação das Religiosas de Jesus e Maria, que expressa devoção, confiança e um certo desafio a São José: «Glorioso Patriarca São José, cujo poder consegue tornar possíveis as coisas impossíveis, vinde em minha ajuda nestes momentos de angústia e dificuldade. Tomai sob a vossa proteção as situações tão graves e difíceis que Vos confio, para que obtenham uma solução feliz. Meu amado Pai, toda a minha confiança está colocada em Vós. Que não se diga que eu Vos invoquei em vão, e dado que tudo podeis junto de Jesus e Maria, mostrai-me que a vossa bondade é tão grande como o vosso poder. Amen».

[11] Cf. Deuteronómio4, 31; Salmo 69, 17; 78, 38; 86, 5; 111, 4; 116, 5; Jeremias 31, 20.

[12] Cf. Francisco, Exortação apostólica Evangelii gaudium (24 de novembro de 2013), 88; 288: AAS 105 (2013) 1057; 1136-1137.

[13] Cf. Génesis 20, 3; 28, 12; 31, 11.24; 40, 8; 41, 1-32; Números 12, 6; I Samuel 3, 3-10; Daniel 2; 4; Job 33, 15.

[14] Também nestes casos, estava prevista a lapidação (cf. Deuteronómio 22, 20-21).

[15] Cf. Levítico 12, 1-8; Êxodo 13, 2.

[16] Cf. Mateus 26, 39; Marcos 14, 36; Lucas 22, 42.

[17] São João Paulo II, Exortação apostólica Redemptoris custos (15 de agosto de 1989), 8: AAS 82 (1990), 14.

[18] Francisco, Homilia na Santa Missa com Beatificações (Villavicencio – Colômbia, 8 de setembro de 2017): AAS 109 (2017), 1061.

[19] «… etiam illud quod malum dicitur», in Enchiridion de fide, spe et caritate, 3.11: PL 40, 236.

[20] Cf. Deuteronómio 10, 19; Êxodo 22, 20-22; Lucas 10, 29-37.

[21] Cf. Sacra Congregação dos Ritos, Quemadmodum Deus (8 de dezembro de 1870): ASS 6 (1870-71), 193; Beato Pio IX, Carta apostólica Inclytum Patriarcham (7 de julho de 1871): ASS 6 (1870-71), 324-327.

[22] Concílio Ecuménico Vaticano II, Constituição dogmática Lumen gentium, 58.

[23] Cf. Catecismo da Igreja Católica, 963-970.

[24] Edição original: Cie? Ojca (Varsóvia 1977).

[25] Cf. São João Paulo II, Exortação apostólica Redemptoris (15 de agosto de 1989), 7-8: AAS 82 (1990), 12-16.

[26] Cf. Génesis 18, 23-32.

[27] Cf. Êxodo17, 8-13; 32, 30-35.

[28] Concílio Ecuménico Vaticano II, Constituição dogmática Lumen gentium, 42.

[29] Cf. I Coríntios 11, 1; Filipenses 3, 17; I Tessalonicenses 1, 6.

[30] Confissões, 8,11,17; 10,27,38: PL 32, 761; 795.

8 de Dezembro de 2020

FONTE: Vatican News

Share

REAL CONFRARIA CELEBROU FESTA DE SÃO NUNO NA IGREJA DO SANTO CONDESTÁVEL EM LISBOA

A Real Confraria do Santo Condestável São Frei Nuno de Santa Maria Álvares Pereira celebrou pela primeira vez este ano, a Festa do seu Patrono, na Igreja do Santo Condestável em Lisboa.  

Igreja do Santo Condestável.

A Real Confraria do Santo Condestável que anualmente recebe convite para estar presente nas celebrações naquela Igreja (que conserva a maior parte dos restos mortais do seu patrono; São Frei Nuno de Santa Maria), aceitou este ano o convite para estar presente e acompanhar o Senhor Dom Duarte, Duque de Bragança juntamente com a Ordem do Santo Sepulcro, a Real Guarda de Honra e demais Confrarias da Família Carmelitana.

OBRA DO CALDEIRÃO

Criada originalmente pelo próprio Santo Condestável, pouco depois de entrar para a Ordem do Carmo como Irmão Donato, a associação de leigos de assistência aos pobres e sem abrigo de Lisboa, transformou-se ao longo dos séculos na Ordem Terceira do Carmo esquecendo as suas origens e fundador.

A Confraria da Virgem Santa Maria ou Confraria do Caldeirão, como era popularmente conhecida ao tempo de D. Nuno, foi re-fundada em 2009, no espírito da família Carmelitana, pelo Vice-Postulador da Causa da Canonização Rev. Padre Francisco Rodrigues, O. Carm, sob o Alto Patrocínio da Casa Real Portuguesa, fixando a sua Sede na reconstruída Botica de São João da Fundação Oureana no Castelo de Ourém cujas origens remontam ao tempo em que o III Conde de Ourém era Prior da Ordem Hospitalária de São João (Hoje Soberana Ordem de Malta).

Canonicamente Erigida em várias Dioceses como um Apostolado, a Real Confraria e a sua chamada “Obra do Caldeirão” da qual fazem parte os “Peacemakers” (“Obreiros da Paz” ou “Pacificadores”) é o Departamento Sócio-caritativo da Fundação Oureana que opera em parceria protocolar com a Fundação D. Manuel II e a Real Guarda de Honra.

OS PACIFICADORES

“Bem-aventurados os pacificadores, porque eles serão chamados filhos de Deus” Mateus 5:9

Este ano as obras de assistência social da “Obra do Caldeirão” levadas a cabo pelas Fundações parceiras, do Apostolado da Real Confraria do Santo Condestável, através dos “Peacemakers” (“Obreiros da Paz” ou “Os Pacificadores”), obra fundada em 1985 como Sociedade Missionária e então denominada “Sociedade Conde Nuno” e mais tarde, “Sociedade Beato Nuno” e que é hoje parte da Real Confraria da Fundação Oureana.

Esta obra foi fundada na Casa Alta, antiga Ermida do Espírito Santo, onde se situava a primeira residência oficial de John Haffert no Castelo de Ourém. Foram mentores da mesma o Bispo Missionário Constantino Luna, Patrono do Exército Azul e o antigo Tesoureiro do Exército Azul, Timothy Richard Heinan que se inspiraram na biografia de São Nuno por John Haffert; “The Peacemaker that went to War” ou “O Pacificador que foi para a Guerra”.

O Duque de Bragança com a Delegação da Ordem do Santo Sepulcro.

Criada pelo VI Centenário da vitória de São Nuno em Aljubarrota, a obra tem levado a cabo numerosas campanhas anuais de ajuda humanitária em Missões em África, no México, na Guatemala, no Peru e no Brasil, países onde mantém apoio a orfanatos criados e sustentados em boa parte pela mesma.

A Sociedade Beato Nuno foi mais tarde Canonicamente Erigida em várias Dioceses como as de Duluth no Minnesota, E.U.A. e no México até que passou a ser incorporada, por Protocolo, na Real Confraria e em 2009 por ocasião da Canonização de São Nuno. Ostenta hoje o nome que deriva da primeira biografia em língua inglesa de São Nuno, um “best-seller” publicado em 1946 da autoria do Fundador da Fundação Oureana; John Mathias Haffert; intitulada; “The Peacemaker that went to War” (O Pacificador que foi para a Guerra).

Confrades e Guardas de Honra junto ao Túmulo de São Nuno.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 124188076_3810469378987386_8321638381917759205_n.jpg

Depois da Missa, e a seguir à romaria dos Confrades e Guardas de Honra em torno do túmulo de São Frei Nuno, foi altura do Confrade Condestável David Alves Pereira informar a Assembleia de Confrades dos resultados das várias campanhas humanitárias que a Real Confraria, através dos “Peacemakers”, tem levado a cabo, desde o início da presente Pandemia, para ajuda dos mais necessitados.

“Tendo-se organizando a distribuição de bens de primeira necessidade a famílias carenciadas, distribuindo subsídios, roupa e outros bens, uma obra que tem realizado neste ano de Pandemia com a ajuda particular das Fundações Parceiras, dos Confrades Condestáveis José António e Maria Antonieta da Cunha Coutinho; do Confrade Nuno Coutinho Faria e dos Benfeitores Duarte Pizarro, Miguel Pape, Susana Rodrigues Lopes e da Drª Isabel Jonet do Banco Alimentar Contra a Fome. Do Apostolado “Mãos Unidas com Maria” de Florinda Marques, também ela membro da Real Confraria recebeu-se medicamentos, roupa, material escolar e agasalhos.

APOIO DADO PELA REAL CONFRARIA DURANTE A PANDEMIA COVID 19

Para os casos com necessidades básicas dos concelhos de Ourém, Tomar e Leiria, para além de ajudas pontuais em dinheiro ou em cabazes de alimentos comprados, estabeleceram-se contactos com as respetivas Câmaras Municipais, que já haviam criado linhas de apoio social. Alguns casos de Ourém e de Fátima foram encaminhados para a Assistência Social do Concelho, que dava 50 Euros por pessoa, por semana, para ajudar com despesas e 150 euros por família.

Das 19 Famílias (77 Pessoas) ajudadas na primeira grande campanha de distribuição de bens alimentares que a Real Confraria coordenou na Comunidade Brasileira, com o apoio do Consulado Honorário do Brasil em Fátima (Ourém), foram também ajudadas até Abril com cabazes de alimentos ou vales distribuídos, 9 pessoas de Fátima. Posteriormente, com a ajuda da Real Confraria, todas foram inscritas no Banco Alimentar contra a Fome, na Cáritas Diocesana ou na Missão Continente para um apoio continuado.

Houve ainda uma família de 4 pessoas que foi transportada, juntamente com a sua mobília e bens, de Viseu para Fátima pelos Confrades David Alves Pereira e Jorge Gonçalves, a fim de receberem apoio de uma Comunidade Religiosa.

É importante esclarecer que desde 2001 que a Fundação Oureana não recebe donativos para obras de caridade, nem distribui donativos com essa finalidade. Para total transparência todas as campanhas de angariação de fundos são levadas a cabo pela Real Confraria do Santo Condestável, e por voluntários, sendo que os beneficiários, a serem ajudados em Portugal ou no estrangeiro, recebem fundos diretamente dos doadores nas suas contas ou então, são-lhes entregue vales ou cheques emitidos pelos doadores a seu favor. A Contabilidade é feita pela Diocese de São Tomé e Príncipe em cuja Diocese está Canonicamente Erigida a Real Confraria que opera a partir de Ourém. É a mesma Diocese que recebe os fundos diretamente e emite os recibos aos doadores. A Real Confraria também dá apoio e manutenção contínua à “Casa dos Pequeninos” da Diocese de São Tomé e Príncipe.

De salientar também os apoios especiais e médicos dados aos que foram atingidos pela presente Pandemia (que juntaram um grupo de 17 Benfeitores, entre eles o jogador de futebol Jardel), com fundos para compra de roupa, pagamento de transportes, carregamentos de telemóveis, e ajuda a pagamentos de faturas de gás, água e luz. Foi ainda adquirida uma ambulância equipada e cadeiras de rodas e andarilhos enviada em Agosto para São Tomé e Príncipe.

Sua Alteza Real o Senhor Dom Duarte de Bragança, Duque de Bragança, na qualidade de Condestável Mor Honorário e Patrono da Real Confraria, felicitou o Condestável-Mor e os Adjuntos; Condestáveis David Alves Pereira; Bruno de Castro e Jorge Gonçalves que juntamente com o Esmoler-Mor António Boleto Catela, são os Esmoleres da Real Confraria e os que dirigem o grupo dos “Peacemakers” em Portugal e o apio dado pelos Confrades Condestáveis Angelo Musa, Kevin Couling, Stephen Besinaiz e Paul Perry a liderarem as campanhas de angariação de fundos com o Condestável-Mor Carlos Evaristo, em vários países do estrangeiro e que resultaram no êxito destas campanhas.

Romaria e Oração dos Confrades participantes junto ao Túmulo de São Nuno.

INVESTIDURAS NA CRIPTA DO CONDESTÁVEL

Antes da Missa da Festa de São Nuno, pelas 16:30 Horas, teve lugar na Cripta da Igreja do Santo Condestável, no piso abaixo do Altar-Mor junto ao local onde se encontra o túmulo com relíquias de São Nuno, a Investidura de novos Confrades e também de novos Guardas de Honra da Real Guarda de Honra (RGH).

O Senhor Dom Duarte de Bragança, que ostenta hoje os títulos que eram de São Nuno, Conde de Ourém e Conde de Barcelos, na qualidade de Condestável-Mor Honorário e Patrono Fundador da Real Confraria, relembrou a família dos Duques de Cadaval, que tradicionalmente representam a família “Pereira” e ostentam as Armas que eram de D. Nuno, mas que não poderem estar presentes. Seguidamente o Senhor Dom Duarte entregou os diplomas e felicitou os novos membros das duas Associações que gozam do Patronato Real, apelando a que todos sigam sempre o exemplo de Caridade, Humildade e de Amor a Deus e à Virgem que foi de São Nuno e particularmente, ajudando aqueles que mais necessitam sempre, e de forma extraordinária, neste tempo de Pandemia.

Sua Alteza Real o Duque de Bragança.

Para além de serem investidos por procuração vários membros Norte Americanos e Italianos, houve também a investidura presencial de novos membros das Legiões da RGH de Beja e de Évora, e ainda, nomeado mais um Capelão.

Os Confrades Humberto Nuno e João Pedro.

Foi designado Confrade Condestável Grã-Colar Humberto Nuno Lopes Mendes de Oliveira que passa a assumir o Comando da Legião da Real Confraria e Real Guarda de Honra na Igreja do Santo Condestável.

O Alcaide João Pedro com sua irmã e Madrinha Maria de Lurdes junto à Pia Batismal.

Será assistido pelo Adjunto e Alcaide João Pedro Antunes de Ascensão Teixeira, Confrade que foi batizado na mesma Igreja pelo Padre Mário, no dia 13 de Maio de 1966, tendo como Madrinha, sua irmã, Maria de Lurdes, também presente na Missa da Festa de São Nuno para recordar esse dia com o irmão.

Batismo do Confrade Alcaide João Pedro Antunes de Ascensão Teixeira
na Igreja do Santo Condestável.
O Padre Mário administra o batismo a João Pedro Teixeira ao colo de sua irmã e Madrinha.

MISSA PRESIDIDA PELO BISPO AUXILIAR DE LISBOA

A Missa, que teve início pelas 19:00 Horas, foi presidida por D. Américo Aguiar, Bispo Auxiliar da Arquidiocese de Lisboa. Antes e depois da Missa uma relíquia de São Nuno foi levada no Cortejo Litúrgico pelo Pároco da Igreja do Santo Condestável, Revº Padre Luís Carlos Silva de Almeida que publicamente saudou e agradeceu a presença do Senhor Duque de Bragança, dos Confrades da Real Confraria e membros da Real Guarda de Honra.

A Relíquia de São Nuno levada na Procissão Litúrgica.







A Santa Missa foi presidia por D. Américo Aguiar.

Membros de uma Família da Paróquia colocaram a Coroa de Flores no Túmulo de São Nuno.
O Confrade Fundador D. Nuno de Bragança van Uden.

Presentes na Santa Missa também uma representação oficial da Ordem do Santo Sepulcro da qual fazia parte D. Nuno de Bragança van Uden, primo do Duque de Bragança e Confrade Fundador Condestável da Real Confraria.

Os Confrades Carlos e Margarida Evaristo

Presente também esteve o Confrade Fundador Dr. Alexandre Patrício Gouveia, Condestável para a Capela de São Jorge em Aljubarrota e Presidente da Fundação Batalha de Aljubarrota com a qual a Fundação Oureana celebrou um Protocolo de Cooperação em 2009 que criou a Exposição Nacional do Santo Condestável no Castelo de Ourém.

Os Confrades João Pedro Teixeira e Mário Neves.
O confrade Mário Neves.
O Confrade Alexandre Patrício Gouveia.

No final da Assembleia, o Confrade Mário Neves foi nomeado Alcaide para o Santuário da Princesa Santa Joana em Aveiro pelo Condestável Mor como reconhecimento do importante trabalho que tem vindo a realizar na pesquisa da história e promoção do Culto de São Nuno e ainda, na preparação de uma publicação sobre São Nuno que será editado em breve pela Real Confraria através da Regina Mundi Press ICHR, Editora das Fundações.

Representante do Chefe do Estado Maior do Exército.
O Comandante da Legião de Tomar da Real Guarda de Honra Bruno de Castro
que representava o Comando Geral da RGH.

Delegações da Ordem do Santo Sepulcro e dos Escuteiros cujo Patrono é o Santo Condestável.

Membros Confrades da Real Guarda de Honra das Legiões de Beja e Évora.
O Confrade Alexandre Patrício Gouveia.
O Confrade Alcaide João Pedro Antunes de Ascensão Teixeira.
O Alcaide João Pedro Antunes de Ascensão Teixeira e sua irmã Maria de Lurdes..
A Delegação da Ordem do Santo Sepulcro.

BRINDE À MEMÓRIA DE S.A. D. HENRIQUE DUQUE DE COIMBRA

Nesse dia foi recordado Sua Alteza, o Senhor Dom Henrique de Bragança, Duque de Coimbra, Chanceler Mor das Ordens Dinásticas da Casa Real Portuguesa e Condestável Mor Honorário da Real Confraria do Santo Condestável, falecido a 14 de Fevereiro de 2017 e que havia nascido no dia 6 de Novembro, Festa de São Nuno, em 1949.

S.A.R. Dom Duarte de Bragança com o Confrade Justin Carpentier durante o Jantar.
S.A.R. Dom Duarte de Bragança com o Confrade Justin Carpentier durante o Jantar.

Antes da Missa, num jantar informal que teve lugar num restaurante junto à Igreja, brindou-se à memória do Senhor Dom Henrique.

6 de Novembro de 2020

Fotos: Direitos Reservados

Share

Fundação Oureana Celebrou Protocolo de Colaboração com a DGPC através do Palácio Nacional Da Ajuda para Estudo e Divulgação de Colecções

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é 97365299_2751709784935601_7399129195214798848_n.png
Carlos Evaristo, José Alberto Ribeiro e Dom Duarte de Bragança

No Dia Internacional dos Museus a Fundação Histórico – Cultural Oureana anunciou que teve lugar no Palácio Nacional da Ajuda, a celebração de um importante Protocolo com a Direcção Geral do Património Cultural (DGPC).

Igual Protocolo foi celebrado no mesmo dia entre a DGPC e a Fundação D. Manuel II, a primeira parceira protocolar da Fundação Oureana.

Para Carlos Evaristo, Presidente da Fundação Oureana; “este Protocolo é um marco importantíssimo na história dos 25 anos da nossa instituição e dos 50 aos do nosso Programa Medieval.”

José Alberto Ribeiro e Carlos Evaristo após a assinatura de Protocolo.

Dom Duarte de Bragança, Presidente da Fundação D. Manuel II e Membro do Concelho de Curadores da Fundação Oureana considera “importante o estudo e a preservação da memória dos seus antepassados que muito contribuíram para o enriquecimento cultural da nação e do espólio que deixaram a Portugal.”

D. Duarte de Bragança assina o Protocolo.
José Alberto Ribeiro e D. Duarte de Bragança após a assinatura.

Bruno de Castro, Diretor de Relações Públicas da Fundação Oureana como mediador deste Protocolo esclareceu que “as Fundações Oureana e D. Manuel II que se prezam pelo estudo, preservação e difusão da História de Portugal colocam assim o seu conhecer, a experiência e peças históricas das suas coleções à disposição da DGPC e do Palácio Nacional da Ajuda para estudo e divulgação através de publicações e exposições já em fase de preparação.”

O Relações Públicas da Fundação Oureana Bruno de Castro com José Alberto Ribeiro e D. Duarte.

O Protocolo que foi assinado no dia 8 de Outubro de 2019, pelo Director do Palácio Dr. José Alberto Ribeiro e pelos Presidentes das Fundações Oureana e D. Manuel II devidamente mandatados para o efeito teve que ser depois Ratificado pela Directora Geral da DGPC, a Drª Paula Araújo Da Silva que após aprovação do Ministério da Cultura homologou o mesmo no dia 23 de Janeiro de 2020.

18 de Maio de 2020

Fotos: Direitos Reservados

Share

FUNDAÇÕES OUREANA E DOM MANUEL II AJUDAM A ANGARIAR FUNDOS PARA CRIAÇÃO DA ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DOENTES DE URTICÁRIA CRÓNICA

1 de Outubro é o Dia Internacional da Urticária Crónica e as Fundações Histórico Cultural Oureana e D. Manuel II quiseram associar-se à campanha de angariação de fundos para a criação da Associação Portuguesa de Doentes de Urticaria, tendo angariado, junto de benfeitores, alguns fundos que faltavam para concluir com sucesso a campanha crowdfunding levada a cabo pelo Grupo Urticaria Crónica Portugal.

O Grupo Urticaria Crónica Portugal, que vai agora constituir uma Associação, tem a finalidade de ajudar o doente e a sua família a lidar da melhor forma com a doença, proporcionando uma melhor qualidade de vida. A UCE tem múltiplos efeitos negativos no doente. Provoca provação do sono, perturbações psicológicas como depressão e ansiedade, isolamento e frustração. Uma forma de contrariar estes sintomas é através do conhecimento aprofundado da doença e da partilha de experiências, dúvidas e angústias. No futuro,

A Associação de Doentes pretende actuar ao nível nacional. Vemos interesse e utilidade pública neste projecto, uma vez que a doença tem um grande encargo socioeconómico, ao qual o sistema nacional de saúde não tem conseguido dar resposta.

O Dia Mundial da Urticária é 1 de Outubro

Não existem dados específicos de Portugal, mas com base em estudos internacionais estima-se que a urticária crónica afeta até 1% da população a qualquer dado momento, sendo que cerca de 2/3 dos casos são de urticária espontânea. Cerca de 20 % da população sofre pelo menos um episódio de urticária e 0,5 a 1 % sofre de urticária crónica, com uma duração média entre 1 e 5 anos e uma maior incidência em mulheres entre os 20 e os 40 anos.

Esta doença afeta negativamente e de forma significativa a qualidade de vida dos doentes e está associada a elevados custos diretos e indiretos. Sendo uma doença psicologicamente debilitante e com um significativo impacto socioeconómico, é essencial a criação de uma associação que ajude a promover a divulgação da doença, das suas causas e tratamentos ao mesmo tempo que defende os interesses destes doentes.

Sobre a Doença

A urticária é a manifestação de um grupo heterogéneo de doenças e caracteriza-se pelo aparecimento de lesões avermelhadas na pele que desaparecem à digito-pressão, e que dão muita comichão. As lesões duram no máximo 24h, regridem sem qualquer lesão residual mas são recorrentes, aparecendo em diferentes locais do corpo. Quando há envolvimento das estruturas profundas da pele podem surgir lesões com inchaço (angioedema).

De acordo com a Academia Europeia de Alergologia e Imunologia Clínica (EAACI), a urticária (e/ou angioedema) classifica-se em urticária aguda, se tem uma duração até 6 semanas e urticária crónica (UC) se a duração for igual ou superior a 6 semanas. A urticária crónica pode ser induzida (UCI), se um fator externo, físico ou não, for identificado e urticária crónica espontânea (UCE), quando não se identifica um estímulo externo. Existem assim urticárias crónicas induzidas pelo frio, pela pressão, pelo aumento da temperatura corporal, pelo contacto com a água etc, enquanto que no caso das urticárias crónicas espontâneas os estudos referem que na sua génese poderá estar uma base autoimune/autoinflamatória.

Sobre a Promotora

O meu nome é Mónica Albuquerque, tenho 43 anos, resido em Oeiras. Sou mestre em Ecologia Marinha e trabalho como bióloga marinha, comunicadora e educadora de ciência desde 2009. Sou doente de Urticária Crónica desde início de 2017. A Urticária Crónica é uma doença de diagnóstico difícil e por isso até saber o nome da doença, já tinha consultado vários médicos e experimentado diferentes medicações. Isto é muito comum nos pacientes da doença, demorarem anos a encontrar o nome da sua doença, o médico certo para os acompanhar e a medicação adequada. É pelas imensas dificuldades porque passam os doentes de Urticária Crónica que me interessei pela doença e investi na sua divulgação, administrando desde início de 2019 a página de Facebook Urticária Crónica Portugal, bem como criei o grupo de Facebook Urticária Crónica Portugal que tem ajudado doentes em todo o país a obter informação, contactos médicos e aconselhamento. Um dos objetivos da criação do grupo foi o de juntar pessoas/contactos para a criação da Associação, que apenas depende neste momento de financiamento.

A Campanha

A campanha pretendia financiar a criação da Associação Portuguesa de Doentes de Urticária, com objectivo principal de aumentar a visibilidade da doença e defender os interesses dos doentes em Portugal.

Da página do Grupo

“Atingimos o objectivo para a criação da Associação! Esta irá ser criada graças às vossas contribuições. Sonhamos mais alto um bocadinho. Caso ainda não tenha tido a oportunidade de contribuir, gostaríamos que nos ajudasse a chegar aos 2000 eur. Pedimos ainda a vossa ajuda, na divulgação deste novo objectivo, divulgando o site da campanha (https://ppl.pt/apdu).
Podemos sonhar com o restante montante vindo de novos contribuidores? Para que seja possível realizar mais actividades de divulgação da doença? Contamos convosco! Partilhe. Obrigada!

Ps: Caso alguém que conheçam queira contribuir e precise de uma referência multibanco para o fazer basta contactarem-me por email para urticariacronicaportugal@gmail.com (já que a referência tem de ser gerada para cada caso). Obrigada! Mónica Albuquerque.”

Linkedin: https://www.linkedin.com/in/monica-albuquerque1977/ Facebook#UCE#urticariacrónica#umapeleparaavida

Orçamento e Calendarização

Objetivo da Campanha: 1500 €

Comissões PPL e parceiros (*): 138.38 €

Valor para a criação da Associação: 1361.63 €

– Certificado de Admissibilidade de Denominação: 75 a 150 €

– Realização de Assembleia Constitutiva – Reunião da assembleia geral constitutiva na qual participam os associados interessados e que se destina essencialmente a deliberar a constituição da associação e a aprovar os respetivos estatutos, bem como a mandatar um ou mais associados para a celebração da escritura pública. A reunião, incluindo a designação do(s) mandatários(s), ficará registada em ata: 50 a 100 € (reserva de sala)

– Escritura Pública e Registo: 350 a 500 €

– 1ª Assembleia Geral para eleição de corpos sociai: 50 a 100 € (reserva de sala)

– Criação de conta bancária – valor mínimo exigido pelo banco para criação de conta de Associação: 500 € (valor este que depois pode ser utilizado por exemplo na criação do site)

– Registo nas finanças: gratuito

– Registo e Criação de um site: 100 €

Valores extra angariados nesta campanha serão depositados na conta da associação e utilizados nas primeiras atividades da mesma.

Calendário

Angariação de fundos – 30 dias

Certificado de Admissibilidade de Denominação – Setembro 2020

Realização da Assembleia constitutiva – Setembro 2020

Escritura Pública e Registo – Outubro 2020

Assembleia Geral para eleição de corpos sociais – Outubro 2020

Criação de conta bancária – Novembro 2020

Registo nas finanças – Novembro 2020

(*) Comissão do PPL, que é de 5% + IVA.A segunda é de 2.5% + IVA, e serve para cobrir as comissões dos parceiros de pagamento (PayPal, Referências Multibanco, etc.)

Da Página Facebook da Associação

“Como sabem a campanha de angariação de fundos para a criação da Associação Portuguesa de Doentes de Urticária terminou com sucesso na passada semana.

É com o <3 cheio que agradecemos a todos os que tornaram possível esta realidade e que constam na lista abaixo. Muito Obrigada pela vossa confiança. 

Aproveito para informar que foi hoje submetido ao Instituto dos Registos e do Notariado, I.P. o pedido de Certificado de Admissibilidade do nome da Associação via Portal da Empresa.”

Contribuíram para a Campanha

Ana Cristina Garcia

Ana Simões

Ana Sofia Paulino Afonso

Anabela Gil da Silva

Andreia Afonso

Carla Reis

Cassia Mayra Duarte Ruivo

Claudia Conde de Almeida Afonso

Cláudia Nunes Agostinho

Cláudia Sofia Matos Carrasqueira

Cristiana Rodrigues Tristão Marques Cera

Cristina Correia

Embaixador Dario Item

(Donativo de 1,000.00 € das Fundações Oureana e D. Manuel II)

Dulce Maria

Fernanda Croca

Filipa Garcia Dias

Helena Santos

Jaime Melancia

Joana Filipa de Sá Oliveira

Joana Lírio

João Tiago Teixeira

Luís Paulos

Maria José Correia

Maria Manuela Bento Mourão

Maria Manuela Correia Marques

Marta Manuel Ferreira

Marta Pisabarro Antunes Ferreira

Mónica Albuquerque

Nádia Antunes

Odete Reis

Patricia Bela Cardoso

Patricia Simões

Pedro Cardoso

Rita Gomes

Rita Valejo Sintra

Rute Dolores

Sandra Oliveira

Sara Ferreira

Sara Matos

Sonia Alexandre

Soraia Alexandra Gamito Pereira

Susana Santos

Suzana Belo

Tânia Piedade

Teresa Maria Duarte Lourenço

Vera Cristina Raposo Bejinha

Vera Fialho Horta

Vera Marques

4 donativos anónimos”

1 de Outubro de 2020

FONTE: https://www.facebook.com/urticariacronicaportugal

Share

Especialista Brasileiro em Relíquias Sagradas (e Vice Curador da Regalis Lipsanotheca da Fundação Oureana) faz pesquisa inédita sobre Coroa de Espinhos de Jesus Cristo

coroa-na-cruz-3.jpg
Coroa ou Turbante de Espinhos?

O ensaio preliminar sobre o simbolismo da relíquia foi feito por Fábio Tucci Farah, fundador do Departamento de Arqueologia Sacra da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI). O pesquisador apresenta a hipótese de que, “tecnicamente”, a Coroa de Espinhos de Cristo seria um Turbante de Espinhos, abrindo o debate sobre o argumento: “estou convencido de que os soldados se espelharam na tiara e no turbante sacerdotais para confeccionar a Coroa de Espinhos. E, portanto, Cristo foi crucificado como Sumo Sacerdote”.

Andressa Collet – Cidade do Vaticano

A “Coroa de Espinhos”, uma relíquia da Paixão de Cristo descrita em três Evangelhos, foi tema de pesquisa do jornalista e escritor Fábio Tucci Farah. O especialista em relíquias da Arquidiocese de São Paulo é também fundador do Departamento de Arqueologia Sacra da Academia Brasileira de Hagiologia (ABRHAGI) e atua no Brasil como delegado da “International Crusade for Holy Relics” (ICHR).

Trabalho inédito sobre a Relíquia

Nos últimos quatros anos, Fábio se aprofundou nos estudos sobre as relíquias da Paixão e notou algo inusitado:

“Temos uma imagem bastante clara de como era a Santa Cruz, a lança que perfurou o torso de Cristo, a Santa Síndone. Porém, a imagem mais conhecida da Coroa de Espinhos não corresponde à realidade. A imagem que temos da Coroa de Espinhos contradiz importantes testemunhos históricos e pesquisas recentes sobre a Santa Síndone e o Sudário de Oviedo. A iconografia ocidental consagrou imagem da Coroa de Espinhos em forma da coroa triunfal romana. Em abril do ano passado, o incêndio na Catedral de Notre-Dame, de Paris, trouxe à tona essa imagem equivocada da Coroa de Espinhos: ali estava custodiada a relíquia mais afamada da Coroa de Espinhos adquirida por São Luís. Essa relíquia, graças a Deus salva do incêndio, trata-se de um círculo de juncos trançados, desprovido de espinhos. Não é uma relíquia falsa, na realidade, é apenas uma peça da Coroa de Espinhos original.”

O ensaio preliminar do pesquisador brasileiro, acompanhado de ilustrações, buscou resgatar o verdadeiro simbolismo de uma das mais importantes relíquias da Paixão e ganhou o título de “A Coroa de Espinhos de Nosso Senhor Jesus Cristo. Do estudo arqueológico da relíquia à redescoberta de seu simbolismo”. Segundo o autor, o trabalho inédito já foi apreciado pelo arcebispo de São Paulo, cardeal Odilo Scherer, que teria recomendado a sua divulgação.

Coroa ou Turbante de Espinhos?

Desde os primórdios da arte cristã, a relíquia é retratada com ramos espinhosos. Entretanto, no século V, São Vicente de Lérins a descreveu como um píleo. Mas “por que os soldados confeccionariam uma coroa em formato tão prosaico?”, se questionou o pesquisador que resolveu se aprofundar no argumento, na tentativa de compreender o real significado da relíquia que faz parte significativa da história da Salvação.

Fábio conta que outros estudos, inclusive dos sindonologistas – aqueles que pesquisam sobre a Santa Síndone, têm lançado novas hipóteses sobre a Coroa de Espinhos: ela chegou a ser descrita como um capacete, um gorro, uma carapuça, um boné, o que não faria sentido algum do ponto de vista simbólico. A pesquisa do brasileiro mostra, então, que, para a confecção da Coroa, os soldados romanos poderiam ter buscado inspiração em um acessório sagrado da maior autoridade dos judeus: o Sumo Sacerdote.

“Se a coroação de espinhos era uma paródia de investidura real, por que os soldados confeccionaram uma coroa em forma de pileu? Do ponto de vista simbólico, isso não faria sentido algum. Para aqueles homens, qual seria a figura mais parecida ao Rei dos Judeus? A evidência é justamente a Coroa de Espinhos. Se avaliarmos os testemunhos históricos e as investigações sobre a Santa Síndone e o Sudário de Oviedo constatamos que a Coroa se compunha de duas partes; essas partes remetem ao adorno sagrado que o Sumo Sacerdote usava sobre a cabeça durante as solenidades no Templo de Salomão. O círculo de juncos corresponderia à tiara sacerdotal e os ramos espinhosos ao turbante sacerdotal, ou seja, os soldados teriam trajado Cristo como um Sumo Sacerdote. E, sem querer, teriam esboçado a resposta à pergunta de Pilatos a Cristo: ‘Então, Tu és rei?’. Sim, era um rei, mas não rei deste mundo, era um rei-sacerdote como Melquisedec. Tecnicamente não teríamos uma Coroa de Espinhos, mas um Turbante de Espinhos.”

Resgate contínuo da História Sagrada

O ensaio preliminar e a hipótese apresentada por Fábio sobre o simbolismo da Coroa de Espinhos foi para atrair outros colegas para o debate, assim como tem feito durante a carreira. O pesquisador desenvolve um trabalho no Brasil para resgatar a história e o culto das sagradas relíquias, tanto que, em maio, deve lançar a obra “Relíquias Sagradas – dos tempos bíblicos à era digital”, em coautoria com Carlos Evaristo, considerado um dos maiores peritos do mundo no assunto; e prefácio de Dom Odilo Scherer.

“Como pesquisador, estou convencido de que os soldados se espelharam na tiara e no turbante sacerdotais para confeccionar a Coroa de Espinhos. E, portanto, Cristo foi crucificado como Sumo Sacerdote no momento estou analisando duas novas importantes evidências que ajudam a endossar essa hipótese. A ideia de divulgar um ensaio preliminar é para atrair outros pesquisadores para esse debate e, dessa maneira, enriquecer a hipótese com outros pontos de vista.”

24 de Março de 2020

FONTES: https://www.vaticannews.va/pt/igreja/news/2020-03/coroa-de-espinhos-jesus-especialista-brasileiro-pesquisa.html

https://media.vaticannews.va/media/audio/s1/2020/03/24/14/135537287_F135537287.mp3

Share

PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA MUNICIPAL DE OURÉM, JOÃO MOURA, ATRIBUIU MEDALHA DE OURO DA AMO À FUNDAÇÃO HISTÓRICO – CULTURAL OUREANA

O Dr. João Moura confere a Medalha à Fundação Oureana.

A Concessão do mais alto galardão da AMO reconhece os 25 anos da Fundação e os seus elevados préstimos ao Concelho de Ourém, nomeadamente na valorização do seu património histórico/cultural.

A Medalha de Ouro foi recebida por D. Duarte, Duque de Bragança na qualidade de Membro do Conselho de Curadores da Fundação Oureana e o Diploma entregue a Carlos Evaristo, Presidente do Conselho Executivo.

Medalha e Diploma.

Esta distinção acontece no dia em que foi renovado o Protocolo de Acordo de Parceria e Cooperação entre o Município de Ourém e a Fundação e no âmbito do programa da Comemoração do Centenário do Nascimento de Amália Rodrigues, do qual fez parte a inauguração das Exposições “Bem-vinda Seja Amália” / “Viva Amália! Rainha do Fado!”, patentes no Auditório Cultural dos Paços do Concelho até 10 de Outubro.

26 de Setembro de 2020

FONTE: https://www.facebook.com/assembleiamunicipaldeourem/posts/672295920076528

🎖️(O presidente da AMO, João Moura, atribuiu hoje a medalha de ouro da Assembleia Municipal à Fundação Histórico – Cultural Oureana. O mais alto galardão da AMO reconhece os 25 anos da Fundação e os seus elevados préstimos ao concelho de Ourém, nomeadamente na valorização do seu património histórico/cultural. A medalha foi recebida por D. Duarte, Duque de Bragança. Esta distinção acontece no dia em que foi renovado o protocolo de acordo de parceria e cooperação entre o Município de Ourém e a Fundação e no âmbito do programa da comemoração do Centenário sobre o nascimento de Amália Rodrigues, do qual fez parte a inauguração da exposição “Bem-vinda Seja Amália” / “Viva Amália! Rainha do Fado!”, patente no Auditório Cultural dos Paços do Concelho até 10 de outubro.)

FOTOS: Município de Ourém

Share