FUNDAÇÃO OUREANA CELEBRA 25 ANOS

A Fundação Histórico – Cultural Oureana foi fundada a 11 de Agosto de 1995 pelo benemérito americano John Mathias Haffert. É também conhecida por Fundação Fátima – Oureana ou simplesmente por Fundação Oureana (A Fundação para a Pesquisa Religiosa).

John Mathias Haffert (1915 – 2000) Fundador da Fundação Oureana

Queria o fundador do Exército Azul, o maior movimento apostólico Católico de Fátima, deixar um legado no Castelo de Ourém que demonstrasse a história de Portugal culminando no acontecimento de Fátima, as duas grandes paixões daquele que Pio XII considerou ser “o maior Apóstolo de Fátima de todos os tempos, depois da Irmã Lúcia” e “o melhor homem do mundo”.

John Haffert com Monsenhor Harold Colgan, D. João Pereira Venâncio e João Paulo II

Haffert chegou a Portugal na década de 1940, logo após a II Guerra Mundial, para escrever a primeira biografia em língua inglesa de D. Nuno Àlvares Pereira. Foi o facto do Santo Condestável ter sido III Conde de Ourém que levou o americano às terras do antigo Condado Ouriense, tendo testemunhado em Fátima um milagre de uma paraplégica, considerado o maior milagre em Fátima após 1917, que o convenceu a fundar o Movimento de Compromissos com a ajuda da Vidente de Fátima, Irmã Lúcia, de quem se tornou amigo.

Juntou-se a Haffert, um padre americano, de nome Monsenhor Harold Colgan, que havia fundado um movimento paroquial de Fátima, denominando “Exército Azul”, e assim nasceu o Apostolado Mundial de Fátima que popularmente ficou conhecido por Exército Azul após o carismático Arcebispo Norte-americano Fulton Sheen, apresentador de um dos maiores programas religiosos de televisão das décadas de 1950 e 60 ter dito; “contra o exército vermelho de moscovo, o exército azul de Fátima!”

Ao Comando do Apostolado durante 50 anos, Haffert teve um programa de televisão semanal onde chegou a entrevistar John F. Kennedy, escreveu mais de 200 livros e fundou várias revistas, tornou o movimento no maior na história da Igreja Católica com 80 milhóes de membros na época aurea. Levou também Fátima aos quatro cantos do mundo ao patrocionar duas imagens da Virgem Peregrina, esculpidas pelo Mestre José Ferreira Thedim, uma que ofereceu ao Santuário de Fátima e outra que ele próprio levou a viajar pelo mundo durante 5 décadas. Em Nova Orleans em 1972 a imagem passou vários dias a derramar lágrimas que uma equipa de cientistas ligados à NASA considerou serem de origem inexplicável e humanas.

Haffert fundou em 1947 o primeiro grande Hotel moderno de Fátima, a Domus Pacis e depois aquela que foi a maior Agéncia de Viagem de todos os tempos, a Fátima Travel que trouxe a Portugal durante 50 anos, quer directamente nos seus dois Boeing 737, ou através de outros apóstolos satelites que inspirou, cerca de 30 milhóes de peregrinos. 3.5 Milhóes dos quais levou a visitarem os 7 Castelos de Portugal da zona centro, projecto criado pelo Historiador e Colaborador de Haffert, Augusto de Mascarenhas Barreto em pareceria com a TAP e a RTP.

Hotel Domus Pacis, Fátima criado por John Haffert e pertença do Exército Azul, E.U.A.

Em 1970, com os empresários de turismo Camile Paul Berg, Rafael Palácios e Maria de Freitas, secretário de D. João Pereira Venàncio, Bispo de Leiria e Presidente do Exército Azul, fundou a Castelo de Portugal de Turísmo Lda. Agência de Viagens Portuguesa com transportes e guias de turísmo.

Mas a joia da coroa de Fátima foi para John Haffert, as suas aquisições no Castelo de Ourém onde criou o famoso Restaurante Medieval com um programa inteiramente criado e adreços desenhados por Augusto de Mascarenhas Barreto. Este restaurante comemora 50 anos deatividade desde a sua abertura.

O Restaurante Medieval no Castelo de Ourém, Fundado por John Haffert em 1970.

Foi no 25º aniversário do mais famoso Restaurante de Portugal que Haffert decidiu homenagear D. João Pereira Venâncio e Amália Rodrigues e criar uma fundação para preservar o seu legado e dar continuidade ao “Programa Medieval”que encantou quase 4 milhões de visitantes desde 1970.

Era dia de Santa Filomena, Santa Martir Romana de quem era devoto São João Maria Vianney (outro Santo de quem John Haffert era devoto) que o americano apelidado de “Mister Fátima” decidiu criar a Fundação Oureana. Ao seu lado, nesse dia para testemunharem o ato, estavam o seu compadre Carlos Evaristo que nomeou Presidente da Direcção, o solicitador António Rodrigues Vieira que preparou os Estatutos, o Conservador Adjunto António Vieira Costa e Manuel Gonçalves, filho do Ouriense aquem o americano havia comprado cerca de metade da antiga Vila Medieval que integrou no património da fundação juntamente com o Restaurante Medieval. Foi também inspirado pelo facto de D. Nuno Álvares Pereira ter acampado com as suas tropas em Ourém a 11 de Agosto de 1385 que John Haffert escolheu esse dia para criar a fundação.

Hoje o património da Fundação inclui jardins, museus e espaços de convivio e laser. Ao Município doou o Jardim D. João Pereira Venâncio, o mais fotografado pelos turistas e ao Estado ofereceu os edifícios que englobam hoje a Pousada Conde de Ourém.

Apresentou a Fundação a Portugal e ao Mundo no dia 12 de Agosto de 1995, contando com o Alto Patrocínio do Conde de Ourém, D. Duarte Pio de Bragança, amigo de longa data de Haffert e que hoje faz parte do Conselho de Curadores da Fundação e tendo como Madrinha, Amália Rodrigues que nesse dia homeangeou com o título de Rainha do Fado com que encerrou sua carreira artistica. No mesmo dia Haffert e Amália criaram o Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado como o primeiro departamento da Fundação criado para difundir o Legado da Fadista que decidiu, mais tarde, a exemplo de Haffert, a quem chamava carinhosamente de “Offered” pelo muito que ofereceu a Portugal e ao Mundo, fundar a sua própria Fundação tendo como modelo os Estatutos da Oureana.

John Haffert criou a Fundação Oureana e o Departamento “Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado no 25º Aniversário do Restaurante Medieval.

Outros patronos da instituição foram a Irmã Lúcia, a Madre Teresa de Calcutá e Roberto Leal. Este último, juntamente com o cantor Emanuel e Elvis Presley, receberam o prémio de carreira da fundação mas já depois da morte de Haffert que teve lugar a 31 de Outubro de 2000, véspera de Todos os Santos.

A Fundação Oureana toma o seu nome da figura lendária Ouriense de uma Princesa Moura encantada chamada “Fátima” tida como tendo sido Senhora do Castelo de Ourém após o seu casamento com o Cavaleiro Cristão Dom Gonçalo Hermingues. Ao converter-se ao Cristianismo terá tomado o nome de “Aureana” ou “Oureana” que deriva de Santa Aurea e deixando seus nomes nos topònimos de “Fátima” e “Ourem”. É esta figura lendária que personifica as duas cidades do Concelho Ouriense e que simboliza a missão Histórica e Cultural da Fundação Fátima – Oureana.

Em 1962, a pedido de John Haffert, o Pintor Surrealista Salvador Dalí incluiu a imagem de Fátima – Oureana vestida de branco e a erguer uma cruz na mão enquanto caminha do Castelo de Ourém na pintura da Visão do Inferno em Fátima. Sua imagem também faz parte do tableaux de figuras do teatro em pantomima que conta as lendas dos Espíritos do Castelo de Ourém durante o Programa Medieval “Banquete dos Reis” iniciado no Restaurante Medieval Oureana da Fundação em 1970 e visto por mais de 3.5 milhões de visitantes.

O Brasão de Armas da Fundação Oureana foi concebido em 1969 por John Mathias Haffert e o desenho original executado a tinta por Augusto de Mascarenhas Barreto. Foi oficialmente reconhecido em 1973 por Dom Duarte de Bragança, Duque de Bragança e Conde de Ourém na qualidade de Chefe da Casa Real Portuguesa e até 1995, passou a ser usado pela firma “Castelos de Portugal Turismo Lda.”

Com o fim de actividade da firma Castelos de Portugal Turísmo Lda. este Brasão de Armas foi confirmado à Fundação Histórico – Cultural Oureana, a 12 de Agosto de 1995, por Motu Próprio de Sua Alteza Real Dom Duarte de Bragança, actual Conde de Ourém, na sua qualidade de Chefe da Casa Real Portuguesa.

A versão actual do Brasão de Armas da Fundação Histórico – Cultural Oureana é da autoria do Desenhador Heráldico Mathieu Chaine.

A fundação tem como Protectores eclesiásticos o Bispo Dom Manuel António Mendes dos Santos, o Cardeal Dom José Sariava Martins e tem como Capelães o Padre Carlo Cecchin e enteriormente os Padres John Mariani, Carlos Querido da Silva e o Monsenhor José Geráldes Freire.

A Fundação tem um departamento cultural e turístico, um departamento artistico, musical e desportivo, apoiando vários apostolados, associações e institutos religiosos para além da Sociedade Filarmónica Ouriense, a Paróquia local e angaria fundos para várias obras de beneficência através da Real Confraria do Santo Condestável e a Real Confraria Enófila e Gastronómica Medieval – Instituto D. Afonso, IV conde de Ourém.

A Fundação já realizou dezenas de produções televisivas, documentários e filmes e editou mais de 150 obras, pesquisas, estudos e pareceres especializados com o apoio do Gabinete dos Museus do Vaticano.

Mantém um arquivo / biblioteca com milhares de documentos e ediçóes raras e ainda a Regalis Lipsanotheca a maior colecção de relíquias a seguir ao Vaticano e especializada no restauro e autenticação de reliquias dos Santos, apostolado fundado por Carlos & Margarida Evaristo, Thomas Serafin e o Padre Carlo Cecchin.

A Fundação mantém a Exposição Nacional do Santo Condestável através de protocolo celebrado com a Fundação da Batalha de Aljubarrota – CIBA e o Museu Mariano Memorial Armand James Williamson – Marian Museum.

De outros protocolos também celebrados com fundações homólogas tais como a Fundação D. Manuel II e a Fundação Amália Rodrigues e também museus e municípios têm resultado mais de 50 exposições em sitos como a Bibioteca Nacional e outros lugares emblemáticos e o apoio à conservação e restauro de monumentos nacionais.

A Fundação também, mantém a Casa de Velório da Freguesia e angaria fundos directamente para várias causas incluindo os pobres e orfãos da Diocese de São Tomé e Principe. Também já atribuiu prémios, bolsas de estudo e patrocìnios de vários restauros.

A Fundação Oureana convidou o Dalai Lama a visitar Portugal pela primeira vez e vir a Fátima rezar pela Paz e organizou também conferências, colóquios e seminários internacionais.

A Fundação mantém também delegações em várias partes do mundo e é chamada com frequência a fazer-se representar em eventos e cerimónias oficiais Portuguesas e estrangeiras incluindo a Canonização de São Frei Nuno de Santa Maria cujo processo a mesma promoveu e apoiou.

11 de Agosto de 2020

FONTE: https://www.mundoportugues.pt/fundacao-oureana-celebra-25-anos/?fbclid=IwAR3AaFjzYaMv1KroLpXDk2xGMGn-KcHQa6H34ob6qpIS6E2bPw9VcQzx8d4

Share

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *