RELICS OF PORTUGUESE SAINTS MAY SOLVE MYSTERY OF COLUMBUS’ IDENTITY

image.png
Marciel Castro, Carlos Evaristo and José António Lorente

To arrive at Christopher Colombus’ identity, Professor José António Lorente Acosta’s team at the University of Granada carried out analysis between 2002 and 2004 that proved that the handful of fragments of bones that are in the Monumental Cathedral of Seville do belong to the famed Navigator because it was proven that they belonged to the father of Hernan Colon, Columbus’ son also buried in the Cathedral, and a brother of Diego Colon buried in the Carthusian Monastery of the same city.

Once the genetic profile of Colombus was obtained, his DNA was compared with several Italian families with the most diverse variations of the surname, but according to Lorente “it was inconclusive since there were no common markers or connections to any of these families.”

In the absence of other samples of contemporary remains that could support the Genoese theory, scientists turned their attention to the other theories, discarding some more distant ones and now considering those that argue that Columbus was Iberian as the most plausible.

Professor Lorente addressing Evaristo during the Columbus DNA Press Conference.

The lack of bone matter and the very small amount that was made available for the project soon proved to be an impediment because the technology at the time could not go any further, and it was destroying what little there was. This determined the suspension of the project, which is now only resumed 16 years later, on May 20, on the occasion of the 515th anniversary of the death of the Navigator in 1506.

In order to test the various theories, bones of alleged relatives of Colombus were sought, which would be analyzed and compared with the DNA markers of the Navigator, his brother and son, in an attempt to establish a close kinship connection. However, the samples to support two of the Portuguese theories were not submitted for analysis at the laboratory headed by Lorente because, according to the defenders of the two theories, the DNA analyzes will be carried out in Portugal and the results will then be sent to Granada for comparison.

However, three samples that may be decisive in this project, were officially delivered to the laboratory last Wednesday by Carlos Evaristo, an archaeologist specializing in sacred relics and medieval sacred iconography who has been involved in the Colombus project now for several years. The relics transported from the Regalis Lipsanotheca (Relic Repository) of the Oureana Foundation in the Castle of Ourém in a metal safe sealed with wax seals was opened in the Granada laboratory and the relics removed and submitted through the signing of a Diocesan affidavit.

As part of the resuming of the DNA study project of Christopher Columbus, announced last Wednesday by the University of Granada, an International Conference was also organized by the same University, and  experts in the various theories about the nationality of the navigator, were asked to present evidence to support their claims.

image.png
Carlos Evaristo and José António Lorente Acosta

Only the defenders of the most commonly accepted theory, but also the most questioned one, that of Columbus having been born from a Genoese family of wool dyers, were not represented. However, there were presentations made by experts of the theories of Colombus being a Catalan, a Valencian, an Aragonese, a Galician, a Castilian, and three distinct theories that defend that he was of Portuguese origin: one, a privateer, of noble ancestry, presented by Fernando Branco; that he was a bastard son of Princess D. Isabel of Aviz, presented by José Matos e Silva and that he was the son of an Princess of the Royal House of Avis, a theory of the late Augusto Mascarenhas Barreto presented in his memory by Carlos Evaristo.

Evaristo who is a “Custos” (a member of a Diocesan Commission that authenticates and restores relics), considers all the theories presented at the conference “very well grounded” although he sympathizes more with the theory that Columbus was a bastard member of the Portuguese Royal House. In support of this theory Evaristo also presented the University of Granada with a study written with famed underwater explorer Dave Horner on Columbus’ Secrets and Mysteries and they also co-produced a documentary with acclaimed American Producer / Director Paul Perry on the same theme.

At the conference Evaristo presented and defended the theory of his late friend and Mentor, researcher Augusto de Mascarenhas Barreto, who argued that Columbus would be the bastard son of D. Fernando, Duke of Beja and of Isabel Zarco, the daughter of the Explorer  Jophn Gonçalves Zarco and was subsequently born in Cuba in the Alentejo, Portugal, his real name having been Salvador Fernandes Zarco or Salvador Gonçalves Zarco.

Evaristo considers however, that “the most important thing is to prove that Columbus was Iberian and not Genoese, something that Pope Alexander VI had already affirmed when referring to the Navigator as a beloved son of Iberia in the Bull Inter Cætera dated May 4th, 1493, and which established a meridian located 100 leagues to the west of the Cape Verde Archipelago, in relation to which the one to the west of the meridian would be Spanish, and the one to the east, Portuguese, preceding the division of the New World that in 1494 it was agreed in Tordesillhas and that came to favor Portugal in the race to find the water route to India. The evidence on the plate weighs more on the historical scale in favor of him having been Portuguese; regardless of the theories, because the fact is that many circumstances in his life all point to him being linked to Royal House. For this reason it is essential to try to establish an eventual genetic link by obtaining equal markers with ancient Saints of the Portuguese Royal House. In any case, it is proven that Columbus served as Captain of War, a kind of secret agent in charge of diverting the attention of the Spanish Pope and Catholic Kings from the true water route to India and the existence of lands in Brazil and Canada, discovered prior to Columbus’ arrival in the Americas in 1492 and which would be lost to Castile, just as the Canary Islands had been, under the Alcáçovas Treaty. That is why these discoveries were only officially revealed after King D. João II guaranteed 370 more leagues with the Treaty of Tordesillas that covered them. That is why with the revelations of the existence of these lands in 1498 and 1500 Columbus fell into disgrace, was arrested and although released, died in relative obscurity and with all rights revoked.

To this end, Evaristo has spent 10 of the last 30 years that he has already dedicated to the study of Columbus, looking for contemporary genetic material or remains that are older, but without success. According to the founder of the Royal Institute of Sacred Archeology; “there are no mortal remains in most of the tombs and graves of the supposed relatives or brothers of Columbus in Portugal, for comparison. Some of Kings like D. Manuel I, D. João II and his sister Princess Saint Joana are difficult to open without causing damage or spending a lot of money. Many remains are simply missing, and because there are no records of transfers, Evaristo believes they were simply removed and transferred to the mass graves of public cemeteries when the order to evict all sepulchers in churches after 1834 was enforced, a action that led to the so-called Maria da Fonte revolt.”

It was then that the author who is one of the world’s foremost experts of Holy Relics and the Founding President of the Portuguese Patrons of the Vatican Museums Chapter, thought of presenting relics of Saints from the Portuguese Royal House for possible comparison of DNA results with the three Columbuses; the Navigator, his son and his brother. The choice fell on the relics that Evaristo collected and keeps at the Regalis Lipsanotheca in Ourém Castle, where the canonically erected Apostolate of Holy Relics is based, having been founded by he and his wife Margarida, an assistant relic conservation technician for 33 years.

“The problem”, according to the Evaristos, “was that 16 years ago, for example, it was not possible to extract DNA from hair and today it is and that is why Professor Lorente, who did not want to spend more bone material because there was little to begin with made available for the project, wisely decided to suspend the study until the technology evolved. Now that it’s possible to use hair, he asked us to submit the samples and we gladly complied.”

The fact that there are few Columbus bones in Seville, a mere handful of bone material that most resembles a handful of stones, according to Evaristo, “is due to the fact that there was a universal religious practice in force until the 19th Century of leaving a third part of the skeleton at the original burial site when there was a transfer, so that in case the bones were lost in transport or later lost, for another reason, there would always be something so that the angels on the day of the final judgment could recreate the body so as to unite it with the soul and thus revive it at the resurrection of the dead.

Professor Lorente and Carlos Evaristo verify the samples in the University Laboratory.

Evaristo guarantees that “since the remains of Columbus were left unburied in Valladolid awaiting transfer to a family tomb, the body had to be dismembered and excarnated according to the Mos Teutonicus process (the Teutonic Knight’s practice of dismembering and defleshing the bodies for later transport), and was then later transferred to the Carthusian Monastery in Seville from where it was sent to Santo Domingo. When Spain lost possession of Santo Domingo however the remains were sent to the Island of Cuba and then returned back to Seville. Because of this it is not surprising that the Dominican Republic also claims to have a good part of the skeleton of the Navigator in the so-called Colón lighthouse in Santo Domingo, although most of  the remains have disappeared. It may also be that the remains that are there are those of his son Diogo Columbus or a mixture of the two.”

In Valladolid the municipality proceeds with excavations at the site of the former Convent of San Francisco, where Columbus died. The precise location of his first burial or resting place of the urn with his bones has already been identified by Historian Marciel Castro and it is believed by Evaristo to be the site where the first third of the remains would have been buried.

Marciel Castro was also the person who first had the idea in 2002 to start genetic studies on the remains of Columbus. He was also the instrumental person in the location of the remains of the brother of the Navigator, named Diego Colón, and proposed the idea for the opening the tomb of the son of the Navigator; Hernan Colón who was also buried in the Cathedral. Castro located the chapel of the first grave by superimposing an old map over a current one.

Thus, three hairs of Queen Saint Isabel of Portugal, Princess of Aragon, more than seven centuries old, were carefully removed by Lorente and Evaristo from a reliquary with a lock of hair, sealed in wax with the seal of Bishop Count of Coimbra D. Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré. This hair had been collected by the same Prelate in the presence of King D. Miguel I according to existing documentation in historic archives at a time when the opening of the tomb of the Holy Queen was carried out for verification of the state of preservation of the incorrupt body.

The other two samples of Saint’s Relics provided by Evaristo are more difficult to re-authenticate because they have lost their authentics and seals over the centuries and have also been removed from the original reliquaries before being sold by private individuals. They are supposedly blood and bones of two Portuguese Saints who already had a great contemporary religious cult at the time of Columbus and who were members of the Royal Family of Avis / Bragança. Although Evaristo believes that these relic are genuine, if a relationship is not verified, he is prepared to obtain alternative samples of relics of the same saints or others, but that are still in the possession of the original entities since their death.

Evaristo also handed over to Professor Lorente by Protocol, for comparison, several samples of bones that he thinks belonged to members of the Portuguese high nobility and of proven contemporary antiquity to Columbus.


Evaristo affirms that “these Saints of the Portuguese Royal House are common ancestors or else direct relatives of the people presented in the various Iberian theories as being possible parents of Columbus, so if a genetic link is discovered, this could serve to confirm that he was at least Iberian if it cannot be proven that he was actually Portuguese. Everything that revolves around his life, from his writings to the connections and statements made by others at the time goes in this direction. Even the sentence of the Spanish Supreme Court of 1515 that ratified a decision of the Santo Domingo Court regarding the rights to the family inheritance, declared that the Navigator was in fact called Xproval Colomo in 1484 when he arrived from Portugal and that he was probably of Portuguese origin. Other existent writings and the fact of having married a Portuguese noblewoman, of having a Safe Conduct Letter from King D João II among other privileges that only a relative of the Royal Family would have, such as sitting in the presence of the King, attending Mass with him and being alone with the Queen and Prince D. Manuel for several days, are all documented facts that led people to question his true identity and mission at the time.”

For now, the proposal presented to Lorente as being the most concrete to establish a connection to the Portuguese Royal House is another proposed by Carlos Evaristo; namely the opening of the lead urn containing the remains the Infant Prince D. Miguel da Paz, that Evaristo identified several years ago in the Capilla Real in Granada Cathedral. The Prince who was firstborn of King D. Manuel I of Portugal and his wife who was the daughter of Isabel the Catholic, would therefore be nephew of Columbus according to the thesis of Mascarenhas Barreto.

The Cabido da Sé de Granada, however, has so far refused to allow the urn to be opened. It also refused an invasive method  proposed by Evaristo of introducing an endoscopic camera with tweezers through a side aperture that exists. In a letter it was said to be “an inopportune moment”.

Evaristo also discovered that the fact of not knowing Columbus’ real name and his true nationality were the main impediments that the Sacred Congregation of Rites had in the 19th century to open the process for the Canonization of the Navigator, as proposed by the founder of the Knights of Columbus, Father Michael Mc Givney through the North American Episcopate.

For Carlos Evaristo “the identity of Columbus is a page of universal history that remains to be written and if it is not Professor Lorente and his team to finally write that final chapter, a mystery that is over 500 years old may never be solved. And even if he is not Genoese, or Spanish or Portuguese, what matters is the truth. This doesn’t detract from the value of those dedicated investigators who, faced with this forensic mystery, followed valid clues based on contemporary facts to present various theories. Is that not what investigators do when there is an unsolved mystery or crime?” Columbus who open up the Americas to evangelization deserves to be recognized by his real identity and nationality.

“But it’s DNA,” says Lorente, “which will be the key to unraveling the mystery”. A mystery that Columbus never wanted to reveal in his life, not even to his children.

The results of the DNA analysis will be announced by Professor Lorente on October 12, the anniversary of Columbus’ arrival in the Americas in 1492.

Granada, May 19th, 2021

Real Instituto Cristóvão Colom – Salvador Fernandes Zarco – RAHA

(DEPARTAMENTO DE PESQUISA COLOMBIANA AUGUSTO MASCARENHAS BARRETO DA FUNDAÇÃO OUREANA)

Share

RELÍQUIAS DE SANTOS PORTUGUÊSES PODEM DESVENDAR MISTÉRIO DA IDENTIDADE DE COLOMBO

O Presidente da Fundação Oureana Carlos Evaristo, entregou várias amostras de osso, sangue e cabelo de Santos Portugueses para estudo na Universidade de Granada.

Para chegar à identidade de Cristóvão Colombo a equipa do Professor José Lorente Acosta do Laboratório de ADN do Departamento de Medicina Legal, Toxicologia y Antropologia Física da Faculdade de Medicina da Universidade de Granada, realizou analises entre 2002 e 2004 que comprovaram que os poucos ossos que estão na Catedral de Sevilha são mesmo do Navegador pois comprovou-se que eram do pai de Hernan Colon, também sepultado na Catedral, e de um irmão de Diego Colon que estava sepultado na Cartuxa da mesma cidade.

O Prof. José António Lorente com as caixas contendo três amostras da família Colón.

Uma vez obtido o perfil genético de Colombo procedeu-se à comparação do seu ADN com várias famílias Italianas com as mais diversas variações do apelido, mas foi algo que segundo Lorente “não foi conclusivo dado que não se verificaram ligações com nenhumas das famílias italianas.”

A falta de matéria óssea aliada à pouca que então foi disponibilizada para o projeto cedo se revelou um impedimento pelo facto da tecnologia à época não poder ir mais além, estando-se igualmente a destruir o pouco de matéria óssea que havia. Tal determinou a suspensão do projeto que só agora foi retomado, 16 anos mais tarde, precisamente no dia 20 de Maio, por ocasião do 515º aniversário do falecimento do navegador em 1506.

Para testar as várias teorias procuraram-se ossadas de supostos parentes de Colombo que serão analisadas e comparadas com os marcadores do ADN do navegador, do seu irmão e filho, para se tentar estabelecer uma ligação próxima de parentesco. Porém duas amostras para suporte de duas das teorias portuguesas não foram submetidas para análise pelo laboratório a cargo de Lorente porque segundo os defensores das duas teses, as análises de ADN serão feitas em Portugal e os resultados depois enviados para Granada para comparação.

No entanto, três amostras que podem ser determinantes neste projeto, foram oficialmente entregues no laboratório na passada quarta-feira por Carlos Evaristo, arqueólogo especialista em relíquias sagradas e iconografia sacra medieval que colabora no projeto Colombo há já vários anos. As relíquias transportadas da Regalis Lipsanotheca da Fundação Oureana no Castelo de Ourém num cofre de metal selado com selos de lacre episcopais, foi aberto no laboratório sendo o conteúdo entregue mediante a assinatura de um auto.

No âmbito da retoma do projecto de estudo do ADN de Cristóvão Colombo, anunciado na passada quarta-feira pela Universidade de Granada, foi organizada pela mesma Universidade, uma Conferência Internacional onde peritos nas várias teorias que existem acerca da nacionalidade do navegador, apresentaram as provas para sustentarem as suas teses.

Na ausência de outras amostras de restos mortais contemporâneos que pudessem sustentar a teoria genovesa, os cientistas voltaram a atenção para as outras teorias, descartando algumas mais distantes e considerando agora aquelas que defendem que Colombo era ibérico como as mais plausíveis.

A Magnifica Reitora, Lorente e o Produtor da Série Documentária para a TVE.

Só os defensores da teoria hoje mais comummente aceite, mas também a mais questionada, a de Colombo ter sido Genovês, é que não se fizeram representar. No entanto houve apresentações por peritos das teorias de Colombo Catalão, Valenciano, Aragonês, Galego, Castelhano, e de três teorias distintas, mas que defendem a sua origem Portuguesa: a de ter sido um corsário, de ascendência nobre, apresentada por Fernando Branco; a de que seria um filho bastardo de uma Infanta D. Isabel, de José Matos e Silva e a de que era filho de um Infante da Casa Real de Avis, do falecido Mascarenhas Barreto apresentada por Carlos Evaristo.

O Professor Lorente dirigindo-se a Carlos Evaristo durante a Conferência de Imprensa.

Evaristo foi convidado especial da Universidade de Granada e da TVE no encontro tendo participado na Conferência de Imprensa Internacional e na Conferência do Projecto Cólon ADN. Durante os três dias em Granada o Presidente da Fundação Oureana apresentou um dossier de provas documentais que sustentam a hipótese do Colombo ser Português mas disse considerar todas as teorias apresentadas na conferência “muito bem fundamentadas embora simpatize mais com a teoria de que Colombo era um membro bastardo da Casa Real Portuguesa”.

O Presidente da Fundação Oureana e Autor que compilou um estudo juntamente com o explorador subaquático Dave Horner sobre os Segredos e Mistérios de Colombo e co-produziram também um documentário com o premiado realizador americano Paul Perry sob o mesmo tema.

No encontro Evaristo apresentou provas e defendeu a teoria do seu falecido amigo e mentor, o pesquisador Augusto de Mascarenhas Barreto, que defendia que Colombo seria filho bastardo de D. Fernando, Duque de Beja e de Isabel Zarco, filha do Navegador João Gonçalves Zarco, nascido na Cuba do Alentejo, tendo como verdadeiro nome Salvador Fernandes Zarco ou Salvador Gonçalves Zarco. Mas considera, “o mais importante é comprovar que o Colombo era ibérico, e não Genovês, algo que o Papa Alexandre VI já havia afirmado ao referir-se ao Almirante como um filho amado das Hispanias na Bula Inter cætera.”

Esta Bula, de 4 de Maio de 1493, estabelecia um meridiano situado a 100 léguas a oeste do arquipélago do Cabo Verde, relativamente ao qual o que estivesse a oeste do meridiano seria Espanhol, e o que estivesse a leste, Português, antecedendo a divisão do Novo Mundo que viria em 1494 a ser acordada em Tordesillhas e que veio a favorecer Portugal na corrida para encontrar o caminho marítimo para a Índia.

Na balança histórica pesa mais o prato das provas de que era português; independentemente das teorias o facto é que todas elas o colocam como ligado à Casa Real, sendo então fundamental, tentar estabelecer a eventual ligação genética obtendo marcadores iguais com Santos da Casa Real.

De qualquer das formas evaristo acredita que Colombo serviu como Capitão de Guerra, uma espécie de Agente Secreto naquilo que diz respeito a desviar as atenções do Papa Borja Espanhol e dos Reis Católicos do verdadeiro caminho marítimo para a Índia e da existência de terras no Brasil e no Canadá, descobertas anteriormente à chegada do Colombo às Américas em 1492 e que seriam perdidas para Castela, tal como haviam sido as Ilhas Canárias, ao abrigo do tratado das Alcáçovas. Por isso estas descobertas só foram reveladas oficialmente depois de D. João II ter garantido mais 370 léguas com o Tratado de Tordesilhas que as abrangeram. É por isso que segundo Evaristo, com as revelações da existência destas terras em 1498 e 1500 Colombo cai na desgraça, foi preso e embora liberto, morreu em relativa obscuridade e com todos os direitos revogados.

Com a finalidade de encontrar provas genéticas que comprovem estas teorias, o perito em relíquias, Carlos Evaristo passou 10 dos 30 anos que já dedica ao estudo de Colombo, à procura de material genético contemporâneo ou anterior ao mesmo, mas sem êxito. Segundo o arqueólogo fundador do Real Instituto de Arqueologia Sacra; “não existem restos mortais na maioria dos túmulos e sepulturas dos supostos pais ou irmãos de Colombo em Portugal, para comparação. Alguns de Reis como D. Manuel I, D. João II e a Princesa Santa Joana são difíceis de abrir sem causar danos ou se gastar muito dinheiro. Os restos mortais em falta, por não haver registos de traslados, crê-se terem sido simplesmente removidos e transferidos para as valas comuns dos cemitérios públicos quando da ordem de despejo de todas as campas nas igrejas depois de 1834, uma ação que levou à chamada revolta da Maria da Fonte.”

Lorente e Evaristo conferem as amostras de osso, sangue e cabelo no Laboratório.

Foi então que o autor pensou em se testarem relíquias de Santos da Casa Real Portuguesa para possível comparação do ADN com os três Colombos; o navegador, o filho e o irmão. A escolha recaiu nas relíquias que Evaristo juntou e guarda na Regalis Lipsanotheca no Castelo de Ourém, local onde está sedeado o Apostolado de Relíquias canonicamente ereto, fundado por ele e pela mulher Margarida, técnica assistente de conservação de relíquias há 33 anos.

“O problema”, segundo Evaristo, “era que há 16 anos, por exemplo, não era possível extrair ADN de cabelo e hoje já é e por isso o Professor Lorente como não queria gastar mais matéria óssea por haver pouca, decidiu sabiamente suspender o estudo até que a tecnologia evoluísse. Agora que já é possível, pediu para que nós submetêssemos as amostras.”

Assim, três cabelos da Rainha Santa Isabel com mas de sete séculos foram cuidadosamente removidos por Lorente e Evaristo de um relicário com uma sua madeixa, selado em lacre com o sinete do Bispo Conde de Coimbra D. Frei Joaquim de Nossa Senhora da Nazaré. Este cabelo havia sido recolhido pelo mesmo prelado na presença do Rei D. Miguel I conforme documentação existente em arquivos quando da abertura do túmulo da Rainha Santa para verificação do estado de conservação do seu corpo incorrupto.

As outras duas amostras de relíquias de Santos fornecidas por Evaristo são mais difíceis de re-autenticar por terem perdido os selos de autenticidade ao longo dos séculos e terem sido removidas de relicários originais antes de terem sido vendidos por particulares. São supostamente sangue e ossos de dois Santos Portugueses que já tinham um grande culto contemporâneo a Colombo e que eram membros da Família Real de Avis e de Bragança. Embora Evaristo acredite que sejam genuínas, caso não se verifique o parentesco entre elas, o mesmo está preparado para pedir outras amostras destes santos e de outros que ainda estão na posse das entidades originais desde o falecimento dos mesmos.

Evaristo entregou também várias amostras de ossos que pensa serem de membros da alta nobreza Portuguesa de comprovada antiguidade contemporânea ao Colombo para comparação.

“Sendo os Santos da Casa Real antepassados comuns ou parentes directos das várias pessoas apresentadas nas diversas teorias Ibéricas como sendo possíveis pais de Colombo, a descobrir-se um elo de ligação poderá esse servir para confirmar que ele era pelo menos ibérico, se não mesmo Português. Uma vez que tudo o que roda em torno da sua vida, desde os escritos às ligações e afirmações feitas por outros à época vão nesse sentido. Até a sentença do Supremo Tribunal Espanhol de 1515 que ratificou uma decisão do Tribunal de Santo Domingo a respeito dos direitos à herança familiar, declarou que o Navegador se chamava Xproval Colomo em 1484 quando chegou de Portugal e que era provavelmente de origem Portuguesa. O mesmo escreveu Paolo Toscanelli em correspondência contemporânea e é o que referem recibos de pagamento da Rainha D. Isabel entre outros escritos existentes. O facto de ser um estrangeiro e ter casado com uma nobre portuguesa, de ter uma Carta de D João II que é um Salvo Conduto entre outros privilégios que só um parente da Família Real teria, tais como se sentar na presença do Rei, de assistir à Missa com ele e de estar a sós com a Rainha e o Príncipe D. Manuel durante vários dias, são todos factos documentados que levaram pessoas a questionar a sua verdadeira identidade e verdadeira missão à época.”

Para já fica de parte a proposta que Carlos Evaristo apresentou a Lorente há já vários anos como sendo a mais concreta para estabelecer uma ligação à Casa Real Portuguesa: a abertura da urna em chumbo do Príncipe D. Miguel da Paz, que Evaristo identificou há vários anos na Capilla Real de Granada. Príncipe que foi primogénito de D. Manuel I e da filha dos Reis Católicos e por isso, segundo a tese de Mascarenhas Barreto, um sobrinho de Colombo.

O Cabido da Sé de Granada porém tem até agora recusado permitir a abertura da urna e mesmo com um método não demasiado invasivo proposto por Evaristo de introduzir uma c
câmara endoscópica com pinça. Afirmaram em carta ser “um momento inoportuno”.

Restos óseos exhumados de la tumba de Cristóbal Colón en la Catedral de Sevilla en el año 2003.
Fragmentos de la urna y los huesos de los restos de Cristóbal Colón recuperados, en la Catedral de Sevilla. Horizontal.

O facto de haver poucos ossos de Colombo em Sevilha, um mero punhado de uma matéria óssea que mais se parece com uma mão cheia de pedras, deve-se, segundo um estudo Carlos Evaristo “à prática religiosa universal em vigor até ao século XIX de deixar uma terça parte do esqueleto no local de sepultamento original quando havia um traslado. Isto para que no caso de se perderem os ossos no transporte ou posteriormente, por outra razão, haver sempre algo para que os anjos no dia do julgamento final pudessem recriar o corpo para o unir à alma e assim o reanimar na ressurreição dos mortos.

Dado que os restos de Colombo estiveram insepultos em Valladolid tendo sido o corpo desmembrado e descarnado segundo o processo Teutónico (a prática de desmembrar e descarnar os corpos para posterior transporte), e depois os mesmos transferidos para o Mosteiro da Cartuxa em Sevilha e daí para Santo Domingo, depois para a ilha de Cuba e de regresso a Sevilha, não é de admirar que a República Dominicana afirme guardar uma boa parte do esqueleto do navegador no chamado farol de Colón em Santo Domingo e de a maior parte ter desaparecido. Pode ser também que os restos que estão lá sejam os de Diogo Colombo ou uma mistura dos dois. Em Valladolid o município procede com escavações no local do antigo Convento de São Francisco, local onde morreu Colombo. Foi já identificado o local preciso do seu primeiro sepultamento ou repouso da caixa com os seus ossos e onde teria sido enterrada, segundo Evaristo, a primeira terça parte dos mesmos.

O historiador Marciel Castro que foi quem teve a ideia em 2002 de se iniciarem estudos genéticos aos restos mortais de Colombo, foi também a pessoa instrumental na localização dos restos mortais do irmão do navegador, de nome Diego, e esteve na origem da ideia para a abertura do túmulo do filho do Navegador; Hernan. Castro foi também quem localizou a capela da primeira sepultura sobrepondo um mapa antigo a um mapa actual.

Maciel Castro, Carlos Evaristo e José António Lorente.

Carlos Evaristo descobriu também que o facto de não se conhecer o verdadeiro nome de Colombo e a sua verdadeira nacionalidade foi o impedimento maior que a Sagrada Congregação dos Ritos teve no século XIX para abrir o processo para a Canonização do navegador, tal como havia sido proposto pelo fundador dos Cavaleiros de Colombo, Padre Michael Mc Givney através do Episcopado Norte Americano.

Para Carlos Evaristo “a identidade de Colombo é uma página da história universal que falta escrever e se não for o Professor Lorente e sua equipa finalmente a escrever esse capítulo final, nunca se poderá pôr fim a um mistério com mais de 500 anos. E mesmo que ele não seja Genovês, ou Espanhol ou Português, o que interessa é a verdade. Isso em nada tira o valor da missão dele ou daqueles dedicados investigadores que perante este mistério forense seguiram pistas válidas baseadas em factos contemporâneos para apresentarem várias teorias. Não é afinal o que fazem sempre todos os investigadores quando há um crime por resolver?”

“Mas é o ADN”, garante o Professor José Lorente Acosta, chefe da equipa de investigação do Projeto ADN Colón da Universidade de Granada, “que será a chave para desvendar o mistério”. Um mistério que Colombo nunca quis revelar em vida, nem mesmo aos filhos.

May be an image of 6 people, including António A Sousa Lara, people standing and eyeglasses

TEORIAS APRESENTADAS DURANTE A CONFERÊNCIA

Teoria Valenciana: Colombo tinha uma dupla identidade: “Genovês de nação” e cidadão Valenciano”.

Palestrante: Francesc Albardaner i Llorens, Membro da Sociedade Catalã de Estudos Históricos do I.E.C., Sócio da Instituição Catalã de Genealogia e Heráldica.

Resumo: A pesquisa de Francesc Albardaner situa Cristóbal Colom em Valencia no seio de uma família de judeus convertidos, cujo comércio era tecelões de seda, à qual pertencia sua mãe. Seu pai era um emigrante da Ligúria que chegou a Valência com o clã Gavoto de Savona, que criou empresas de tecelagem de seda e brocado e fábricas de papel em Valência, a partir do ano de 1445 ou pouco antes. O casamento pode ser considerado intra-união, uma ocorrência frequente naquela época. Por ser filho de casal misto, podia apresentar-se tanto como “genovês da nação”, por ser filho de pai genovês, ou como súdito natural da Coroa de Aragão, por ser cidadão de o Reino de Valência. Cristóbal Colom também teve uma formação dual: cristã na esfera pública e judia no claustro familiar. Na verdade, ele foi um criptojudeu que não se interessou em dar a conhecer as suas origens hebraicas nos momentos difíceis da imposição da inquisição castelhana em todos os territórios da Coroa de Aragão. Sua origem judaica sefardita foi um dos principais motivos que o obrigaram a não divulgar sua origem.

Teoria Portuguesa I: Colombo era na verdade um corsário português

Palestrante: Fernando Branco, Professor da Universidade de Lisboa (IST, Instituto de Engenharia) e Membro Honorário da Academia Portuguesa de História

Resumo: A hipótese portuguesa afirma que Cristóvão Colombo se chamava realmente Pedro Ataíde e era um corsário português. O Professor Fernando Branco recolhe no seu livro “Cristóvão Colombo, nobre português” as numerosas coincidências entre a vida do almirante e a de Ataíde, ambas inclusive participaram na guerra de Aragão e na batalha naval do Cabo de S. Vicente. O que se sabe de Pedro Ataíde justifica, como aconteceu com Colombo, sua fuga para Castela em 1485, suas ligações com a nobreza portuguesa em Sevilha e o texto da carta que D. Juan II lhe enviou. Justificaria também, ao regressar da primeira viagem, o seu reconhecimento por João da Castanheira na ilha de Santa Maria e a visita da Rainha de Portugal ao convento da Castanheira. Em 2017, o grupo de investigadores da Universidade de Coimbra e do Instituto Superior Técnico de Lisboa exumou os restos mortais do primo paterno de Pedro Ataíde. Os ossos de António de Athayde, primeiro Conde de Castanheira e primo do corsário português, foram exumados da igreja onde foi sepultado, perto de Lisboa, para extracção do ADN nuclear.

Teoria portuguesa II: Colombo, filho bastardo de Infanta Portuguêsa

Palestrantes: José Mattos e Silva (António Mattos e Silva)

Resumo: Cristóvão Colombo era filho bastardo da Princesa Leonor de Aviz e D. João Menezes da Silva, justamente em período de negociações para o futuro casamento da princesa com o Imperador Frederico III, portanto não poderia ser considerado filho da princesa e foi adotada por um de seus servos. Ambos os pesquisadores fornecem amostras genéticas do suposto ramo paterno e materno.

Teoria de Navarra: Colombo transferiu o topônimo de Ainza para a América

Palestrante: Jose Mari Ercilla, Pesquisador e médico aposentado.

Resumo: Segundo a tese de José Mari Ercilla, Cristóbal Colón nasceu na Baixa Navarra e era portador do antígeno HLA-B27, característico de escapamentos. Todos os personagens importantes da vida de Colombo têm um forte vínculo com Navarra e grande parte do seu vocabulário coincide com o da área dos ultra-portos. O topônimo Ainza era o nome da cidade da Baixa Navarra onde nasceu Cristóvão Colombo (atualmente Ainhice Mongelos). Este nome não existia em outra parte do mundo além da América e após a descoberta deste por Colombo. Um nome que só quem nasceu ali poderia saber porque os Colom, segundo o censo real navarro, habitavam esta localidade com apenas cinco casas.

Teoria de Maiorca: Colombo era o filho secreto do Príncipe de Viana

Palestrante: Gabriel Verd Martorell, Historiador e Presidente da Associação Cultural Cristóbal Colón

Resumo: A teoria da origem maiorquina de Cristóvão Colombo não foi documentada documentalmente até o século passado em que diversos historiadores tentaram mostrar que o descobridor era filho natural de Dom Carlos, Príncipe de Viana (irmão do Rei Fernando el Católico) e o maiorquino Margalida Colom. Ele nasceu em Felanitx, Maiorca, em 1460. Esta teoria foi defendida por historiadores de grande prestígio, como Manuel Lópéz Flores de Sevilha, Irmão Nectário Maria venezuelano e Torcuato Luca de Tena, etc. Colombo durante sua terceira viagem ao Novo Mundo batizou Ilha Margarita na costa da Venezuela em 1498 com o nome da mãe e escreveu-o em maiorquino «Margalida». O grande filólogo espanhol Ramóm Menéndez Pidal mostrou que Colombo “sempre escreveu em latim ou espanhol, nunca em italiano ou genovês, e tampouco os italianismos aparecem em seus escritos”. Em abril de 1492, um importante documento de valor histórico incalculável foi assinado em Santa Fé de Granada, conhecido como “as Capitulações de Santa Fé” e no qual foram estipuladas todas as condições estabelecidas entre o Descobridor e a Coroa, por meio do qual o levaria a cabo o empreendimento da descoberta. No documento citado, Colombo é nomeado almirante, vice-rei e governador geral. Ele também recebe o título de “Don”, que, como nos diz o professor Juan Manzano em uma de suas publicações, “era um título honorário e digno usado por reis e membros de suas famílias”. Os cargos de vice-rei e governador geral aparecem na época do descobrimento na Coroa de Aragão e não na castelhana. São cargos de alta categoria social e até mesmo o de Governador Geral foi reservado para pessoas de sangue real. Outro fato importante a destacar é que Colombo possuía uma cultura extraordinária para sua época. Todos esses dados, junto com outros, defendem a hipótese de que o descobridor não poderia ser o genovês Cristoforo Colombo, tecelão e estalajadeiro.

Teoria Galega: Colombo era de origem Galega

Palestrante: Eduardo Esteban Meruéndano, Presidente da Associação Cristóbal Colón Galego “Celso García de la Riega”

Resumo: A possível origem galega de Cristóbal Colón foi postulada em 1898 como a primeira refutação da origem genovesa, por Celso García de la Riega de Pontevedra. Documentos, toponímia e linguagem foram a base fundamental do suporte de uma teoria conhecida, seguida e difundida por historiadores (Enrique Zas Simó, Constantino de Horta e Pardo), pedagogos (Virgilio Hueso Moreno, Ramón Marcote Miñarzo, Nicolás Espinosa Cordero), acadêmicos (Wenceslao Fernández Flórez, Emilia Pardo Bazán) ou figuras culturais (Ramón María del Valle – Inclán, Torcuato Luca de Tena e Álvarez Ossorio), entre muitos outros. Em 1928, silenciado por pressões políticas devido à iminente celebração da Exposição Ibero-americana de Sevilha.

A recente legitimação dos documentos históricos pelo Instituto do Patrimônio Cultural da Espanha (2013), que contêm os sobrenomes “Colón” e “de Colón”, bem como as Capitulações de Santa Fé, pode colocar a família do navegador em Pontevedra , antes e durante a descoberta.

Teoria Castelhana: Colombo era Castelhano

Palestrante: Alfonso C. Sanz Núñez, Autor do livro “Don Cristóbal Colón. Almirante de Castela “

Resumo: A tese castelhana afirma que Cristóvão Colombo nasceu em Espinosa de Henares (Guadalajara) em 18 de junho de 1435. Ele era neto de Don Diego Hurtado de Mendoza, Almirante de Castela. Sua mãe era Dona Aldonza de Mendoza, Duquesa de Arjona . Ela morreu de parto duplo. No testamento desta Senhora, feito dois dias antes de sua morte, aparece Cristóbal Genovés, a quem ela deixa 13.000 maravedíes. O irmão gêmeo do almirante, Alfón el Doncel, foi assassinado quando tinha cinco anos. Seu tio, o Marquês de Santillana, usurpou sua herança. Os reis concederam-lhe as mesmas prerrogativas que o Almirante de Castela tinha o título de Almirante do Mar Oceano antes do Descobrimento, porque lhe correspondia por linhagem. Os emblemas de seu avô e de sua mãe aparecem no brasão de Colombo.

Teoria portuguesa III: Colombo, um bastardo da Casa Real e Espião ao Serviço do Rei de Portugal.

Palestrante: Carlos Evaristo, Arqueólogo e Historiador, Presidente da Fundação Oureana e do Instituto Cristóvão Colom.

Resumo: A teoria do falecido Autor Professor Augusto Mascarenhas Barreto, defendida por Carlos Evaristo é que Cristóvão Colom não seria Genovês, mas poderia ser filho bastardo de D. Fernando, Duque de Beja e Viseu, e de Isabel Gonçalves Zarco, de ascendência Judia e Genovesa.

O seu nome seria Salvador Fernandes Zarco e seria originário de Cuba, Alentejo. Colom seria um Capitão de Guerra, um Espião como o 007, com licença para matar, ao serviço do Rei João II de Portugal. A missão deste suposto irmão de D. Manuel I era desviar a atenção dos Reis Católicos da verdadeira rota para a Índia, oferecendo-lhes uma rota alternativa. Esse engano permitiu que Portugal negociasse um novo Tratado para ficar com a Índia e com a posse das terras do Brasil e do Canadá já descobertas.

Carlos Evaristo, para além de estudar os túmulos do Duque de Beja e das suas irmãs, todos estranhamente vazios, identificou uma urna de chumbo com os restos mortais do Príncipe Miguel da Paz, filho de D. Manuel I na Cripta da Capela Real de Granada na espera de autorização para abri-lo.

Foram também recolhidas por Evaristo outras relíquias significantes ligadas à Casa Real Portuguesa que serviriam como principais amostras de DNA para finalmente permitirem confirmar, ou não, esta que é a teoria mais antigo do Colombo português.

May be an image of one or more people, people standing and outdoors

Os resultados das análises de ADN serão divulgadas pelo Professor Lorente no dia 12 de Outubro, aniversário da chegada de Colombo às Américas em 1492.

Granada, 19 de Maio de 2021

Real Instituto Cristóvão Colom – Salvador Fernandes Zarco – RAHA

(DEPARTAMENTO DE PESQUISA COLOMBIANA AUGUSTO MASCARENHAS BARRETO DA FUNDAÇÃO OUREANA)

image.png
Share