Pesquisa da Fundação Oureana comprovou que “Elvis Presley gravou canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima” em 1961

Elvis e o Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima.
Quadro a óleo do Mestre Henrique Mourato.
Colecção Instituto Elvis Presley (Fundação Oureana)

“Está confirmado que Elvis Presley gravou uma canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima“, afirmou o Pesquisador Carlos Evaristo, Presidente da Direcção da Fundação Oureana, quando revelou esse facto inédito pela primeira vez ao Mundo, a 12 de Maio de 1998, numa reportagem transmitida no Noticiário da RTP 1 / RTP Internacional. O Comentador e Especialista em assuntos de Fátima da estação estatal havia sido alertado em 1989 para cópias de gravações originais de 1961 num arquivo pessoal de Armantine Keller, uma octogenária dos EUA. Mas as mesmas eram gravações caseiras, de fraca qualidade, feitas de cópias em 1990 e por isso levantavam sérias dúvidas de autenticidade… As bobines de onde foram gravadas tinham sido alegadamente feitas a partir das originais em1968 usando um gravador portátil. Pensava-se que eram as originais mas não eram pois as fitas originais foram gravadas em 1961 por (Jesse) Lee Denson quando o mesmo visitou Elvis Presley na sua mansão em Graceland e ambos decidiram improvisar o tema “The Miracle of the Rosary (of Our Lady of Fátima.

Em 1995, Evaristo foi novamente alertado pela Ex-Funcionária da CIA, para a existência das cópias originais dessas gravações e também correspondência que comprovava várias ligações do Rei do Rock n’ Roll a Fátima. Posteriormente, Evaristo contactou o Compositor Norte Americano Lee Denson que vivia num Lar de Terceira Idade em Memphis, Tennessee, EUA, e esse amigo de infância de Elvis, não só confirmou todos os factos, como doou à Fundação Oureana as gravações e documentação inédita, oferecendo os direitos de autor sobre as mesmas à Fundação criada por John Haffert, pai do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima. Hoje estes e outros artefactos de Elvis Presley, fazem parte do Arquivo do Instituto Elvis Presley, Rei do Rock n´Roll da Fundação.

O texto que segue baseia-se numa reportagem do Correio da Manhã de 13 de Agosto de 2002

Elvis canta para Nossa Senhora de Fátima. Quadro a óleo de Henrique Tigo. Colecção Instituto Elvis Presley (Fundação Oureana)

Elvis Presley gravou canção dedicada a Nossa Senhora de Fátima

Segundo Evaristo, a ligação de Elvis Presley a Fátima vai mais longe. “Por exemplo, foi entre os dias 12 e 15 de Maio de 1971 que Elvis Presley esteve no estúdio a gravar o disco “Elvis Now”. Entre as inúmeras músicas que tinha à sua disposição, houve uma que o Rei do “Rock’n’Roll” fez questão de utilizar: “The Miracle of the Rosary”, de Lee Denson, uma das pessoas que mais o ajudou quando começou a carreira.

O Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima

A Canção, dedicada a Nossa Senhora do Rosário de Fátima, foi escrita em 1960, quando Denson se aproximou do Catolicismo. Mas a história de “The Miracle of the Rosary” (O Milagre do Rosário) só foi confirmada a Carlos Evaristo há pouco tempo pelo autor da letra e da música e isto após uma antiga funcionária do FBI de nome Armantine Keller ter alertado o Pesquisador para esse facto (e ter redescoberto Denson a residir num lar de terceira idade em Memphis).

Lee Denson e Mary Denson

A história começa com o casamento de Lee com Mary. Ele pertencia à Igreja Baptista e ela era uma fervorosa Católica, que rezava todos os dias o terço, conforme Nossa Senhora de Fátima tinha pedido quando apareceu aos três pastorinhos na Cova de Iria, em 1917. Só que começou a descurar a fé, devido às inúmeras viagens que o marido – músico profissional – era obrigado a efectuar.

O terço que uma amiga lhe trouxe de Fátima chegou mesmo a desaparecer. Apesar de ter vasculhado a casa de alto a baixo, Mary não o encontrou. Até que, na noite de 13 de Outubro de 1960, quando o casal regressou a casa, após mais um concerto de Lee, o terço apareceu: estava aberto no seu estojo, em cima de uma almofada na cama.

Ficaram perplexos…

Tinham a certeza de que ninguém tinha entrado em casa enquanto estiveram fora. Mas resolveram dormir. Porém, a meio da noite, acordaram de repente: Mary, através de um toque suave nos lábios, e Lee, por causa de um som que se assemelhava a um sino. Sentiram ainda uma força eléctrica passar pelos corpos enquanto dormiam. Trocaram impressões sobre o que havia sucedido. Concluíram que só podia ter sido um milagre. Mary atribuiu-o logo a Nossa Senhora de Fátima. Lee, que não era Católico, passou a ser crente – embora só tivesse sido baptizado em 11 de Julho de 1964 – e juntou-se à mulher quando esta rezou o terço.

Na manhã seguinte, resolveram ir à missa. E ouviram o padre dizer que Nossa Senhora de Fátima todos os dias opera milagres na vida de cada um e que poucos lhe agradecem, ou param para pensar no que lhes aconteceu. Tentaram discutir o tema após a cerimónia religiosa e não o conseguiram. Segundo Lee, ele e a mulher foram os únicos a ouvir tais palavras. Cada vez mais perplexo, o músico não voltou a dormir descansado. Só o passou a fazer depois de ter escrito uma música dedicada a Nossa Senhora do Rosário de Fátima.

Quando pensou num artista que a gravasse, de modo a dar uma grande projecção a Fátima, Denson pensou no amigo Elvis Presley, que na altura já era uma das maiores celebridades da música mundial. Contudo, decidiu esperar até 1967, ano do 50.º aniversário das Aparições de Fátima, aproveitando também a vinda do Papa Paulo VI a Portugal.

Rótulo do primeiro LP de 1960

Lee conversou com o amigo, mas este respondeu-lhe que tinha a agenda demasiado preenchida. A canção esteve na gaveta até 1971.

Denson, entretanto, abandonou a carreira artística para se dedicar à igreja, em Memphis. Em 1978 cantou “The Miracle of the Rosary” numa missa. A igreja encheu-se de perfume de rosas, perante a estupefacção dos fiéis, entre eles o Arcebispo Panamiano Tomas Clavel, que considerou aquele sinal como algo“milagroso”.

Algum tempo depois, o Papa Paulo VI, abençoou a canção para que todas as pessoas que a ouvissem, cantada por Elvis Presley ou por Lee Denson (num disco editado por John Haffert Co-fundador do Exército Azul e Fundador da Fundação Oureana) recebam uma bênção Papal.

Uma Guitarra em vez de bicicleta

Lee Denson conheceu Elvis quando a família Presley trocou a cidade-natal, Tupelo, por Memphis, em 1947. Na altura, o futuro Rei do “Rock’n’Roll” vivia numa situação de extrema pobreza. A casa [da avó materna, Minie Mae Hood] onde habitava, no n.º 572 da Poplar Street, tinha apenas dois quartos, mas albergava 15 famílias em permanência.

Perante um quadro tão negro, os pais de Lee, o pastor evangelista J.J. Denson e a mulher Mattie, que geriam uma associação de solidariedade do tipo “sopa dos pobres”, foram determinantes na ajuda à família de Presley. Até emprego conseguiram para o pai de Elvis. E em Janeiro de 1948 arranjaram mesmo aos Presley uma casa no bairro de Lauderdale, no n.º 185 de Winchester Road.

Apesar de só ter dois quartos, era únicamente para o clã Presley. E a renda era acessível: 35 dólares por mês. Segundo Lee Denson, Elvis tinha, aos 12 anos, muita dificuldade em arranjar amigos. Na escola, um dos professores chegou ao ponto de lhe chamar “menino da mamã”, por usar brilhantina e ter uma popa no cabelo. Na hora das brincadeiras de rua mostrava-se sempre alheado. Um dos seus passatempos preferidos consistia em ficar especado a ver e ouvir Lee Denson e os amigos tocarem guitarra.

Apesar de só ter 13 anos, Lee era já um dos profissionais da música mais respeitados na zona sul de Memphis. Um dia, Lee disse a Elvis que um dos caminhos para tirar a família da miséria poderia passar pela música. Elvis respondeu-lhe que tinha medo de cantar em público e recusava-se a tocar com os amigos de Lee. Mas ficou a matutar na ideia.

E, por influência do amigo, no Natal de 1948 solicitou à mãe que, em vez da bicicleta já pedida, lhe oferecesse uma guitarra.

Lee foi o primeiro professor de Elvis e depressa percebeu que havia magia na voz do amigo. Não se enganou. Pouco tempo depois, cada vez que o ex-pobre miúdo de Memphis aparecia numa festa havia multidões a aplaudi-lo.

Disco de Elvis Presley foi editado em 1972

A canção “The Miracle of the Rosary” havia sido gravada por Elvis em 1971, mas só apareceu nas discotecas em 1972, no LP “Elvis Now”.

(NOTA: Segundo confirmou Lee Denson em entrevista gravada com Carlos Evaristo em 2001;Quando interpretava o tema para os amigos, Elvis, apesar de não ser Católico, terminava a canção com a recitação da oração da Avé Maria que conhecia. O facto da gravação de Elvis ter sido lançada em 1972 segundo John Haffert era outra ligação a Fátima pois tinha a ver com a chamada Profecia da Vidente Jacinta Marto para esse ano.”)

A Ex-Funcionária do CIA*

Armantine Keller

A história da canção “Miracle of the Rosary” chegou a Portugal através da devota de Fátima, a norte-americana Armantine Keller. Ex-funcionária do CIA*, em Memphis, contou a história a Carlos Evaristo, Presidente da Fundação Oureana, e Produtor do Elvisfest, que se realizou em Ourém.

(NOTA: No artigo publicado no Correio da Manhã em 2002 foi erradamente referido que Armantine Keller trabalhava para o CIA quando na realidade trabalhava para o FBI.

Armantine Keller era natural de Memphis, e foi amiga pessoal de Elvis Presley e de Lee Denson. Foi funcionária do Director do FBI, J. Edgar Hoover, a pessoa que mantinha uma ficha de investigação aberta sobre Elvis Presley e trabalhou na Sede do FBI em Washington, DC durante a Segunda Guerra Mundial e mais tarde para a Dave Dermon Company em Memphis.

J. Edgar Hoover
Carta de Armantine Keller datada 8 Abril de 1997

Armantine guardava as únicas cópias de 1968 das gravações inéditas originais de um ensaio do tema “The Miracle of the Rosary”, gravadas por Lee Denson, em 1961 e que nunca foram usadas. Armantine recebeu estas cópias de Lee Denson em 1968 ofereceu as mesmas a Carlos Evaristo em 1990 mas depois, mais tarde em 1997 conseguiu as originais, afirmado que Elvis sabia que Lee havia dedicado a canção a Nossa Senhora de Fátima e que tanto ele, como John Haffert, haviam tentado convencer Elvis Presley a gravar o tema em 1967 para que servisse de Hino do Cinquentenário das Aparições de Nossa Senhora de Fátima. Haffert confirmou a história em 1996 mas Carlos Evaristo só pôde confirmar em 2002 que as cópias de 1968 não eram originais mas cópias das gravações de 1961. Evaristo confirmou também que a canção fora mesmo dedicada a Nossa Senhora do Rosário “de Fátima”. Isto só foi possível depois de localizar o compositor Lee Denson que estava então a residir no Wesley Tower Retreat Home, um Lar de Terceira Idade para artistas em Highland Park, Memphis, Tennessee.

Tanto Armantine Keller como Lee Deonson eram dovotos de Nossa Senhora de Fátima e membros do Exército Azul e tinham vindo muitas vezes em Peregrinações a Fátima e outros lugares santos organizadas por John Haffert. Eram também Membros da Legião de Maria e do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima. A sua devoção à Mãe de Deus inspirou Armantine a trazer uma imagem de Nossa Senhora de Fátima para a Paróquia de São Luís, em Memphis. Durante anos, Armantine Keller e Lee Denson levaram a Virgem Peregrina do Exército Azul a centenas de lares promovendo o Terço do Rosário como uma ferramenta poderosa para a Paz Mundial. Foi Armantine também quem ofereceu uma imagem luminosa de Nossa Senhora de Fátima que Lee Denson enviou para Elvis Presley, com o pedido em 1967.

Armantine Keller foi casada 52 anos com o falecido Allen Y. Keller, primo de um Padre Católico Gregory Keller que lançou Elvis Presley na sua carreira artística. Armantine e Allen tiveram cinco filhos. Faleceu no Lar Kirby Pines Manor, aos 88 anos, a 28 de Fevereiro de 2006 e a Missa de Funeral teve lugar no dia 6 de Março, na Igreja Católica de São Luís. Armantine Keller ficou sepultada em Memory Hill Gardens em Memphis mas um Cenotáfio no Castelo de Ourém recorda o seu legado.)

Dali Pintou Milagre

Salvador Dali cobrou 15 mil dólares, em 1960, para pintar um quadro sobre as aparições na Cova de Iria. Quem o contratou foi um ex-crente da Igreja Baptista, conhecido de Lee Denson, que se converteu ao Catolicismo, depois de tomar conhecimento da Mensagem de Fátima.

Dali's Great Secret - VillaseGolfe
(NOTA: O quadro de Salvador Dalí da “Visão do Inferno” foi encomendado por John Haffert em 1960 e terminado em 1962. John Haffert e Lee Denson queriam que o mesmo fosse usado para a capa do single proposto a Elvis Presley em 1967.)

A CANÇÃO

The Miracle of the Rosary

“Oh Blessed Mother we pray to Thee.

Thanks for The Miracle of The Rosary.

Only You, can hold Back your Holy Son’s hand,

long enough for the whole world to understand.

Hail Mary, full of grace,

The Lord is with you.

Blesseed art Thou among women,

and blessed is the fruitof Thy Womb Jesus.

Oh Holy Mary,

Dear Mother of God,

please pray for us sinners,

Now and at the hour of our death.

And thanks once again,

for the Miracle of Your Rosary”

Circular de Lee Denson enviado através do Exército Azul com Mensagem de Fátima e os Pedidos de Nossa Senhora
LP de Lee Denson (Edição do Exército Azul. 1978)

TRADUÇÃO

“Ó Mãe Santíssima, nós vos rezamos.

Obrigado pelo Vosso Milagre do Rosário.

Só Vós pudestes suster a Mão do Vosso Filho Sagrado, durante o tempo suficiente para o Mundo compreender.

Avé Maria, Cheia de graça, O Senhor é Convosco,

Bendita Sois Vós entre as mulheres, e bendito é o fruto do Vosso Ventre Jesus.

Ó Santa Maria, Querida Mãe de Deus,

rogai por nós pecadores, agora e na horada nossa morte.

E mais uma vez agradeço o Milagre do Vosso Rosário.”

NOTA: Em 1978 Lee Denson com o apoio de John Haffert e do Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima, lançou um LP com a sua interpretação do tema “The Miracle of the Rosary.” O disco foi oficialmente consagrado ao Apostolado de Fátima e recebeu não só o Imprimatur do Cardeal Português D. Humberto de Medeiros de Boston, mas a bênção do Papa Paulo VI.

Na década de 1980, Lee Denson cantou a sua canção no Santuário de Fátima e também no Carmelo de Coimbra, na presença da Vidente de Fátima, Irmã Lúcia.

Lee Denson e o irmão Jimmy Denson.

A pesquisa de Carlos Evaristo confirmou ainda outra ligação de Elvis Presley a Fátima.

Presley e Denson tocaram juntos no palco, pela primeira vez, num Baile de Finalistas de uma Escola Católica da Diocese de Little Rock (Diocese vizinha de Memphis) a 2 de Dezembro de 1954. Este liceu tinha um Clube Católico de jovens num Salão Paroquial que havia sido dedicado a Nossa Senhora de Fátima e tinha uma imagem na Igreja de Santa Maria ao lado. Elvis Presley nunca mais se esqueceu dessa primeira oportunidade que o Pároco dessa Igreja ofereceu ao artista pois foi essa actuação que o lançou na sua carreira artística. Todos os anos até falecer, o Rei do Rock n’ Roll enviava uma donativo anónimo de 10, 000 Dólares à Diocese por ocasião da Festa de Nossa Senhora de Fátima.

Foi o “Padre Ted”, um Monsenhor que costumava vir em Peregrinação a Fátima e que era amigo de Elvis desde os tempos em que esteve nas Forças Armadas, na Alemanha, quem confirmou a Carlos Evaristo, estes factos numa entrevista gravada em 1998, no Restaurante Medieval no Castelo de Ourém. Segundo o mesmo “certo ano quando a quantia ultrapassou 10, 000 dólares, o Bispo foi investigar e descobriu de que era Elvis Presley o generoso benfeitor anónimo da Diocese. A Diocese agradeceu a Elvis a sua generosidade numa carta oficial e a partir de então, Elvis passou a enviar o donativo em forma de cheque pessoal que chegava pelo Natal acompanhado de um cartão de Boas Festas assinado por ele e pelo seu Manager, o Coronel Tom Parker.

Elvis e o Coronel Parker

Em 1961 Lee Denson teve um raro reencontro com seu velho amigo na mansão de Graceland e durante o qual tocaram “The Miracle of the Rosary” juntos. Foi a primeira altura em que Lee pediu a Elvis para gravar o tema. Lee havia gravado o disco um ano antes, em 1960, e ofereceu ao Rei do Rock n’ Roll um exemplar. Nunca mais se encontraram e demorou dez anos até que Elvis Presley gravasse a canção; simplesmente para preencher o LP “Elvis Now” que precisava de mais uma faixa. Em 1971, Elvis lembrou-se que Denson e Haffert haviam-lhe escrito em 1967 a pedir que gravasse o tema nesse ano como um single para lançar em Maio pelo Cinquentenário das Aparições.

Segundo Carlos Evaristo, “Elvis era um profundo conhecedor das Aparições de Nossa Senhora em Fátima e tomou conhecimento da Mensagem através do Capelão Católico Padre Ted Malanowski, durante o tempo que passou como soldado na Alemanha.”

Em 1971, o Productor Red West ligou a Denson para anunciar que “The Miracle of the Rosary” estaria no LP mais recente de Presley e que Denson havia de receber direitos de autor, o que passou a receber até falecer.

Na entrevista a Evaristo em 2001, Lee Denson admitiu que era filho de um Ministro da igreja pentecostal, a mesma a que pertencia a família Presley, mas que na verdade, embora ele sempre tenha permanecido crente, ele não era um Cristão particularmente bom – até um dia no final da década de 1950 quando sentiu o que mais tarde descreveu como “uma poderosa força interior” surgindo em seu corpo. Ele e sua esposa Mary ficaram nervosos com a experiência e de alguma forma decidiram rezar o Terço. No dia seguinte, foram à Missa e rapidamente se converteram ao Catolicismo. Esse foi o primeiro Milagre do Rosário de Nossa Senhora de Fátima.

Seguidamente, Lee Denson abandonou a carreira artística para se dedicar à igreja, em Memphis. Em uma ocasião, em 1978, cantou “The Miracle of the Rosary” na Missa e, conforme relatos, a igreja se encheu de perfume de rosas. Entre os fiéis, estava o Arcebispo do Panamá, D. Tomas Clavel, que considerou ser um sinal “milagroso”. A história espalhou-se através do Exército Azul e, mais tarde, Denson foi convidado a cantar a sua canção na Cova da Iria, no Carmelo do Coimbra na presença da Irmã Lúcia e na igreja do Castelo de Ourém aquando da sua participação num Banquete Medieval.

Felto Jarvis e Elvis Presley

A gravação de “Miracle of the Rosary”, segundo os registos guardados por Armantine Keller e adquiridos por Carlos Evaristo, revelaram que Elvis Presley gravou o tema no Estúdio B da RCA entre 12 e 15 de Maio de 1971.

O Productor Discográfico Felto Jarvis que supervisou tudo deixou registado que “todos esperavam que as gravações para o novo LP ficassem concluídas num só dia e que os restantes dias fossem para meter a orquestração. Mas faltavam ainda alguns temas para se fechar o disco e o grupo de trabalho começou a propor vários temas até que Elvis deixou todos em silêncio ao insistir em gravar um tema que havia ensaiado a sós. The Miracle of the Rosary fora escrito por Lee Denson um compatriota das velhas Cortes de Lauderdale e que havia levado o tema pessoalmente a Elvis que manteve a intenção de o gravar no topo da agenda. Assim que trabalharam uma introdução no órgão a primeira gravação fluiu lindamente e Elvis depois conduziu os músicos nas quatro seguintes gravações que foram necessárias para completar a canção. Na noite do dia 14 para 15 de Maio, o Estúdio B havia sido decorado para uma gravação de Natal. A árvore de Natal estava lá no meio da sala decorada com caixas vazias embrulhadas a simularam presentes. Na manhã do último dia de gravações Elvis surpreendeu todos aos trazer presentes de Natal verdadeiros para os músicos e associados no projecto: pulseiras de ouro com as palavras “Elvis 71” gravadas. Toda a equipa com excepção do coro de fundo tinham trabalhado com Elvis no último projecto em Junho de 1970 e esta era a maneira de agradecer o trabalho de todos.

uma outra versão inédita da canção “The Miracle of the Rosary”, gravada por Elvis Presley acompanhado somente por um piano, a 12 de Maio de 1971, foi redescoberta em 1998 e incluído em 2002 numa edição especial de um CD produzida por Carlos Evaristo e o COFE (Clube de Fãs e Elvis em Portugal) para o Elvisfest 2002, no 25º aniversário da morte do cantor.

Denson havia dado permissão legal à Fundação Oureana para produzir uma edição limitada, não comercial do tema, contendo faixas com as três interpretações dedicadas a Nossa Senhora de Fátima; duas de Elvis Presley e a original de 1960 gravada por Lee Denson. Denson sonhava também com um novo projecto musical; um CD com 15 temas interpretados pelo próprio e dedicado aos 15 Mistérios do Rosário.

Carlos Evaristo desenhou a maqueta da capa e do rotulo do CD que foram aprovados por Denson, e também trabalhava com ele num filme de animação natalício orquestrado pelo compositor mas Lee adoeceu subitamente, tendo vindo a falecer, a 6 de Novembro de 2007 aos 75 anos de idade.

Na Missa fúnebre celebrada na igreja Católica de Santa Teresa, em Memphis, os amigos recordaram a sua devoção a Nossa Senhora de Fátima e o facto que havia conseguido que o Rei do Rock n’Roll, Elvis Presley, tivesse cantado e gravado a canção que o amigo de infância compôs para a Rainha do Céu e da Terra.

Os restos mortais de Jesse Lee Denson foram enterrados no Cemitério do Calvário da cidade de Memphis situado no Elvis Presley Boulevard. Em sua lápide está gravada uma mensagem final a Nossa Senhora de Fátima: “Obrigado mais uma vez pelo Milagre do Rosário”.

Parte de uma Carta de Denson enviada a Evaristo
Aprovação da Maqueta por Lee Denson
Maqueta do último CD de Lee Denson desnnhado por Carlos Evaristo
Sepultura de Jesse Lee Denson

IMPRENSA

A primeira divulgação desta história na Imprensa foi no Jornal Regional Diocesano de Leira;

“O Mensageiro”, a 28 de Maio de 1998.

“O Mensageiro”, 28 de Maio de 1998.
“O Mensageiro”, 28 de Maio de 1998.
The Algarve Resident, 2 de Agosto de 2002
Diário de Leiria, 5 de Agosto de 2002

A Notícia foi depois publicada no Correio da Manhã, a 12 e 13 de Agosto de 2002, em versão digital e impressa

Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
Correio da Manhã, 13 de Agosto de 2002
24 Horas, 13 de Agosto de 2002

Reportagens Posteriores

Spread the love