SANTO GRAAL – O cálice usado por Jesus na Última Ceia está na Catedral de Valência

May be an image of 3 people
O perito em Relíquias Carlos Evaristo examina o Santo Graal na Catedral de Valência na companhia do Zelador Don Jaime Sancho Andreu, do Realizador Paul Perry e de Don José Leto Melero Crespo (Vice-Presidente Confradia del Santo Caliz de Valencia.

O Santo Cálice, conhecido desde a tradição medieval como o Santo Graal, é uma das relíquias mais sagradas de sempre e tem inspirado numerosas histórias na literatura e no cinema. Será verdade que esta peça esteve nas mãos de Cristo? Conheça aqui a sua história e onde ainda hoje o contemplar.

A palavra graal deriva provavelmente do Latim gradalis, que significa jarra, recipiente, e refere-se ao cálice de vinho que Jesus usou durante a Última Ceia.

El Santo Cáliz de Valencia | Reliquiosamente

Tanto os Evangelhos sinóticos (Mateus, Marcos e Lucas) como São Paulo, na Primeira Carta aos Coríntios, mencionam que Jesus usou um cálice na Última Ceia com os seus discípulos: «Em seguida, tomou um cálice, deu graças e entregou-lho. E todos eles beberam» (Mc., 14,23), e «do mesmo modo, depois da Ceia, tomou também o cálice, dizendo: “Este cálice é a Nova Aliança no meu sangue; todas as vezes que beberdes dele, fazei-o em memória de Mim”» (1Cor., 12,25-26). Mas as informações sobre o paradeiro desse cálice encontramo-las na famosa Legenda Áurea (Lenda Dourada), uma colectânea sobre a vida e as histórias dos santos, elaborada por volta de 1260 pelo dominicano Tiago de Voragine, e que teve um grande sucesso na Idade Média. Aqui é-nos dito que São Pedro teria levado o Santo Graal para Roma, onde permaneceu por cerca de dois séculos e foi utilizado pelos Papas na liturgia eucarística. Sendo o maior indício disso a oração eucarística primeira (ou cânone romano) em que o sacerdote diz ao consagrar o vinho, referindo-se a Jesus: «Tomou este sagrado cálice em suas santas e adoráveis mãos».

SANTO GRAAL
O Santo Graal – Cálice da Última Ceia de Cristo venerado na Capela da Catedral de Valência,

No ano 258, o 24.° sucessor de Pedro, o Papa Sisto II, recusando ao imperador Valeriano oferecer um sacrifício pagão no templo de Marte, antes de ser martirizado encarregou o diácono Lourenço, tesoureiro da Igreja, de dispor dos tesouros da Igreja como julgasse melhor. Por isso, o diácono Lourenço foi martirizado por não ter entregado ao imperador os bens da Igreja, mas os ter distribuído pelos pobre de Roma. No século seguinte, o imperador Constantino mandou construir um oratório no local da sepultura de São Lourenço que mais tarde veio a tornar-se numa das basílicas papais de Roma. Num dos frescos da basílica, destruído pelos ataques durante a Segunda Guerra Mundial, em 1943, um soldado ajoelhado recebia um cálice das mãos de São Lourenço e outro soldado testemunhava a cena, e ambos teriam recebido a missão de levar a relíquia para um lugar seguro.

A tradição diz que este dois soldados romanos cristãos são os primeiros cavaleiros do Santo Graal e que foram bem sucedidos na missão que lhes foi confiada: levar o Santo Cálice para a casa dos pais de São Lourenço, nos arredores de Huesca, em Espanha, e que Orêncio e Paciência, juntamente com o seu irmão gémeo, se tornaram os guardiães do cálice da Última Ceia.

Historia
O Santo Graal é somente a copa superior do Cálice.

Em 533 a relíquia terá passado para a catedral de Huesca e aí custodiada. Por causa da invasão moura em 711, o Santo Cálice terá sido levado pelo bispo Adalberto para não cair nas mãos dos inimigos da fé cristã, e foi passando por várias igrejas até chegar ao mosteiro de São João da Penha, a cerca de trinta quilómetros de Huelva. Em 1399, o rei Martinho terá exigido a relíquia e em troca ofereceu ao mosteiro um cálice de ouro. O Santo Graal foi assim levado para a capela do palácio de Aljafería, em Saragoça, e duas décadas depois foi levado para a residência real em Barcelona. Afonso V pediu um empréstimo à Igreja para custear as guerras da expansão do reino e deu como garantia a relíquia do Santo Cálice. Impedido de saldar a dívida, o tesouro real, incluindo o Santo Cálice, foi entregue ao cabido da catedral de Valência, em 1437, e o cálice era utilizado apenas na Quinta-feira Santa pelo arcebispo. Em 1809, por causa das invasões napoleónicas, o Santo Cálice teve de ser levado, mas regressou à catedral de Valência. Durante a guerra civil espanhola, em 1936, a catedral de Valência foi saqueada e incendiada, mas a relíquia foi preservada. Esta foi ainda cobiçada pelo regime nazi, mas mais uma vez o Santo Cálice foi escondido e restituído novamente à catedral de Valência, onde ainda hoje se encontra e pode ser visto numa das capelas medievais rebatizada com o nome de Capela do Santo Cálice.

O aspecto que o actual cálice tem não é o original, apenas a copa superior (em ágata polida, de origem oriental e datada entre os anos 100 e 50 antes de Cristo) é considerada aquela usada por Jesus. A base, decorada com duas esmeraldas, dois rubis e 27 pérolas, bem como a haste, o nó central e as duas asas laterais tem um estilo de ourivesaria árabe de Sevilha ou de Córdoba, e são acrescentos posteriores.

O aspecto actual como Cálice despois de adicionada uma base e duas pegas.

Outro itinerário do Santo Graal, diferente do da Lenda Dourada, desde a sala da Última Ceia até à catedral de Valência, é referido por Carlos Evaristo e Fábio Tucci Farah na obra “Relíquias Sagradas” (Paulus Brasil, 2020), tendo por base dois pergaminhos encontrados no Cairo, documentos do Século XI escritos por Al-Qifti, e as pesquisas da especialista Catalina Martin Lloris: «O Santo Graal não teria sido carregado a Roma por São Pedro. Nem enviado secretamente a Huesca por São Lourenço. Ele teria permanecido alguns séculos em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, onde seria venerada por Egéria, o Venerável Beda e inúmeros outros peregrinos. E desembarcaria na Península Ibérica pela mediação diplomática do emir de Dénia».

Mas o Santo Graal é muito mais do que história e mistério, é símbolo do maior dom que Cristo deixou à Humanidade: a Eucaristia. Por meio desta, somos regenerados no corpo e na alma, acolhendo Cristo que Se faz alimento para nós. A Eucaristia que é celebrada todos os dias em qualquer parte do mundo é o verdadeiro Santo Graal que produz efeitos de santidade em nós.

João Paulo II e Bento XVI celebraram com o Santo Cálice

João Paulo II presidiu à ordenação sacerdotal de 141 diáconos, em Valência, em 8 de Novembro 1982, mas antes venerou e na Eucaristia usou o Sagrado Cálice.

Na homilia exortou os ordenandos: «Será a Eucaristia vértice do vosso ministério de evangelização, ápice da vossa vocação orante, de glorificação de Deus e de intercessão pelo mundo. E pela comunhão eucarística há de consumar-se dia após dia o vosso sacerdócio».

Juan Pablo II en la Catedral ~ Catedral de Valencia
O Papa São João Paulo II examina o Santo Graal em 1982.
Imágenes de Juan Pablo II en la Catedral de Valencia ~ Catedral de Valencia
O Papa São João Paulo II venera o Santo Graal com um beijo.

Também Bento XVI, em 2006, visitou Valência, celebrou a missa de encerramento do Encontro Mundial das Famílias com o Santo Cálice e na oração do Angelus, no dia 8 de Julho de 2006, referiu que «ao chegar a Valência, quis visitar primeiramente o lugar que representa o centro desta antiquíssima e florescente Igreja particular que me recebe: a sua bela catedral, onde rezei diante do Santíssimo Sacramento e me detive diante da famosa relíquia do Santo Cálice».

Em Fátima, a 13 de Maio de 2000, o Papa São João Paulo II usou uma réplica do Santo Graal durante a celebração da Missa. O Papa Bento XVI também usou o Santo Graal em Valência, durante uma Missa a 8 de Julho de 2006.

JOSÉ CARLOS NUNES

9 de Julho de 2021

Jornal O Clarim

FONTE: Família Cristã / O Clarim (Macau)

Duque de Bragança celebrou Jubileu da Ordem de São Miguel da Ala em Quieve, Ucrânia e inaugurou Delegação da Real Irmandade

May be an image of sky and monument

O Grão-Mestre Nato da Ordem de São Miguel da Ala, Dom Duarte Pio, Duque de Bragança esteve em Quieve, Ucrânia nos passados dias 27 a 30 de Maio de 2021 a fim de inaugurar a mais recente Delegação da Real Irmandade.

O Duque de Bragança à chegada à Paróquia do Capelão da Delegação.

Canonicamente Erecta pelo Bispo de São Tomé e Príncipe, esta Real Irmandade da Ordem de São Miguel da Ala, (uma de oito que fazem parte da Federação) e através das quais são admitidos membros Professos (Católicos) e Honorários (Não Católicos) na Ordem da mesma Soberana Invocação, abriu uma nova Delegação Ucraniana tendo recebido o “Nihil Obstat” e “Imprimatur” de todos os Bispos da Conferência Episcopal Católica da Ucrânia que também aceitaram pertencer à Ordem como Capelães e conferir o seu Patronato à Associação de Fiéis que este ano comemora 20 anos.

D. Duarte de Bragança entrega cópia do Decreto do Papa Francisco ao novo Capelão.

A nova Delegação goza também da aprovação e registo no Governo para assim poder operar com a sua antiga dupla espiritualidade, de Ordem “Monástica” e “Militar”, natureza essa vinda da Ordem medieval fundada por D. Afonso Henriques e cujo cariz foi reconhecido e vem referido no Decreto Pontifício do Ano Jubilar 2021 – 2022 emitido pelo Papa Francisco nos 850 anos da Ordem de São Miguel da Ala.

À chegada a Quieve, na Quinta-feira dia 27 de Maio, Sua Alteza Real, o Duque de Bragança, foi conduzido à Catedral Católica de São Miguel onde foi feita a Proclamação da Delegação do Ano Jubilar da Ordem de São Miguel da Ala, pelo seu Capelão. Seguidamente foram lidas as Indulgências levadas pelo Grão-Mestre em nome do Capelão Geral, o Bispo D. Manuel António Mendes dos Santos, a serem lucradas também na Ucrânia, nos dias festivos do Arcanjo, tal como foi Decretado por Sua Santidade o Papa Francisco.

Sua Alteza Real com os novos Capelães.
O Grão-Mestre cumprimenta o primeiro Cavaleiro da Delegação Ucraniana.
Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-20.png
O Duque de Bragança investe os membros da Mesa da Delegação.

Ainda antes do jantar privado de recepção e boas vindas ao Grão-Mestre oferecido pela Mesa da Delegação, D. Duarte de Bragança investiu os membros da Mesa da Delegação que é chefiada pelo Delegado Dr. Oleg Jaross, um dedicado membro da Ordem de longa data.

O Duque de Bragança com os primeiros Capelães e Cavaleiros da Ordem na Ucrânia.
Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-21.png
O Duque de Bragança com Delegado e os membros da Mesa da nova Delegação.

Na Sexta-feira, dia 28 de Maio, foi a vez do Duque de Bragança ser recebido oficialmente pelos representantes da Conferência Episcopal Católica da Ucrânia na Catedral de Santo Alexandre em Quieve.

O Duque de Bragança é recebido pela Delegação da Conferência Episcopal.
O Duque de Bragança em conversa com os membros da Delegação da Conferência Episcopal.
O Duque de Bragança recebe um ícone pintado de São Miguel Arcanjo.
O Duque de Bragança admira o ícone de São Miguel Arcanjo oferecido pelos Bispos.
O Grão-Mestre entrega aos Delegados da Conferência Episcopal os diplomas da Real Irmandade a serem entregues aos Bispos Ucranianos em cerimónia privada no dia seguinte.

O Grão-Mestre da Ordem de São Miguel da Ala, agradeceu o ícone e seguidamente entregou aos Delegados da Conferência Episcopal, os Diplomas para Nûncio Apostólico e todos os Bispos da Conferência Episcopal Ucraniana que aceitaram pertencer à Ordem e Real Irmandade como Membros Capelães Grã-Cruzes e Patronos. Os Bispos seriam investidos numa cerimónia privada no dia seguinte na presença do Grão-Mestre.

D. Duarte conversa através de interprete com vários Bispos Ucranianos após as Investiduras.

Ainda antes do almoço, teve lugar uma visita de D. Duarte à cidade de Quieve, seguida de uma recepção oferecida por altas dignidades civis e eclesiásticas a que se seguiu um almoço de convívio.

Entre as 17:00 e 19:00 horas, realizou-se a Investidura Oficial na Ordem dos Bispos da Conferência Episcopal da Igreja Católica pelo Chefe da Casa Real, seguido de um jantar de gala em homenagem ao Grão-Mestre com a presença de autoridades Eclesiásticas e de Estado.

Imagem de São Miguel na Igreja Ortodoxa.
D. Duarte visitou a Igreja de São Migue a convite da comunidade Ortodoxa.

Durante a visita, o Duque de Bragança, a convite da comunidade Ortodoxa deslocou-se também à Igreja Ortodoxa de São Miguel.

No Sábado, 29 de Maio, o Senhor D. Duarte visitou a Catedral de Santa Maria de Quieve, onde pelas 12:00 horas assistiu à Missa Solene do Capítulo da Delegação da Real Irmandade de São Miguel da Ala com as Investiduras de Patronos e novos Membros Confrades da Delegação R.I.S.M.A. e também procedeu à condecoração de Altos Dignitários, Damas e Cavaleiros R.O.S.M.A.

O Duque de Bragança à entrada para a Catedral.
O Duque de Bragança investe o Deão da Catedral durante a Missa de Investiduras.

Durante a Missa, o Delegado R.I.S.M.A. relembrou a todos presentes que a Celebração do Jubileu de São Miguel coincide com o 700º Aniversário da Ereção da Diocese de São Miguel Arcanjo de Quieve-Zhytomyr e o 30º Aniversário da Restauração da Igreja Católica na Ucrânia após a sua proibição durante a ocupação Soviética.

As Insígnias da Ordem de São Miguel da Ala registradas para uso dos membros da Delegação Ucraniana relembram o Xacobeu 2021 – 2021 com a concha dos Peregrinos de Santiago de Compostela.
O Deão da Catedral e membros da Mesa assistiram o Grão-Mestre durante as Investiduras.

Depois da Missa, pelas 13:00 horas, celebrou-se um almoço de gala e convívio do Capítulo da Delegação, seguido de um passeio turístico pela cidade com a visita do Grão-Mestre à Igreja e Mosteiro entregue pela Diocese à Delegação R.I.S.M.A. para servir de Igreja e Sede da mesma e o Mosteiro para o complemento monástico e militar da Ordem na Ucrânia.

A reconstrução da Igreja e obras de readaptação do Mosteiro e residências agora entregues à Delegação, será um projecto patrocinado em parte pela R.I.S.M.A. com o apoio de militares R.I.S.M.A. ucranianos e de vários países que queiram apoiar a obra Diocesana.

O Duque de Bragança de visita às obras na Sede da Delegação.

A reconstrução da Igreja e Mosteiro agora entregues à Delegação, será um projecto patrocinado com o apoio de militares R.I.S.M.A. Ucranianos e de vários países que queiram apoiar a obra.

A vista do telhado da Sede da Delegação com a zona residência vizinha em construção.

Quanto à ala castrense da Ordem, o Duque de Bragança foi informado de um Protocolo que vai ser assinado entre a Diocese, a Delegação R.I.S.M.A. e várias Arquidioceses Militares para apadrinharem a iniciativa que pretende integrar a ala monástica contemplativa e os militares na zona residencial na Real Irmandade para a santificação pessoal dos mesmos, invocando São Miguel como Protector das Forças Armadas e da Cidade e Diocese de Quieve.

Portão principal de entrada para o complexo Monástico e Militar da Sede da R.I.S.M.A..

O dia bastante preenchido terminou com um jantar privado do Grão-Mestre com os novos membros da Mesa da Delegação e alguns benfeitores.

Entrada para o complexo Monástico da Sede da R.I.S.M.A..

Finalmente no Domingo, dia 30 de Maio, antes de regressar a Portugal, o Duque de Bragança visitou oficialmente a Universidade Pedagógica Nacional Dragomanov, Quieve, Ucrânia onde foi recebido na qualidade de Professor Honorário e Patrono da Faculdade de História, conforme consta de um artigo anteriormente publicado neste Site.

D. Duarte antes da visita à Universidade Pedagógica Nacional Dragomanov de Quieve.
Dom Duarte de Bragança na Universidade Pedagógica Nacional Dragomanov, Quieve, Ucrânia

30 de Maio de 2021

R.I.S.M.A. Gala raises 4 K USD in support of Archdiocese for Military Services of the United States of America

No description available.
Members of the Royal Brotherhood of the Order of Saint Michael of the Wing of the Archdiocese for Military Services of the United States of America

The Royal Brotherhood of the Order of Saint Michael of the Wing of the Archdiocese for Military Services of the United States of America hosted on September 18th, a formal Gala Reception to benefit the Archdiocese for Military Services in D.C., USA, with the presence of Patron Protector of the RISMA Archbishop Timothy Broglio.

The event was part of the 850th Jubilee celebrations of the one and only genuine Military, Monastic and Dynastic, Royal Order of Saint Michael of the Wing as decreed by Pope Francis for the year 2021 – 2022.

H.R.H. Dom Duarte. Duke of Bragança, the Hereditary Grand Master of the Order gave a special address via skype during the event.

No description available.
The Hereditary Grand Master of the Order addressing the Members of the Royal Brotherhood

ADDRESS OF H.R,H, THE DUKE OF BRAGANÇA GIVEN AT THE SEPTEMBER 18TH, 2021 DINNER GATHERING OF THE AMS RISMAON OCCASION OF THE SMA 850TH ANNIVERSARY JUBILEE AND 20th ANNIVERSARY OF THE CANONICAL ERECTION OF THE FIRST ROYAL BROTHEHOOD

Your Excellency  Archbishop Timothy Broglio,

Esteemed Judge of the Royal Brotherhood of Saint Michael of the Wing Stephen Besinaiz and Members of the Board,

Brothers and Sisters of the Royal Brotherhood of Saint Michael of the Wing,

Knights, Dames of the Portuguese Royal House,

Supporters and Guests,

Your Excellency,

Honorable friends, distinguished ladies and gentlemen, Knights and Dames,

It is with a sad heart that I am unable to attend this year’s event in the United States on occasion of the 850 Jubilee of the Order of Saint Michael of the Wing as decreed by Pope Francis with grant of special Indulgence,

My Godfather at Baptism, Pope Pius XII once wrote of Portugal: “Of all the Nations, only Portugal was called to be Apostolic”, and this is true for we can see from history the role that Portugal played in the spread of the Faith in Christ and also in the missionary work it promoted for the care of those who were in desperate need.

We continue this work through our 850 year old Order, today a Brotherhood that stands strong for 20 years.

We provide for basic needs in the true Spirit of Christian Charity.  In this effort to help the poor and the missions of the Military Archdiocese we count on the regular contribution of the Knights and Dames of the Portuguese Royal House that support the Dioceses directly or the various charitable and cultural projects carried out by the Foundations and Institutes under our royal Patronage.

The Brotherhoods are today Diocesan Institutions under the Patronage of the Royal House and whose members (professed or Honorary) by proposal of the local Bishop, Chaplain or Judge can be invested in the Royal Order of the Wing of Saint Michael, the oldest chivalric Order of Portugal.

Today primarily in recognition of the charitable works in favor of the Missions and the poor, Knights and Dames are called to make greater sacrifices to raise and send funds, medication, and supplies to help those in dire need and aid orphans in São Tomé.

A Royal Brotherhood has been Canonically-erected by His Excellency Archbishop Timothy Brogilo, for the Archdiocese for Military Services (AMS) with the Archbishop as Ecclesiastical Patron and Spiritual Protector in the United States. Its Members largely are veterans or Active, Reserve, or Retired US members of the Armed Forces who also support the needs of the Archdiocese

I join His Excellency in thanking you for holding this post COVID19 dinner event and thank all of you for your generosity.

My condolences to Steve Besinaiz who is not present because of  the passing of his Father in law.

I hope to see you all again soon in the USA, in Alcobaça, Portugal or Santiago de Compostela, Spain.

God Bless you and Our Lady of Fatima and Saint Michael protect you!

No description available.
Archbishop Timothy Broglio thanked the Duke of Bragança and the Members of the Order

The Gala which has the institutional support of the D. Manuel II and Oureana Foundations, raised a total of 4,000 Dollars for the Catholic Mission effort of the Military Archdiocese and in aid of retired veterants.

No description available.
Archbishop Timothy Broglio receives the Cheque for 4000 Dollars from the Acting Judge of the Royal Brotherhood filing in for Col. Stephen Besinaiz who could not attend due to the death of his father-in-law
https://www.facebook.com/249970868431597/videos/917078212532938

18 de Setembro de 2021

Ordem de São Miguel da Ala angariou 4000 Dólares para a Arquidiocese para os Serviços Militares dos Estados Unidos da América através da Real Irmandade

O Arcebispo Timothy Broglio recebe o cheque de 4.000 dólares do Juiz em exercício da Real Irmandade em representação do Coronel Stephen Besinaiz, que não pôde comparecer devido à morte de seu sogro

A Real Irmandade da Ordem de São Miguel da Ala da Arquidiocese para os Serviços Militares dos Estados Unidos da América realizou no passado dia 18 de Setembro, uma Recepção de Gala para beneficiar a Arquidiocese para os Serviços Militares em D.C., EUA, com o Presença do Patrono e Protector da R.I.S.M.A., Arcebispo Timothy Broglio.

O evento fez parte das Celebrações do Jubileu do 850º aniversário da Real Ordem Militar, Monástica e Dinástica de São Miguel de Ala de acordo com o decreto do Papa Francisco para o ao 2021-2022.

Sua Alteza Real Dom Duarte, Duque de Bragança, Grão-Mestre Nato da Ordem enviou uma mensagem especial via skype durante o evento.

O Arcebispo Timothy Broglio agradeceu ao Duque de Bragança e aos Membros da Ordem

MENSAGEM DO DUQUE DE BRAGANÇA NO JANTAR DE 18 DE SETEMBRO DE 2021 JPOR OCASIÃO DO JUBILEU DO 850º ANIVERSÁRIO DA REAL ORDEM DE SÃO MIGUEL E DO 20º ANIVERSÁRIO DA REAL IRMANDADE

Vossa Excelência; Arcebispo Timothy Broglio,

Estimado Juiz da Fraternidade Real de São Miguel de Ala Stephen Besinaiz e membros da Direcção,

Irmãos e Irmãs da Real Irmandade de São Miguel da Ala,

Damas e Cavaleiros da Casa Real Portuguesa,

Apoiantes e Convidados,

Vossa Excelência,

Honoráveis ​​amigos, distintas senhoras e senhores, cavaleiros e damas,

O Grão-Mestre Hereditário da Ordem dirigindo-se aos Membros da Real Irmandade

É com tristeza que não posso comparecer ao evento deste ano nos Estados Unidos por ocasião do Jubileu dos 850 da Ordem de São Miguel de Asa, decretado pelo Papa Francisco com concessão de indulgência especial.

O meu padrinho de baptismo, o Papa Pio XII escreveu uma vez sobre Portugal: “De todas as nações, só Portugal foi chamado a ser apostólica”, e isto é verdade porque podemos ver na história o papel que Portugal desempenhou na difusão da Fé em Cristo e também no trabalho missionário que promoveu para o cuidado daqueles que se encontravam em necessidade desesperada.

Continuamos este trabalho por meio de nossa Ordem de 850 anos, hoje uma Irmandade de 20 anos que permanece forte.

Atendemos as necessidades básicas no verdadeiro Espírito de Caridade Cristã. Neste esforço de ajuda aos pobres e às missões da Arquidiocese Militar contamos com o contributo regular dos Cavaleiros e Damas da Casa Real Portuguesa que apoiam directamente as Dioceses ou os diversos projectos de caridade e culturais desenvolvidos pelas Fundações e Institutos ao abrigo nosso patrocínio real.

As Irmandades são hoje Instituições Diocesanas sob o Patrocínio da Casa Real e cujos membros (Professos ou Honorários) por proposta do Bispo, Capelão ou Juiz local podem ser investidos na Real Ordem da “Asa” de São Miguel , a mais antiga Ordem de Cavalaria de Portugal.

Hoje, principalmente em reconhecimento às obras de caridade em favor das Missões e dos pobres, Cavaleiros e Damas são chamados a fazer maiores sacrifícios para enviar fundos, medicamentos e suprimentos para ajudar aqueles em extrema necessidade e ajuda aos órfãos em São Tomé.

Uma Real Irmandade foi canonicamente erecta por Sua Excelência o Arcebispo Timothy Brogilo, para a Arquidiocese para os Serviços Militares (AMS), com o Arcebispo como Patrono Eclesiástico e Protetor Espiritual nos Estados Unidos. Em sua maioria, seus membros são veteranos ou membros ativos, da reserva ou aposentados das Forças Armadas dos Estados Unidos que também apoiam as necessidades da Arquidiocese.

Eu me uno a Sua Excelência em agradecer a vocês todos por realizarem este jantar pós-COVID19 e agradeço a todos a sua generosidade.

Minhas condolências a Steve Besinaiz, que não está presente devido ao falecimento de seu sogro.

Espero vê-los novamente em breve nos Estados Unidos da América, em Alcobaça, Portugal ou em Santiago de Compostela, Espanha.

Deus vos abençoe e Nossa Senhora de Fátima e São Miguel vos proteja!

A Gala que conta com o apoio institucional das Fundações D. Manuel II e Oureana arrecadou um total de 4.000 dólares para o esforço da Missão Católica da Arquidiocese Militar e em auxílio aos veteranos aposentados.

Membros da Real Irmandade da Ordem de São Miguel da Ala da Arquidiocese para os Serviços Militares dos Estados Unidos da América

https://www.facebook.com/249970868431597/videos/917078212532938

18 de Setembro de 2021

Fatima Vision of Hell helped Salvador Dali return to God

By Barb Ernster

Salvador Dali is considered one of the greatest artists of the 20th century and the most famous Surrealist. At the height of his popularity in 1960, he was commissioned by The Blue Army of Our Lady of Fatima to paint the Vision of Hell, as Lucia, Jacinta and Francisco experienced during the July 13, 1917, apparition at Fatima. The idea for the painting came from a Protestant who, having read about the vision from Sister Lucia’s memoirs, converted to Catholicism and entered the seminary. The thought was that Dali could reach young people and unbelievers far more effectively with this message than any sermon on Sunday morning or story about saints. This commission would change Dali’s life and work, and lead him from his avowed atheism back to his Catholic roots.

Dali grew up in Spain near the border of France in Catalonia. His father was an anti-clerical, atheist and his mother a devout Roman Catholic. Born just nine months after his brother, also Salvador, died, he was often told by his parents that he was his reincarnated brother. Having to juggle between the influences of belief and unbelief in God, Dali grew up confused and uncertain, stating once, “Heaven is to be found exactly in the center of the bosom of the man who has faith. At this moment I do not yet have faith, and I fear I shall die without heaven.” 

Dali’s fame grew throughout the ‘30s and ‘40s and he became an immediate sensation in the U.S. after his first exhibition there in 1934. His famous painting, The Persistence in Memory, with the image of melting pocket watches, helped define his method of creativity and surrealism, the “paranoiac-critical method.”  Dali’s creativity arose from images he drew from the subconscious as he fell into a state of semi-wakefulness, or hypnogogy.

Throughout his life, Dali struggled with the idea of his own death, a fear he could not overcome. He studied new discoveries related to the third dimension, which led him to seek access to the fourth dimension and immortality.  His works are permeated with themes of eroticism, death and decay, but also religious themes and subjects related to scientific progress. 

He was 55 when he was approached by The Blue Army to paint the Vision of Hell.  Blue Army co-founder John Haffert had received a letter from the seminarian encouraging him to approach Dali with the idea. He also put up his life’s savings to pay for it. Haffert met with Dali in the New York hotel where he was staying and told him about The Blue Army’s mission to spread the message of Fatima. He read him the story of Fatima from Lucia’s writings and the description of the Vision of Hell.

“It’s up to you to present this Vision truthfully and vividly,” Haffert told him. “You are being chosen to be Our Lady’s artist. A visual interpreter for God.”

Dali listened intently, then ordered a plate of escargot. When it arrived, he began to probe the snails with escargot forks, explaining to Haffert that the great artists always used pitchforks to depict the devils in hell, but he would use escargot forks instead.  “The soul of a sinner is like a snail,” he explained. “It curls and cowls up in the shell and the only way to retrieve it is by using an escargot fork!”

The two of them settled on a commission fee and signed an agreement on a paper napkin. 

Dai and John Haffert

Haffert set out to try to get a meeting between Dali and Sister Lucia, who in 1960 was a cloistered Carmelite nun in Coimbra, Portugal. He was not having any success, even after writing to her personally.  Dali told Haffert it was no problem. He would study what she said about the Vision and put together his own vision, telling him, “I will paint what I see.”

For over a year, Dali poured over Lucia’s description of the Vision of Hell and searched his subconscious for imagery, to no avail. Haffert suggested he go to Fatima for inspiration. Part of Dali’s problem was he did not know how to present the Blessed Virgin Mary. His wife, Gala, was always the face of the women in his paintings.

At Fatima, he was brought directly to the spot where the Blessed Mother appeared and where the children saw the earth open revealing hell.  The key to understanding the Vision of Hell, he was told by his guide, Canon Jose Galamba de Oliveira, was the appeal for conversion. And the Immaculate Heart of Mary is sign of hope for all who respond to her message of conversion.

Through Galamba’s influence, Dali was finally able to meet with Sister Lucia during this trip. He spent a short time with her, conversing through the bars of the parlor grill. Dali would later comment how special it felt to “breath the same air as a future saint,” like being in a heavenly presence. Dali finally had the inspiration to paint the Vision of Hell.

Before leaving Fatima, Dali asked Canon Galamba to hear his confession.  Galamba later told Haffert, it was “the most moving, sincere and profound confession” he had ever heard in his many decades as a priest.

A Vision Like No Other

Monsignor Harold Colgan and Dali

On March 13, 1962, Haffert received notice that the painting was finished and Mr. Dali wanted to present it to him. He was not able to be there at the time, but Msgr. Harold Colgan, Haffert’s co-founder of The Blue Army, went in his stead. From the look on his face when the painting was revealed, Msgr. Colgan was shocked at the Vision according to Dali. It was not what he expected.

The Vision of Hell

However, upon further study and examination, it is believed that Dali portrayed himself in the vision and painted his own conversion. It shows a dying person, his soul translucent red, tortured and tormented by demons in hell who probe him with escargot forks, trying to extract his soul. The fissured earth opens beneath to the place of hell. The Blessed Mother above, in anguish, revealing her sorrowful and loving heart before the horror of a soul being lost. A lone figure holds up a crucifix to heaven in prayer.

The Fatima children said they would have died of fright at the Vision of Hell if Mary had not been with them. She told the children, “You have seen hell where the souls of sinners go. To save them, God wishes to establish in the world devotion to my Immaculate Heart.”  During the August apparition, she implored them, “Pray, pray very much, for many souls go to hell because they have no one to pray for them.”

No one knows what Sister Lucia said to Dali after his brief visit with her, but she had a knack for saying exactly what someone needed to hear to return to God, including hardened Communists. She must have helped him know the love of God and the Blessed Mother as well, and that her Immaculate Heart is a refuge for sinners. Dali did not use Gala as his model for the face of Mary in his picture.  He returned to his Catholic roots and belief in God and faced his mortality.

When Sister Lucia finally saw his painting of the Vision in 1997, she studied it intently, then said to her interpreter, “Hell is spiritual and not physical, and it is impossible for anyone to make an image of hell. The painting comes as close as humanly possible to representing hell.”

Salvador Dali died of heart failure on this day, January 23, in 1989, at the age of 84. He kept his religious sentiments secret from the world. Sister Lucia must surely have prayed for him.

His Vision of Hell painting hangs in the home of a Connecticut art collector who purchased it from the World Apostolate of Fatima/Blue Army in 2007. 

The full story of Dali’s Fatima Secret is portrayed in a documentary film and book (Regina Mundi Press) by Paul Perry. The DVD documentary is available in our Gift Shop.

FONTE: http://www.bluearmy.com/fatima-vision-of-hell-helped-salvador-dali-face-his-own-mortality/

23 de Julho de 2019

Note: The information published about Salvador Dali and Fátima is the exclusive research work of the Center for Religious Research of the Fundação Histórico Cultural Oureana and such information and quotes can only be found in the book "Dali's Fátima Secret" by Paul Perry with Carlos Evaristo and Nicolas Descharnes and in the documentary "Dali's Greatest Secret" by Sakkara productions and Crown Pictures. All Rights Reserved.

The photographs used in this article are Copyrighted by the Dalí Foundation, Descharnes and Descharnes Archive, the Oureana Foundation and the USA Blue Army. Its use requires licensing.

This information and citations are nowhere else to be found and therefore, and in order to avoid conflicts of copyright and intellectual property, authors were asked to cite the sources as otherwise, it is a crime of plagiarism and theft intellectual property.

The Foundation Secretariat for the Fiscal Legal Department

Dalí visitou Fátima, Ourém e o Carmelo de Coimbra para se inspirar aquando da realização da “Visão do Inferno” para John Haffert do “Blue Army”

Salvador Dali

Ele foi até Fátima
só para pintar a visão do inferno

Muitos não sabem, mas, no auge de sua popularidade, em 1960, o pintor surrealista Salvador Dalí foi contratado para pintar a visão do inferno, tal como Lúcia, Jacinta e Francisco a tiveram em Fátima, durante uma aparição de Nossa Senhora.

Salvador Dalí é considerado um dos maiores artistas do século XX e o mais famoso surrealista. No auge da sua popularidade, em 1960, ele foi contratado pelo chamado “Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima” para pintar a visão do inferno, tal como Lúcia, Jacinta e Francisco a tiveram durante a aparição de 13 de julho de 1917, em Fátima. A ideia do quadro partiu de um protestante que, depois de ler sobre a visão nas Memórias da Irmã Lúcia, se converteu ao catolicismo e entrou no seminário. Pensava-se que, com esta mensagem, Dalí poderia alcançar jovens e incrédulos com muito mais eficácia que qualquer sermão numa manhã de domingo ou história a respeito dos santos. Esse encargo mudaria a vida e a obra de Dalí, tirando-o de seu ateísmo declarado e trazendo-o de volta a suas raízes católicas [1].

Dalí cresceu na Espanha, perto da fronteira com a França, na Catalunha. Seu pai era ateu e anticlerical, e sua mãe, uma devota católica romana. Nascido apenas nove meses após a morte de seu irmão homônimo, Salvador costumava ouvir de seus pais que ele era seu irmão reencarnado. Tendo de conciliar as diferentes influências que recebia, de fé em Deus e ao mesmo tempo de incredulidade, Dalí cresceu confuso e incerto, afirmando certa vez: “O céu deve se encontrar exatamente no centro do coração do homem que tem fé. Neste momento, ainda não tenho fé e temo que morrerei sem o céu”.

Salvador Dalí, em 1939.

Após sua primeira exposição nos Estados Unidos, em 1934, ele se tornou uma sensação imediata, e a fama de Dalí cresceu ao longo dos anos 1930 e 40. Sua famosa pintura A Persistência da Memória, com a imagem de relógios de bolso derretendo, ajudou a definir seu método de criatividade e surrealismo, o “método crítico-paranoico”. A criatividade de Dalí surgia de imagens que ele extraía do subconsciente enquanto caía em um estado de semivigília, ou hipnagogia.

Ao longo de sua vida, Dalí lutou com a ideia de sua própria morte, um medo que não conseguia superar. Ele estudou novas descobertas relacionadas à terceira dimensão, que o levaram a buscar o acesso à quarta dimensão e à imortalidade. Suas obras são permeadas por temas de erotismo, morte e decadência, mas também por temas religiosos e assuntos relacionados ao progresso científico.

Ele tinha 55 anos quando foi abordado pelo Exército Azul para pintar a visão do inferno. O cofundador da associação, John Haffert, recebeu uma carta do seminarista encorajando-o a apresentar a ideia ao artista. Ele também colocou as economias de sua vida para pagar por isso. Haffert encontrou-se com Dalí no hotel onde ele estava hospedado em Nova Iorque e contou-lhe sobre a missão do Exército Azul de divulgar a mensagem de Fátima. John leu para ele a história de Fátima nos escritos de Lúcia e a descrição da visão do inferno.

“Cabe a você apresentar esta visão de forma verdadeira e vívida”, disse Haffert a ele. “Você está sendo escolhido para ser o artista de Nossa Senhora. Um intérprete visual para Deus”.

Dalí ouviu com atenção e pediu um prato de escargot. Quando chegou, ele começou a espetar os caracóis com garfos de escargot, explicando a Haffert que os grandes artistas sempre usavam tridentes para representar os demônios no inferno, mas ele usaria garfos de escargot. “A alma de um pecador é como um caracol”, explicou ele. “Ela se encaracola e se esconde dentro da casca, e a única maneira de buscá-la é usando um garfo de escargot!”

Os dois acertaram os termos do contrato e assinaram o acordo em um guardanapo de papel” recorda Carlos Evaristo no documentário “Dalí’s Greatest Secret”

“A alma de um pecador é como um caracol. Ela se encaracola e se esconde dentro da casca, e a única maneira de buscá-la é usando um garfo de escargot!” recorda Carlos Evaristo no documentário “Dalí’s Greatest Secret”

Haffert decidiu tentar um encontro entre Dalí e a Irmã Lúcia, que, em 1960, era uma monja carmelita de clausura, em Coimbra, Portugal. Ele não teve nenhum sucesso, mesmo depois de escrever para ela pessoalmente. Dalí disse a Haffert que não havia problema. Ele estudaria o que ela disse sobre a visão e montaria sua própria versão dela, dizendo-lhe: “Vou pintar o que vejo”.

Detalhe de “A Persistência da Memória”, obra-prima de Dalí.

Por mais de um ano Dalí se debruçou sobre a visão do inferno, tal como descrita por Lúcia, procurando por imagens em seu subconsciente, mas tudo foi em vão. Haffert sugeriu que ele fosse a Fátima em busca de inspiração. Parte do problema de Dalí era que ele não sabia como apresentar a Santíssima Virgem Maria. Sua esposa, Gala, sempre fora o rosto das mulheres em suas pinturas.

Em Fátima, ele foi levado diretamente ao local onde a Mãe Santíssima apareceu e onde as crianças viram a terra se abrir, revelando o inferno. A chave para compreender a visão do inferno, segundo seu guia, o cônego José Galamba de Oliveira, era o apelo à conversão. E o Coração Imaculado de Maria é sinal de esperança para todos os que respondem à sua mensagem de conversão.

Durante esta viagem, por influência de Galamba, Dalí finalmente conseguiu se encontrar com a Irmã Lúcia. Ele passou algum tempo com ela, conversando através das grades do locutório. Dalí comentaria mais tarde como era especial “respirar o mesmo ar que uma futura santa”, como era estar diante de uma presença celestial. Dalí finalmente teve a inspiração para pintar a visão do inferno.

Antes de sair de Fátima, Dalí pediu ao cônego Galamba que ouvisse sua confissão. O padre contou depois a Haffert que foi “a confissão mais comovente, sincera e profunda” que ele já ouvira em suas muitas décadas como sacerdote.

Em 13 de março de 1962, Haffert recebeu a notícia de que a pintura estava terminada e o senhor Dalí queria apresentá-la. Ele todavia não pôde estar presente na ocasião, mas o monsenhor Harold Colgan, cofundador do Exército Azul junto com Haffert, foi em seu lugar. Pela expressão em seu rosto quando a pintura foi revelada, mons. Colgan ficou chocado com a visão de acordo com Dalí. Não era o que ele esperava.

“Visão do Inferno”, por Salvador Dalí.

No entanto, após um estudo e exame mais aprofundados, acredita-se que Dalí tenha retratado a si mesmo na visão, pintando a sua própria conversão. O quadro mostra uma pessoa moribunda, com sua alma vermelha e translúcida, torturada e atormentada por demônios no inferno, que o espetam com garfos de escargot, tentando extrair sua alma. Abaixo, a terra fissurada se abre para o lugar do inferno. Acima, a Santíssima Mãe, angustiada diante do horror de uma alma se perdendo, revela seu coração dolorido e amoroso. Uma figura solitária em oração segura um crucifixo apontado para o céu.

As crianças de Fátima disseram que teriam morrido de medo da visão do inferno se Maria não estivesse com elas. Ela disse às crianças: “Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração”. Durante a aparição de agosto, ela lhes implorou: “Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas”.

Ninguém sabe o que a Irmã Lúcia disse a Dalí em sua breve visita, mas ela tinha um talento especial para dizer exatamente o que alguém precisava ouvir para voltar a Deus, incluindo comunistas obstinados. Ela deve tê-lo ajudado a conhecer o amor de Deus e de sua Mãe Santíssima e a ver que seu Imaculado Coração é um refúgio para os pecadores. Na visão que pintou, Dalí não usou Gala como modelo para o rosto de Maria. Ele voltou a suas raízes católicas e à fé em Deus e enfrentou sua mortalidade.

Em 1997, quando a Irmã Lúcia finalmente viu o retrato da visão, por Dalí, ela o estudou atentamente e disse a seu intérprete: “O inferno é espiritual e não físico, e é impossível para qualquer pessoa fazer uma imagem do inferno. A pintura chega o mais humanamente possível de uma representação do inferno”.

Salvador Dalí morreu de insuficiência cardíaca no dia 23 de janeiro de 1989, aos 84 anos. Ele manteve seus sentimentos religiosos em segredo do mundo. A Irmã Lúcia certamente deve ter rezado por ele.

Sua pintura Visão do Inferno está exposta na casa de um colecionador de arte de Connecticut, que a comprou do Apostolado Mundial de Fátima em 2007.

FONTES: https://padrepauloricardo.org/blog/ele-foi-ate-fatima-so-para-pintar-a-visao-do-inferno?utm_content=buffer38c2d&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&fbclid=IwAR2e-FOCat799Q_O4yBU5arvPECAysmy4fkWIxSoHoyzVytWtqxb-81s7uE

https://vimeo.com/ondemand/salvadordali

https://padrepauloricardo.org/blog/ele-foi-ate-fatima-so-para-pintar-a-visao-do-inferno?utm_content=buffer38c2d&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&fbclid=IwAR2e-FOCat799Q_O4yBU5arvPECAysmy4fkWIxSoHoyzVytWtqxb-81s7uE

https://www.bluearmy.com/fatima-vision-of-hell-helped-salvador-dali-face-his-own-mortality/

4 de Setembro de 2012

NOTA: As informações que publicaram sobre Salvador Dali e Fátima são trabalho exclusivo de investigação do Departamento Centro para a Pesquisa Religiosa da Fundação Histórico Cultural Oureana e tais informações e citações só constam no livro”Dali’s Fátima Secret” de Paul Perry com Carlos Evaristo e Nicolas Descharnes e no documentário “Dali’s Greatest Secret” da Sakkara productions e Crown Pictures.

As fotografias usadas este artigo têm Direitos de Autor da Fundação Dalí, do Arquivo Descharnes e Descharnes e do Exército Azul USA e o seu uso requer licenciamento.

Estas informações e Citações não consta em mais lado algum e por isso, e a fim de evitar conflitos de direito de autor e de propriedade intelectual, foi pedido aos autores para citarem as fontes pois caso contrário, é crime de plágio e roubo de propriedade intelectual.

O Secretariado da Fundação pelo Departamento Jurídico Fiscal

Fundação Oureana Apresenta Livro sobre a Vida, Obra e Legado de D. Afonso, IV Conde de Ourém

A Fundação Histórico – Cultural Oureana apresentou hoje, pelo aniversário do falecimento do Primogénito da Casa Real e Ducal de Bragança, o livro D. Afonso, IV Conde de Ourém, I Marquês de Valença e Senhor de Porto de Mós (1402 – 1460) da autoria de Carlos Evaristo e Humberto Nuno de Oliveira.
O livro conta a história do maior vulto da história de Ourém e baseia-se nos textos, documentos e ilustrações publicadas pelos autores para a Sala Memorial de Interpretação inaugurada no Castelo de Porto de Mós e dedicada à Vida, Obra de Legado do IV Conde de Ourém.

Os 20 capítulos são ricamente ilustrados e tratam da biografia de D. Afonso, dos seus títulos, brasões e empresa, as suas construcções e legado pessoal, a sua colecção de relíquias, o seu túmulo e as representações artísticas do mesmo.

A primeira edição do livro é limitada a uma tiragem de 500 exemplares numerados que serão oferecidos aos Patronos e Benfeitores da Fundação pela Festa do 50º Aniversário do Programa Medieval do Restaurante Medieval.

A Festa que terá lugar no dia 24 de Setembro de 2021 conta com um programa cultural que será divulgado oportunamente e que inclui exposições, publicações e concertos.

Segundo os autores do livro e da Sala Memorial do Castelo de Porto de Mós, a Fundação Oureana está também disposta a patrocinar um Centro de Interpretação no Castelo de Ourém ou uma Sala Memorial à semelhança daquela que foi inaugurada em Porto de Mós aquando da reabertura desse monumento, a 6 de Abril de 2019, após obras de requalificação.

Para Carlos Evaristo “é importante o visitante conhecer não só a história do Castelo mas também do homem que mais contribuiu para o desenvolvimento do mesmo.”

O dia 29 de Agosto, aniversário do falecimento do IV Conde de Ourém, foi o dia escolhido para a apresentação da obra que é editada pelo Instituto D. Afonso, IV Conde de Ourém e patrocinada pelas Fundações D. Manuel II e Batalha de Aljubarrota.

29 de Agosto de 2021

John Haffert: O Americano que sonhava restaurar o Castelo e a Vila Medieval de Ourém

Reconstituição do Castelo e Centro Histórico de Ourém num desenho colorido por Carlos Evaristo

A celebrar o 50º Aniversário da inauguração do Programa Medieval, a Fundação Histórico – Cultural Oureana recorda o sonho do seu fundador John Mathias Haffert; de ver o Castelo de Ourém restaurado e a funcionar como Museu temático, Restaurante e Pousada.

A controversa requalificação do Castelo de Ourém que está a ser noticia na imprensa, local, nacional e estrangeira, leva-nos a recordar o sonho do Americano John Haffert de restaurar a ruína à glória do seu passado.

O Projecto de Haffert que data de 1967 e pretendia instalar o Restaurante Medieval nos dois torreões, uma Pousada nos cinco pisos do Paço do IV Conde de Ourém e um Museu vivo e interactivo com recriações temáticas na antiga fortaleza triangular.

A ideia de retomar o Projecto de Restauro e Consolidação do Castelo de Ourém: 1946

A Caixa de Arquivo Nº 421 do Arquivo da Fundação Oureana identificada “John Haffert – Restoration of Ourém Castle Project 1967″ guarda toda a documentação e fotografias para comprovar os esforços realizados por John Haffert ao longo de mais de 50 anos, para restaurar o Castelo. Para além das fotografias inéditas existe correspondência, projectos, estudos e recortes de jornais com notícias referentes às várias iniciativas públicas, privadas e Camarárias que houve para a retoma do projecto do Estado Novo da década de 1930.

O Jovem John Haffert no Habito Carmelita

O sonho de Haffert de restaurar o Castelo de Ourém começou em 1946 com a sua primeira visita ao Castelo de Ourém após ter escrito a primeira biografia em língua inglesa de D. Nuno Álvares Pereira The Peacemaker that went to War. Haffert à semelhança do Santo Condestável também foi irmão Carmelita e queria restaurar todos os lugares ligados à história do III Conde de Ourém.

Quando em 1955 os Fundadores do Exército Azul; John Mathias Haffert (o Director Internacional e Editor da Revista “Soul”) e Monsenhor Harold Colgan (Presidente e Capelão) foram recebidos pelo Presidente do Conselho de Ministros de Portugal para lhe entregar o Prémio da Paz atribuído pelo Movimento Internacional de Fátima, um dos temas de conversa entre Haffert e o Professor Doutor António de Oliveira Salazar, foi a retoma dos trabalhos de restauro do Castelo de Ourém. Estes trabalhos, iniciados na década de 1930, foram interrompidos passados poucos anos e nunca retomados. Haffert apresentou a Salazar ideias para o uso a dar ao monumento que pertenceu ao Beato Nuno e seus descendentes. Um conjunto de ideias dactilografadas em 24 páginas que Haffert entregou ao Presidente do Conselho.

John Haffert com o Monsenhor Harold Colgan

Haffert interessou-se pela reabilitação da Vila Medieval de Ourém ainda em 1946 e 11 anos depois insistia com Salazar na importância que teria a conclusão das obras de restauro do Castelo de Ourém, interrompidas segundo o Presidente do Conselho por um conjunto de impedimentos incluindo a falta de água e de saibro.

A obra iniciada em 1937 pelo Estado Novo estava orçamentada em 56, 500$.00 Escudos mas parou ainda antes das celebrações do duplo Centenário da Fundação e Restauração de Portugal em 1940. O programa do Centenário devia de ter incluído actividades no Castelo com recriações de cenas da vida do Santo Condestável D. Nuno Álvares Pereira (então Beato Nuno de Santa Maria) III Conde de Ourém.

No photo description available.
Orçamento para as Obras de Restauração e Consolidação do Castelo de Ourém de 1937 no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.

Oficialmente o projeto de restauro do Castelo visava reconstruir todos os elementos arquitectónicos do conjunto de Fortificação, Paço dos Condes e Torreões, seguindo a traça original do tempo do IV Conde de Ourém. Essas obras porém foram interrompidas por falta de matéria prima. Para Salazar a retoma do projecto só faria sentido se houvesse um investidor particular pois caso contrário seria algo demasiado dispendioso e sem retorno.

Na década de 1930, para a preparação do Centenário da Fundação de Portugal, (1940) o governo do Estado Novo iniciou o restauro do Castelo de Ourém e nessa mesma altura classificou-o como Monumento Nacional. As obras de restauro do Castelo de Ourém tardaram em arrancar ao contrário das obras levadas a cabo nos outros Castelos como vem referenciado em vários artigos de jornais da época.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-65.png
Jornal Notícias de Ourém
15 de Maio de 1938

As obras no entanto, acabaram por arrancar em 1935 com remoção de entulhos embora a reconstrução só começasse um ano e meio mais tarde não chegando a ser concluída pois criada a Fundação da Casa de Bragança em1933, após a morte do Rei D. Manuel II, ficou esta na posse do Castelo como bem pertencente ao antigo Morgadio da Família Bragança. Porém este bem era da família já antes dos Duques de Bragança e Condes de Ourém terem subido ao Trono em 1646. Era por isso um bem privado e não público ao contrário do que muitos no governo acreditavam.

O jornal “Notícias de Ourém” na edição de 15 de Maio de 1938 refere que a interrupção do restauro do Castelo, Paço do Conde e Torreões se deveu à falta de água e saibro (areia) e existe na Pasta Nº 421 no Arquivo da Fundação Oureana uma cópia de uma carta do Capitão Joaquim Freire Justo,  Presidente da Câmara de Vila Nova de Ourém, ao Senhor António da Mota, então Administrador em Ourém da Fundação da Casa de Bragança que parece comprovar isso. Na mesma o Presidente da Câmara descreve o seguinte sobre o roubo de saibro:

Capitão Joaquim Justo

            Vª Nª de Ourém

            27 / 8 / 938

            Meu Exmº Amigo

 Estimo que esteja melhor e tenha aproveitado bastante com a sua estadia aí  (Figueira da Foz).Mandei que a cadela que o mordeu fosse para o Instituto Câmara Pestana (Isto para determinar se estava raivosa).Ainda nada me disseram. Os pais dos garotos que venderam a areia da Charneca (saibro do Pinhal do Rei em Vilar dos Prazeres que era aproveitado para as obras) foram chamados à minha presença.  Negaram-se a pagar dizendo que sempre se utilizaram de tudo que o baldio produz e que nunca disso foram proibidos.  Negaram-se portanto a pagar, em virtude de que foram para a cadeia trabalhando durante o dia nas obras de reparações na mesma que ali se estão fazendo e ao fim do 4º dia resolveram pagar os 3000 (Reis) que estão em poder do Abel (Abel Faria do Carmo, Oficial de diligências da Câmara) para dar ao meu amigo quando tiver ocasião de por aqui passar.  Sendo então postos em liberdade e pouco resolvidos a repetir a acção.

Creia-me com estima etc…                  (ass.) Joaquim Justo

Fotografia da fortaleza nos finais do Século XIX
Fotografia da fortaleza nos finais do Século XIX

A Proposta que Haffert fez a Salazar: 1955

A retoma das obras não fazia sentido simplesmente como pretexto de servir a população local pelo facto de haver então somente três famílias a viverem nas poucas casas do burgo que foi em tempos a Jóia da Coroa Portuguesa; uma Vila Medieval fortificada e dividida em quatro freguesias e com cerca de 8,500 habitantes.

Na década de 1950 vivia somente uma dúzia de pessoas em Ourém Velha chamada de “Vila Velha de Ourém” ou de “Castelos de Ourém” na linguagem popular dos Ourienses. Não tendo integrado o programa das celebrações centenárias de 1940, o Castelo de Ourém, a ser restaurado, 15 anos depois, seria um grande investimento por parte do Governo num Monumento Nacional que passou a ser, e ainda é, pertença de uma Fundação particular; a Fundação da Casa de Bragança.

E ao contrário do que muitas pessoas pensavam e ainda pensam, a referida Fundação da Casa de Bragança, não é do Estado e também não pertence à Casa Real Portuguesa; Família dos Duques de Bragança. Foi criada por testamento de último Rei de Portugal D. Manuel II, para zelar perpetuamente pelos bens do antigo Morgadio da Casa Ducal de Bragança, para assim manter viva a memória da Família dos Duques de Bragança e Condes de Ourém, etc.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-57.png
Projecto de Restauro do Castelo de Ourém de 1936 existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.

O plano do Estado Novo para investir na reconstrução do Castelo de Ourém partia da ideia de 1935 de se poder usar o mesmo em encenações Condestabrianas durante o ano de 1940. Mas passado o Centenário a ideia já não tinha contexto político e o Governo só estaria interessado em retomar o restauro do Castelo se pudesse recuperar o investimento através do turismo. Mas sem existirem investimentos extraordinários por parte do Estado na criação de infraestruturas essenciais, começando com acessos, lojas, restaurantes e alojamento local, o restauro do Castelo seria para Salazar um investimento, a fundo perdido, que só benificiária a Fundação da Casa de Bragança, proprietária do imóvel.

Em resumo; Salazar apoiava a iniciativa proposta por Haffert desde que a Fundação da Casa de Bragança concordasse e os Americanos pagassem a obra.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-56.png
Projecto de Restauração do Castelo de Ourém de 1936 existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.

Para Haffert receber o apoio do Ministério do Turismo, teria que haver interesse, nacional e estrangeiro em visitar o monumento. Para atrair turismo Haffert propunha programas de interesse histórico, medieval e religioso e um programa Medieval. Salazar concordava com o americano mas como se comprova com os documentos no Arquivo Salazar na Torre do Tombo, a P.I.D.E.; Polícia Internacional de Defesa do Estado, desconfiava das suas verdadeiras intenções uma vez que era um americano .A ideia de dar vida ao Castelo de Ourém com um programa temático e recriações medievais era na realidade a ideia de se criar um Parque Temático, tal como o amigo de Haffert, Walt Disney, já estava a estudar, mas em Ourém tal programa só seria sustentável, segundo o estudo encomendado ao Capitão Augusto Mascarenhas Barreto, se todo o casario da antiga Vila Medieval ou pelo menos uma parte significativa, fosse reconstruído, para servir de apoio e tornar assim sustentável esse parque temático Medieval.

A Disneylândia Medieval no Castelo de Ourém: 1967

Desde 1946 que Haffert tinha vindo a adquirir grandes parcelas de terreno, de ambos os lados dos Torreões do Castelo, a fim de preservar o mesmo da descaracterização. Um empresário sueco, dono da fábrica das caixas registadoras “Sweda”, havia também comprado várias propriedades e planeava comprar mais; a Casa Alta junto às Portas de Santarém e o terreno adjacente junto ao torreão. Nestes espaços pretendia construir uma mansão apalaçada que pretendia expandir até ao Castelo. Mal o empresário americano soube do plano enviou um advogado à Suécia com uma proposta para comprar a moradia, as casas e terrenos adjacentes ao sueco oferecendo-lhe o dobro daquilo que ele havia pago.

Com a compra destes imóveis Haffert avançou com o Projecto de propor à Fundação da Casa de Bragança a recuperação, em primeiro lugar dos Torreões para lá criar um Restaurante Medieval com dois salões. No Paço dos Condes de Ourém iria instalar uma Pousada e dentro da fortaleza instalar um anfiteatro para realizar torneios Medievais a cavalo e um programa teatral que contasse a história das figuras ligadas à memória do Castelo.

Uma cópia em língua inglesa da proposta entregue em mão por Haffert ao Presidente da Fundação da Casa de Bragança ainda existe no Arquivo da Fundação Oureana com dedicatória escrita na capa pelo punho do Autor.

Cópia em língua inglesa da proposta entregue em mão por Haffert ao Presidente da Fundação da Casa de Bragança em 1967.

Mas a Fundação da Casa de Bragança não estava interessada em parcerias com particulares e muito menos Americanos. Corria o ano de 1967 e em Fátima celebrava-se o Cinquentenário das Aparições de Nossa Senhora. A vinda do Papa Paulo VI a Fátima deu novo impulso ao turismo religioso e Haffert via a oportunidade para da nova vida ao Castelo de Ourém dando o mesmo a conhecer ao mundo.

O Programa Medieval com Restaurante e Pousada: 1971

Nesse mesmo ano de 1967, Haffert criou a Agência de Viagens Fátima Travel para fretar aviões para levar Peregrinos de Fátima a Portugal e a outros destinos Católicos da velha Europa. Decidiu colocar em standby a ideia de restaurar o Castelo de Ourém e avançou em vez disso com a recuperação de dois Paços antigos que havia comprado no velho burgo; o antigo Paço Novo dos Cónegos (que foi escola primária) e o Paço de Nossa Senhora da Misericórdia (que havia sido o Hospital).

No photo description available.
Salão D. João I do Restaurante Medieval Oureana

Num edifício instalou o Restaurante Medieval, com o Programa Medieval tudo desenhado a rigor pelo Professor Augusto Mascarenhas Barreto e no outro edifício, a Pousada dos Cavaleiros que era na realidade um bar do género das casas de fados Lisboetas com um alojamento local.

Paulo VI abençoa John Haffert durante uma audiência no Vaticano

A ideia está documentada na revista Catholic Traveller e recebeu a bênção do Papa Paulo VI e o Programa Medieval, que agora celebra 50 anos, foi inaugurado a 15 de Agosto de 197 e até hoje teve mais de 3.5 milhões de visitantes. O sucesso do mega empreendimento levou o americano a investir na década de 1980, na compra de dois aviões Boeing para fazerem a viagem dos Estados Unidos a Portugal, três vezes por semana.

John Haffert e Paulo VI na capa da revista Catholic Traveller de 1963

Anteplano de Recuperação do Castelo de Ourém: 1974

Admirado pelo Vaticano e as autoridades locais e Governamentais em Lisboa, era altura, segundo o próprio Haffert, para retomar a ideia do restauro do Castelo de Ourém. Em 1973, o americano preparou uma nova proposta que apresentou à Fundação da Casa de Bragança e ao Governo.

No photo description available.
O Programa Medieval de John Haffert
O Programa Medieval de John Haffert

Propunha desta vez que o Castelo de Ourém servisse de Museu vivo para complemento do Programa Medieval e Restaurante que havia criado. Incluía na proposta a ideia de transformar o conjunto de edifícios que possuía junto ao Restaurante Medieval, numa verdadeira Pousada.

Haffert e Paulo VI em 1967

As entidades aceitaram a proposta de John Haffert, e o Governo aproveitou a ideia de transformar os vários edifícios do americano em Pousada, mas como pousada do Estado do grupo Pousadas de Portugal (ENATUR).

Empenhado em restaurar o Castelo e toda a Vila Medieval à semelhança de Óbidos, o Governo de Marcelo Caetano, levou a cabo um estudo denominando Anteprojecto / Anteplano de Recuperação do Castelo de Ourém que previa, não só o restauro do Castelo à glória do seu passado, mas também todo o tecido urbano para nele instalar as tais infraestruturas de apoio, um casario com diversos negócios temáticos; armeiros, alfagemes, tabernas, etc.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-50-1024x598.png
O Anteprojeto de Recuperação da Vila Medieval de Ourém: Um estudo que propunha o restauro do Castelo e de toda a Vila Medieval, que foi aprovado na última sessão do Parlamento antes da Revolução do 25 de Abril de 1974, mas nunca implementado.

Este Estudo seria um dos últimos Projectos do Estado Novo a ser aprovado pelo Parlamento, precisamente na última sessão antes do 25 de Abril de 1974 e por isso provavelmente nunca seria implementado.

Passados alguns anos, expropriaram os mesmos edifícios que Haffert propunha para servir de Pousada por 1,500 contos. É então que o Americano pensa em preservar o seu legado e o Restaurante Medieval com o programa. Para o efeito criou a 11 de Agosto de 1995, a Fundação Histórico Cultural Oureana.

Pousada of Conde de Ourém in Ourém/Fátima, Portugal
A Pousada Conde de Ourém tinha sido a Pousada dos Cavaleiros de John Haffert

Projecto Regina Mundi 2000: A derradeira tentativa de John Haffert para restaurar o Castelo e a Vila Medieval

Em 1995, Haffert recordou publicamente, ao inaugurar o Monumento a D. João Pereira Venâncio, Bispo de Leiria, (no Jardim que doou ao Município), uma conversa que o mesmo havia tido com o Papa Paulo VI quando sobrevoarem o Castelo de Ourém a caminho de Fátima, a 13 de Maio de 1967.

O Papa ao ver o Castelo de Ourém da janela do avião perguntou ao Bispo:

– “Que Castelo é esse tão perto do Santuário de Fátima?”.

– “O Castelo de Ourém Santidade”, respondeu D. João Venâncio.

– “Então é o Castelo da Rainha do Mundo!” exclamou o Papa.

Sedes Regina Mundae em latim ou Sede da Rainha do Mundo, seria o nome que Haffert daria ao seu último Projecto Museológico; o Projecto Regina Mundi 2000. Esta derradeira tentativa de John Haffert para patrocinar o restauro do Castelo de Ourém e de toda a Vila Medieval data de 1998 e via o Americano e seus sócios e colaboradores a patrocinarem o restauro do Castelo e da Vila Medieval à semelhança de Óbidos e Carcassonne, em França.

Notícias nacionais e estrageiras sobre o Projecto Regina Mundi 2000

Queria Haffert que o Castelo de Ourém fosse restaurado à glória do seu passado e o estudo denominado Projecto Regina Mundi 2000 o mesmo retomava a ideia de se recuperar toda a memória da história do Castelo da época do IV Conde de Ourém, favorecendo assim o turismo, o comércio e a população local com um monumento interativo, museológico e com recriações medievais.

Projecto Regina Mundi 2000
Carlos Evaristo e John Haffert

Poucos anos antes do seu falecimento, John Haffert encomendou o estudo ao seu compadre, o Arqueólogo Carlos Evaristo, Presidente da Direcção da Fundação Oureana e antigo Representante Executivo Sénior de Artsmarketing no Museu Real do Ontário, no Canadá.

Americanos doavam 8 Milhões de Euros para primeira fase

Com larga experiência na rentabilidade, potencial e marketing de Museus, Evaristo preparou um Projecto que propunha criar um Museu interactivo com Centro de Interpretação dentro do Paço e Torreões do Castelo.

Ambos anunciaram o Projecto geral em reunião pública com Conferência de Imprensa, no dia 8 de Dezembro de 1998. Era a Festa de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, Rainha e Padroeira de Portugal e o Duque de Bragança e Conde de Ourém, Dom Duarte Pio, seria o primeiro a dar apoio ao Projecto. Durante a Conferência de Imprensa Haffert informou os presentes de ter assegurado 8 milhões de Euros numa primeira fase do Projecto, por parte de investidores privados e Fundações ligadas ao próprio.

Museus Sedes Mundi Reginae e a Ourém Castle Information Centre Protocol Partners: 1998

Haffert e Evaristo reuniram para o Projecto uma centena de Parceiros Protocolares, nacionais e estrangeiros, numa Federação chamada Ourém Castle Information Centre Protocol Partners . Estes parceiros contribuíam com um espólio de dezenas de milhares de peças museológicas e artefactos históricos valiosos para assim se criar, na Vila Medieval, uma série de núcleos museológicos temáticos que Haffert chamou de rede de Museus Sedes Mundi Reginae.

Um deles seria a Regalis Lipsanotheca, a maior colecção privada de relíquias do mundo fora do Vaticano, uma colecção de Carlos e Margarida Evaristo e do Padre Carlo Cecchin. Outro seria o Museu Nacional do Santo Condestável criado através de um Protocolo com a Fundação Batalha de Aljubarrota. Havia também a recriação da Botica Medieval de São João, da Sinagoga Medieval (descoberta em 1995 e identificada por Carlos Evaristo) e o Museu Mariano, uma fabulosa colecção de 2,000 imagens de Nossa Senhora, de todos os países do Mundo, provenientes do Museu com o mesmo nome que existia em Brooklyn, Nova Iorque, EUA e que foi dissolvido pelo Fundador Armand James Williamson, para que o espólio pudesse integrar o Projecto da Fundação.

O Projecto era também denominado Regina Mundi 2000 (Rainha do Mundo) porque John Haffert queria recordar o título conferido à Virgem Santa Maria, pelo Papa Pio XII em 1946 após a Coroação em Fátima, a 13 de Maio desse mesmo ano. Haffert pretendia realizar o Projecto até ao ano 2000, tendo mandado cunhar uma medalha e diplomas em antecipação.

Projecto Regina Mundi 2000

Numa primeira fase de recuperação, seria patrocinado, a fundo perdido, o restauro do Castelo; Paço dos Condes e Torreões e depois, em seguida, os edifícios para se instalar os supra referidos Museus. No total seriam recuperados um conjunto de 24 edifícios históricos e espaços; públicos, privados ou pertença da Fundação Oureana.

Carta de Cracóvia dita fim ao sonho de Haffert de se Restaurar o Castelo de Ourém e a Vila Medieval: 2000

Em 1999 juntou-se como parceira protocolar ao Projecto Regina Mundi 2000, uma benfeitora americana de nome Helen Marie Bergkamp. Helen era irmã do Bispo Eugene Gerber de Witchita, Kansas, EUA e militante do Exército Azul. A mesma senhora propunha-se a doar, juntamente com outros colaboradores, outros 8 milhões de Euros exclusivamente para o restauro do Castelo de Ourém, mas na condição do mesmo ser tornar num Museu vivo interactivo com uma sala a servir de galeria de arte para acolher a sua colecção de pinturas antigas dos Doutores da Igreja.

A falecida Benfeitora Americana Helen Marie Bergkamp
(1926 – 2015)

A Benfeitora acompanhada de seu filho, o empreiteiro Stan Bergkamp, reuniu com o Executivo da Câmara Municipal, várias vezes, entre 1999 e 2001, mas apesar de ter o apoio do Presidente da Câmara, Dr. David Catarino, o Projecto foi sucessivamente chumbado pelo IPPAR por não haver estudos arqueológicos prévios, uma monografia e um estudo de referência ao que existia anteriormente nos locais. Também os desenhos foram sofrendo alterações, e passando de arquitecto em arquitecto porque as intervenções propostas eram consideradas demasiado volumosas para o local dado que existiam poucas casas após as várias desgraças desde 1755 que caíram sobre o velho burgo de Ourém, e todas elas de pequenas dimensões.

A Carta de Cracóvia, um acordo internacional para a recuperação do património que havia sido assinado a 26 de Outubro de 2000, iria por fim, de uma vez por todas, à ideia de restauro do Castelo. Os países signatários haviam acordado em adoptar, conceitos para o restauro de monumentos que já não recriam grandes áreas em falta ou arruinadas com o passar dos anos e as zonas intervencionadas a serem requalificadas ou cobertas devem de empregar materiais modernos e amovíveis que visivelmente se destaquem dos elementos antigos. Ou seja o conceito moderno era de somente conservar as ruínas tornando as mesmas visitáveis até pelos que têm dificuldade de mobilidade. Restaurar os monumentos jamais pois segundo este conceito os danos sofridos e visíveis nas ruínas são marcas que fazem parte da história do mesmo monumento.

O estudo encomendado por John Haffert em 1967 ao Capitão Augusto Mascarenhas Barreto, mostrava gráficos que davam conta de que se o número de grupos de visitantes e participantes nos Banquetes Reais baixasse para menos de 10 de 50 pessoas por mês, o Programa Medieval do Restaurante Medieval tornava-se insustentável. Os ataques às Torres Gémeas em Nova Iorque, EUA em 2001 iriam ter um forte impacto no turismo mundial e na redução do fluxo turístico de americanos a Fátima e Ourém. o resultado foi que os números de visitantes nos anos seguintes ficaram muito abaixo do mínimo, fazendo cessar a actividade comercial. O mesmo se verificou com a Pousada Conde de Ourém e outros empreendimentos turísticos na Vila Medieval como o restaurante a Ucharia do Conde que apesar de mudar de gerência, várias vezes, permanece encerrado. Terminou assim a realização habitual do Programa Medieval e encerrou a firma de gestão do Restaurante Medieval que passaria a partir de 2008 a funcionar por Protocolo com um serviço de catering externo.

Finalmente, em 2003, a Fundação Oureana recebeu uma resposta definitiva sobre a proposta de restaurar o Castelo de Ourém. a mesma informava; “É favor não incluírem o Castelo de Ourém no vosso Projecto, pois o mesmo não se encontra disponível para restauro”.

A decisão baseava-se nas normas da Carta de Cracóvia agora implementadas para a intervenção em Monumentos Nacionais e que podem ser vistas neste link:

http://www.patrimoniocultural.gov.pt/media/uploads/cc/cartadecracovia2000.pdf

Estrutura de concreto integrada à parede que foi reconstruída, e que se apoia em escada interna
A Tour des Pucelles (Torre das Donzelas) recentemente requalificada foi umas das principais masmorras europeias no período da Idade Média construída na Bélgica
Esqueleto de concreto” preserva torre medieval | Cimento Itambé
A Torre das donzelas na Bélgica após obras de requalificação

A resposta negativa levou o Presidente da Câmara Municipal de Ourém a retirar o apoio ao Projecto e o então Presidente do Conselho de Curadores da Fundação em Exercício, o Padre Carlos Querido da Silva, a perguntar numa reunião pública da Câmara; “Se o Castelo não se encontra disponível para restauro, então encontra-se disponível para quê?”

A Torre Medieval em Vilharigues, Vouzela requalificada segundo as normas actuais

O facto é que os tempos mudaram desde que o Estado Novo, na década de 1930, iniciou o restauro de algumas partes do Castelo que já não existiam. Hoje isso seria impossível. John Haffert sonhava retomar o restauro do Castelo para o devolver ao tempo da sua criação. Mas o conceito agora dos Monumentos Nacionais e do IPAAR (Instituto Português do Património Arquitectónico e Arqueológico) é aquele adoptado pela Carta de Cracóvia que só permite a requalificação da ruina.

O conceito actual para recuperação do Património seria inaceitável para John Haffert, assim como foi para os seus sócios patrocinadores do Projecto Regina Mundi 2000. Frustrados nos seus planos, foram patrocinar o restauro de uma aldeia pré-histórica com parque de interpretação no México e a conservação de ruínas no Egipto e no Peru.

Castelo de Villamartin em Cádiz, Espanha, antes e depois das obras de requalificação

Em 2003 o Capelão da Fundação Oureana, Padre John Guilbert Mariani, antigo Capelão do Exército Azul e Mestre Arquitecto e Desenhador, tentou uma última vez convencer as autoridades que tutelam o Património em Portugal a mudarem de critério para permitirem o restauro do Castelo e de todo o casario do velho burgo para dar uma nova vida a Ourém à semelhança da Vila de Óbidos, alegando que sem esse restauro o Centro Histórico iria sofrer com uma desertificação acentuada.

Vários proprietários na Vila Medieval haviam juntado seus terrenos na Rua de São José para a criação de uma zona de turismo de habitação. Patrocinaram em conjunto escavações arqueológicas e a Fundação Oureana complementou essa iniciativa também com escavações levadas a cabo em alguns dos seus espaços adjacentes. Mas a falta de pré-existências nos locais das sondagens e a necessidade de haver ainda mais escavações, levou os sócios do projecto turístico e a Fundação a abandonarem a ideia.

O Projecto Regina Mundi 2000 que terminou em 2005 produziu 12 Estudos e teve 4 Arquitectos à frente do mesmo. Os Patrocinadores e Parceiros Protocolares gastaram mais de 180, 000 Euros em Projectos, estudos e escavações mas a ideia de se restaurar o Castelo de Ourém e todo o casario da antiga Vila Medieval acabou por ser reprovada para frustração de John Haffert e de outros colaboradores. A Carta de Cracóvia determinou que o Castelo já não podia ser restaurado mas somente conservado e requalificado.

Estudo para Salvaguarda do Património e Concurso de Conceitos e Tecnologias de Recuperação de Espaços no Castelo de Ourém: 2003

Para comprovar e mostrar o impacto negativo a longo prazo da não recuperação total do Castelo de Ourém e do tecido urbano da antiga Vila Medieval, a Fundação Oureana, sob a Presidência de Dom Duarte de Bragança, como Presidente do Conselho de Curadores patrocinou um outro estudo encomendado à conceituada Mestre Arquitecta Isabel Alçada Cardoso com uma proposta de salvaguarda do Património. Este estudo comprovou uma degradação, desertificação acentuada e diminuição do fluxo turístico ao longo dos anos devido ao estado ruinoso do Castelo e do burgo Medieval de Ourém e verificou que a maioria dos visitantes e frequentadores da Pousada Conde de Ourém queriam ver o Castelo de Ourém assim como a Vila Medieval restaurada para que pudesse haver mais para visitar.

No mesmo ano de 2003, a Fundação promoveu um concurso de Conceitos e Tecnologias de Recuperação de Espaços no Castelo de Ourém que juntou 14 jovens Arquitectos formados na recuperação de espaços antigos mas também estas ideias alternativas ao conceito da Carta de Cracóvia acabaram por ser rejeitadas com sendo impraticáveis.

Obras de Requalificação do Castelo de Ourém: 2019 – 2021

O Castelo de Ourém seria finalmente conservado seguindo os métodos permitidos hoje para intervenções em Monumentos Arqueológicos entre 2019 e 2021. O Projecto de Requalificação que tem sido alvo de fortes criticas por quem não compreende, nem aceita, o conceito vigente da Carta de Cracóvia, acabou com o sonho que John Haffert teve de ver o Castelo restaurado no estilo original sem qualquer elemento moderno a descaracterizar a visão Medieval de D. Afonso, IV Conde de Ourém. Seria um restauro que segundo Haffert, permitia usarem o Castelo de Ourém para filmagens de recriações medievais para o Cinema e a Televisão.

O Terreiro de Santiago antes das obras de requalificação
(2019 – 2021)
O Terreiro de Santiago depois das obras de requalificação
(2019 – 2021)
Escadaria criada na década de 1930
numa fotografia tirada antes das obras de requalificação
(2019 – 2021)
A mesma Escadaria depois das obras de requalificação e a substituição
da anterior criada na década de 1930 tem sido alvo de crítica

(2019 – 2021)

RECONSTITUIÇÃO DO CASTELO MEDIEVAL E SUA MURALHA

(Estudo de Carlos Evaristo – 1996)

No photo description available.
“Quadros da História de Ourém” da autoria de Carlos Evaristo.

            O estudo realizado entre 1996 e 1998 para o Projecto Regina Mundi 2000 acabou por ser publicado no livro “Quadros da História de Ourém” da autoria de Carlos Evaristo.

“Hoje sabemos, graças em parte a um levantamento datado de Outubro de 1527 que a Vila de Ourém (entre muros) era muito semelhante à de Óbidos e protegida por três níveis de fortificações (muralhas) que foram construídas ao longo de vários séculos.

            A primeira referência documental à existência de um Castelo em Ourém data de 1178. No entanto, este terá sido reconstruído, de acordo com a tradição, sobre as ruínas de uma fortificação Romana ou até Pré-Romana,  que esteve sempre localizada na parte mais alta do morro. 

            Este imponente Castelo ou Castro Medieval (1) era nada mais que uma Fortaleza, provavelmente de estilo Visigótico e que terá sido aproveitada pelos Mouros e depois restaurado pelos Cristãos. 

            O Castelo era formado por três torres elevadas e estreitas, com um recinto triangular, à maneira medieval, delimitado por muralhas grossas com as torres nos ângulos,  sendo duas a norte e uma virada a sul.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-53.png
Reconstituição do Castelo e Igreja de São Tiago no Século XII por Carlos Evaristo

            A apresentação primitiva destas torres deveria ser semelhante à da torre sul e assim a muitas outras existentes em Castelos Portugueses, ou seja, sem telhado e coroadas por ameias.  Originalmente, tinha somente duas torres, e o restauro ordenado pela Rainha D. Teresa em 1180 não parece ter alterado a sua aparência primitiva.

Torres do Castelo serviram de Prisões até ao Século XVI

“Nas duas torres viradas para o Norte existiam as Prisões Medievais primitivas, sendo uma para as mulheres e outra para os homens (1 b). Aquela virada para o noroeste ainda é denominada hoje Torre de D. Mécia (1 a),por ali ter sido encarcerada a esposa do Rei D. Sancho II.  Identifica-se, assim,  a prisão das mulheres. 

            Ambas só tinham acesso por uma porta colocada no tecto arredondado em abóboda e que dava para um alçapão. A hipótese de fuga era nenhuma, pois, retirada a escada de madeira, não havia outra saída.

El Castillo de Ferrara, antiguo Palacio Ducal de l...
Castelo e Paço Ducal de Ferrara

Sabemos que estas torres foram telhadas no Século XV por ordem do IV Conde de Ourém,  que também incorporou nelas a construcção das cachorradas de influência Italiana para assim o Castelo Velho melhor condizer com o Paço Novo (2) e Torreões (3 a e 3 b) por ele mandados construir no mesmo estilo e que formam uma réplica de partes do Castelo e Paço dos Duques na Cidade Italiana de Ferrara onde D. Afonso de Ourém na qualidade de Embaixador de Portugal .esteve alojado aquando da sua jornada ao Concílio de Basileia e Ferrara “

Variedades de Janelas em ogiva no Paço do IV Conde de Ourém
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            “Nas ruínas da torre, do lado Sul, (1 c) ainda existe uma passagem de segurança composta por duas portas, uma exterior e outra interior, que dão para o recinto.  Nesta torre estaria colocado o Guarda de Vigia ou Porteiro.  No piso superior provavelmente havia um quarto onde membros insignes da Família Real pernoitavam. 

            No recinto triangular (1 d) existia o acampamento onde o Rei com os seus Cavaleiros dormiam em tendas, ricamente ornamentadas, mas de montagem fácil, isto porque até meados do Século XIII a Corte era um pouco nómada e viajavam de Castelo em Castelo, pois não havia ainda a preocupação de construir Paços ou Palácios. 

            Guardado no centro do recinto triangular (1 d) (que pela sua configuração invoca a proteção da SSmª Trindade), existia o elemento mais preciosa do Castelo: a água, que era armazenada numa grande cisterna. O acesso a esta cisterna era feito por uma escadaria em pedra.

Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

“Parece ainda existirem provas de que parte do recinto era coberto por um telheiro,  para abrigar, talvez, animais ou a zona da cozinha, que ficava no exterior, ao ar livre. Deverá também ter servido de zona de armazém de munições.”

            “A água também servia de arma fortíssima  e estratégica, pois os Castelos que não possuíam nascente própria ou reserva, dentro das suas muralhas, dificilmente resistiam a um cerco inimigo.  No entanto, aqueles que possuíam água em abundância, eram considerados inexpugnáveis, como era o caso deste Castelo de Ourém.

            A Muralha do Castelo (4),com as suas próprias torres de vigia, circundava toda a parte superior do cabeço junto ao Forte, incluindo o actual Terreiro de São Tiago (5), ainda cingido pelas ruínas de uma muralha Miguelista de suporte e defesa do Século XIX. 

            Era aqui que antes do Século XV, existia a protegida Igreja de São Tiago, provavelmente em estilo gótico ou  Românico e que o IV de Ourém mandou arrasar depois da construcção da Sé – Colegiada, aproveitando, o  terreno sagrado para implantação do cemitério e praça de armas.

A estátua de D. Nuno Álvares Pereira, III Conde de Ourém (5),  que hoje podemos admirar no Terreiro de São Tiago, foi inaugurada pelo Presidente da República, General Ramalho Eanes, em 1985.

Reconstituição por Carlos Evaristo do Castelo e Igreja de São Tiago no Século XII

“Muitas pessoas ainda admiram o Castelo e duvidam da possibilidade de hoje se poder construir tais obras, e de facto talvez fosse impossível,  não pela falta de meios técnicos, mas devido ao custo de mão de obra necessária. É que, nesses tempos, os exércitos, já desde a época Romana,  serviam também de grande equipas de construção, quando não havia lutas a travar.  Os soldados, construíam pontes, muralhas, castelos, em fim, tudo o que era preciso, e com relativa rapidez e garantida segurança. 

            Apesar de ter sido gravemente danificado pelo terramoto de 1755, o Castelo já estava em mau estado desde que a Casa de Bragança ficou sediada em Vila Viçosa e os Condes de Ourém, depois de D. Afonso, IV Conde, terem deixado de habitar em Ourém.

            As ameias do Castelo e da muralha deveriam já ter sido removidas no tempo de D. Fernando II, Duque de Bragança e Conde de Ourém, quando este foi condenado à morte por traição ao Rei D. João II, e isto porque simbolizavam a união com a Coroa, sendo estas removidas para conhecimento público, quando essa união era desfeita .

Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

Reconstituição do Paço do IV Conde de Ourém e dos Torreões

            “Localizado na direcção Sul, a alguns metros abaixo do Castelo Medieval, estão as ruínas do magnífico Solar Apalaçado ou Paço Residencial do IV Conde de Ourém (2), que também ficou fortemente danificado pelo Terramoto de 1755, embora já se encontrasse bastante degradado antes do cismo.

Castelo e Paço Ducal de Ferrara

            “O Castelo foi parcialmente recuperado antes de 1940 e, de facto, é uma pena não terem concluído o restauro, pois só faltava colocar o soalho nos pisos, e telhar o edifício, que hoje seria o Ex-Libris da Cidade; a grande sala de visitas de Ourém. 

            Infelizmente, há uns anos, algumas das grandes vigas foram levadas e aproveitadas por particulares, e as que foram lá deixadas acabaram por apodrecer, deixando o Paço na iminência de de ruir.

Como já sabemos, o velho burgo conheceu uma nova vida quando, no Século XV, D. Afonso, IV Conde de Ourém, neto de D. Nuno Alvares Pereira e de D. João I, fixou residência no seu Condado e ordenou o restauro do Castelo, a construção da Colegiada e certamente outros edifícios públicos já desaparecidos.

Torreões vistos do túnel já depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            Mais tarde, ordenou o mesmo Conde, a construção do seu magnífico Solar, com os célebres  torreões (3). O Conde sendo um homem muito viajado, rico, culto e vaidoso, encarregou os seus arquitectos de elaborarem uma obra única no país e fora de vulgar no seu tempo, que conjugasse o estilo arquitectónico norte-africano com o clássico Italiano de Ferrara, que ele tanto admirou nas suas visitas à Itália e estadia prolongada nessa cidade.

Paço do IV Conde de Ourém depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
Paço do IV Conde de Ourém depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

  “Pode-se imaginar o esplendor do edifício de cinco pisos, que servia de Residência oficial do Conde e também de defesa militar para a Vila. 

            O acesso principal fazia-se pelo túnel abobadado que ligava ao recinto interior do solar.”

Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            “O grande portão principal corria na vertical e era puxado por pesos. As janelas e portas são um testemunho do gótico Português, onde ainda pode ser visto uma variedade de ogivas de diversos ângulos.”

Estado ruinoso do Passadiço de forma labiríntica visto do Paço
Antes da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            “No exterior do edifício existia um passadiço de forma labiríntica (6), que se prolongava em túnel até ao torreão maior.”

Passadiço de forma  labiríntica depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
Torreão e Paço depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
Passadiço de forma  labiríntica depois da intervenção nos anos 1930
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

“É popularmente chamado “Chave do Castelo” ou “Buraco dos Cornos”, por ter sido lá encontrados,  no Século XIX uma variedade de cornos de animais.

            A estrutura servia de passagem de fuga, corta-vento e também tinha uma simbologia mística para os Cavaleiros Rosa cruzes, assim como o triângulo do forte tinha para os Templários e, como já sabemos, o IV Conde  pertencia à Ordem de Cristo e ao Grupo Rosa crucio.

            Diziam os antigos, que na fachada traseira, com várias janelas em ogiva, e junto às escadas arruinadas de acesso ao piso principal do Paço, havia uma passagem secreta, hoje completamente entulhada e que dava para a Quinta de Valbom na encosta ao pé de Santo Amaro.

            Por uma ponte atravessava-se do segundo piso do Paço para o torreão mais alto (3 b), popularmente chamado “Castelo do Raio”, pelo facto de ter sido rasgado ao meio por uma faísca, durante uma forte tempestade, no Século XIX. 

Esta ponte, que resistiu ao Terramoto de 1755, tinha um arco por onde passava o tráfico da rua, hoje a Calçada da Rainha D. Teresa e então a Rua Nova, por ter sido aberta aquando da construção do Paço.

            Por muito incrível que pareça, a ponte foi demolida ainda não há um século para permitir a passagem de veículos de maior dimensões, ou pelo menos, foi essa a desculpa dada na altura pelas autoridades que mandaram executar essa barbaridade.

            O Paço e a fortaleza eram servidas por comunicações encobertas e passagens subterrâneas. Havia ao todo, 6 torres, interligadas antes da ereção dos Torreões, e presume-se, a tal  galeria subterrânea, que ia sair ao sopé do monte no sítio chamado Vale Bom.

            Sabemos, por dois documentos, um de D. Teodósio II e outro de D. João IV (Rei), que o Paço do Conde já se encontrava muito deteriorado antes de 1714, mas ainda conservava alguns compartimentos (o quarto do Conde) e parte dos telhados, de acordo com a mediação e demarcação feita nesse ano pela Sereníssima Casa de Bragança. 

            Os Torreões (3), também do Século XV (um dos quais é maior), ficaram incorporados na Muralha da Vila para reforço da vigilância. Combinam, tal como o Paço, o estilo Árabe de Marrocos com o Italiano do Castelo de Ferrara e serviram, especialmente, durante o período hostil vivido depois de Aljubarrota, quando pendia uma ameaça de novas invasões por parte de Castela.

            O Torreão da direita (3 b), que é o maior, ostenta uma escultura com as armas do IV Conde de Ourém.

            Dos Torreões ainda se avista num dia, com o céu limpo, a província Espanhola de Cáceres, a pouco mais de 90 quilometros de distância, em linha recta.

Pedra esculpida com rosto humano encontrada no Castelo e provavelmente uma ornamentação da antiga Igreja de São Tiago. 
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            Dentro de cada Torreão existiam corredores que ligavam a salas,  com tecto em abóboda, por cima das quais encontramos varandas exteriores e uma célebre janela gótica.  Estes espaços deviam ter servido de armazéns para mantimentos e armas. 

            Ainda pouco antes do restauro de 1930, e até depois, eram utilizadas pelos moradores como celeiros e lá dormiam enquanto a colheita secava para que ninguém a roubasse .

            Ainda há muita gente que se recorda de ver o transporte das vigas gigantescas para o Paço do Conde, no restauro dos anos 1930.  Estas foram transportadas pelo Sr. José do Júlio no chassis de um Reo-Svped-Vagon, que teve de levar a carroçeria desmanchada para passar ás Portas de Santarém.

            Morreu nas obras de restauro do Castelo, um homem e ficou ferido outro, tendo ambos caído de um andaime. O que faleceu era  da familiar do tal transportador de materiais.

No Paço era diariamente hasteada a bandeira da Casa de Bragança. No  tempo de D. Teodósio II foi passado um título de emprazamento à família de Affonso Ferraz Guilherme, que deveria possuir, “como seus sucessores, os terrenos anexos, pertencendo ao terreno pequeno, que fica ao poente, um cerrado aforado por 100 reis, e o maior, que está ao nascente, o chão entre os dois torreões, aforado também por 80 reis.” Este título foi renovado por D. João IV e demonstra o desinteresse da Casa de Bragança em Ourém e no Paço, já naquela época. 

            Este Paço e os Torreões só passaram novamente para a posse da Sereníssima Casa graças ao facto de, depois do Terramoto de 1755 a descrição no título dessa família Guilherme já não coincidir com a descrição das ruínas, e assim os juízes,  nomeados pelo Marquês de Pombal, e a favor do Morgado, anularam o título, para desgosto dessa família local.

Fotografia num Postal de 1915 mostra o estado dos torreões.
Nota-se na legenda o uso errado do termo popular “Castellos” em vez de Castelo para descrever o conjunto. Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)

            Conhecidos popularmente por “Castelos” ou “Castelo da Eira”, os Torreões (3)ainda resistiram quase intactos ao Terramoto de 1755,  sendo o mais alto, como já referi, desmoronado por um raio, durante uma forte tempestade, no Século XIX .

            Já nos finais do Século XIX, Ernesto Korrodi arquitecto Suíço que assumiu a direcção técnica e o parecer artístico das obras  do restauro do Castelo de Leiria, para a Liga dos Amigos do Castelo de Leiria tentou incentivar o Morgado a restaurar o Castelo de Ourém.

Colecção Raúl Espírito Santo Júlio (Cedido ao Arquivo da Fundação Oureana)

            Foram reconstruídos lentamente entre 1933 – 38,  durante  o governo do Estado Novo que tencionava restaurar os 101 Castelos de Portugal, para o centenário em 1940. 

Foi Mestre de Obras do projecto de recuperação o Sr. Raúl Marques da Graça, tio da esposa do escritor Ouriense Sr. Carlos Pereira.

            Uma lápide colocada junto à entrada do Paço ainda recorda esse centenário em 1940.

            Infelizmente, telharam os Torreões com telha lusa (medieval ?) mas talvez, se não tivessem telhados ou se tivessem usado telha de canudo,  já teriam caído há muito tempo.

            Por entre os dois Torreões, na Muralha da Vila, há um porta chamada a Porta da Traição (4),  que corria em vertical, puxada por um peso e por onde se podia sair para um carreiro que dava para os terrenos de cultivo na encosta e para “Valbom”.

É escusado dizer que se o Castelo de Ourém não tivesse sido quase totalmente restaurado pelo Estado Novo na década de 1930 não teria o aspecto agradável que hoje tem dado que era somente uma triste ruína antes dessa intervenção que já não seria possível levar a cabo.

Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
Calçada Medieval
Fotografia da Colecção John Haffert (Arquivo Fundação Oureana)
May be an image of outdoors and monument
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors and monument
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors and monument
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be a black-and-white image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors and tree
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of monument, outdoors, castle and text
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of monument, brick wall and outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of monument and outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors and monument
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of outdoors and castle
Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.
May be an image of one or more people, people standing and outdoors
Fotografia existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico das Obras de Restauro da muralha exterior da Vila Medieval de Ourém mas traseiras da Casa que foi moradia de John Haffert.
May be an image of monument and outdoors
Portas de Santarém numa Fotografia das Obras de Restauro do Castelo de Ourém existente no arquivo do SIPA; Sistema de Informação para o Património Arquitectónico.

25 de Agosto de 2021

Textos e Fotos de Arquivo: Fundação Oureana

Todos os Direitos Reservados / Reprodução interdita

Paróquia de Palhais apresenta “Relíquias da Paixão”

Diocese de Setúbal

Todas as relíquias de Jesus Cristo, mesmo os mais simples objetos, impressionam e comovem a alma cristã, infundem profundo respeito e, ao mesmo tempo, causam intensa atração. A sede de divino, inerente a todo homem, sente-se em algo atendida, ao contemplar uma delas.

Dessas inapreciáveis relíquias, o Sudário de Turim é talvez a mais conhecida, em razão das reiteradas tentativas de negar sua autenticidade.

Carlos Evaristo, especialista em relíquias, estará no salão da Igreja de Santo António da Charneca na tarde do domingo de ramos, 25 de março, a partir das 16 horas para apresentar as sagradas relíquias da Paixão e falar sobre cada uma delas.

Uma oportunidade incrível para todos os curiosos que queiram conhecer melhor a Paixão de Jesus através das suas relíquias. Relíquias verdadeiras? Forjadas ao longo dos séculos? Carlos Evaristo irá esclarecer todas as pessoas.

Pe. Tiago Veloso, pároco de Palhais/Santo António

10 de Março de 2018

FONTE: https://diocese-setubal.pt/2018/03/10/paroquia-de-palhais-apresenta-reliquias-da-paixao/?fbclid=IwAR2C6EDkYb4YqSrq6K3FYfSp_9V1cKVY1k6yRQwsmPFIR9QnImE-gD8Mx9g

Fundação Oureana celebra protocolo com a Fundação Amália Rodrigues

Mundo Português

12 AGOSTO, 2019 ATUALIDADEFacebookTwitterE-mail

Fundação Oureana celebra protocolo com a Fundação Amália Rodrigues
Os Membros do Conselho de Curadores e Direcção de ambas as Fundações

No âmbito das Celebrações do Centenário de nascimento de Amália Rodrigues, que já arrancaram no passado dia 23 de Julho, a Fundação Amália Rodrigues criada por testamento da própria, acaba de celebrar um importante Protocolo de Cooperação com as Fundações Histórico Cultural Oureana e D. Manuel II, ambas ligadas à figura da saudosa Fadista.

A assinatura do Protocolo teve lugar na emblemática Sala da Casa Museu Amália Rodrigues na Rua de São Bento número 193, em Lisboa, e reuniu Joaquim Vicente Rodrigues, Presidente da Fundação Amália, D. Duarte Pio, Duque de Bragança Presidente da Fundação D. Manuel II e Carlos Evaristo, Presidente da Fundação Oureana.

O Protocolo prevê parcerias e patrocínios para a realização urgente de vários projetos que as Fundações parceiras pretendem realizar durante o Centenário, incluindo eventos, exposições, edições, sinalização, recolha e conservação de espólio e a publicação de um Catalogo para o visitante da Casa Museu.

Carlos Evaristo assina o Protocolo

Para D. Duarte, que era amigo pessoal da Fadista e frequentava a casa desde muito jovem acompanhado de sua tia, a Infanta D. Filipa e da Marquesa D. Olga Cadaval, grande Patrona das Artes, “Este Protocolo representa um profundo respeito que sempre tivemos pela Amália e pelo que fez pela Cultura e por Portugal. É o testemunho de uma amizade pessoal que se manteve até ao fim da sua vida e o compromisso de continuar a ajudar a preservar a sua memória.”

Carlos Evaristo que era também amigo pessoal da Fadista recorda que “este Protocolo é oportuno porque não só vem a propósito do Centenário do seu nascimento mas também no abrir do 25º Aniversário da Coroação da Rainha do Fado. A criação da Fundação Oureana e do seu Departamento “Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado” foi criada no dia 12 de Agosto de 1995 tendo como Madrinha Amália Rodrigues que nesse memorável simbolicamente encerrou a sua carreia como cantora tendo sido homenageada e Coroada na 1ª edição do Prémio de Carreira da Fundação na categoria de “Rainha do Fado”. É oportuno recordar que foi nesse dia que foi inspirada a criar uma Fundação para preservar o seu legado que temos obrigação de ajudar a preservar e a perpetuar pelo que representa para Portugal e para tantos emigrantes e estrangeiros no Mundo por onde passou com uma verdadeira Embaixatriz da Cultura Portuguesa.”

Joaquim Vicente Rodrigues pretende com este Protocolo e com toda uma série de projetos apresentados para o Centenário, “ajudar a criar pontes entre organizações e estabelecer normas para salvaguardar o património da qual a Fundação tem responsabilidade de manter perante a memória da testamentária e do mundo de fãs e admiradores que esperam isso. A nova Direção ao assumir este compromisso quer num espírito de total transparência e abertura de colaboração encontrar meios para garantir a continuidade da Fundação e preservação do nome e da imagem como marca e do espólio de recordações que marcaram a vida de Amália Rodrigues”.

23 de Julho de 2020

FONTE: https://www.mundoportugues.pt/fundacao-oureana-celebracao-de-protocolo-com-a-fundacao-amalia-rodrigues/

Programa Medieval da Fundação Oureana Comemora 50 anos

No photo description available.
John Haffert brinda aos convidados no dia 15 de Agosto de 1971: Hoje, a taça de prata que usou e o traje Medieval que vestiu estão expostos no Museu do Restaurante Medieval.

As celebrações aniversarias dos 25 anos da Fundação Oureana (e do seu Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado) e também dos 50 anos do Restaurante Medieval, tiveram início a 26 de Setembro de 2020 mas culminam este ano com celebrações comemorativas dos 50 anos da estreia do Programa Medieval.

No photo description available.
O 2º Gerente da firma Castelos de Portugal Turismo Lda.; Vasco Sequeira Costa, (no papel de D. Nuno Álvares Pereira) reúne com as primeiras empregadas do Restaurante Medieval para um ensaio geral e sessão fotográfica promocional do Programa Medieval e do espetáculo ” Os Sete Espíritos do Castelo” (Castelo de Ourém, Verão de 1970)

Já se passaram 26 anos anos desde que John Haffert criou a Fundação Histórico – Cultura Oureana e 51 anos desde que criou o Restaurante Medieval, mas este ano de 2021, celebra-se os 50 anos da estreia de um Programa Medieval que trouxe mais de 3.5 milhões de turistas ao Castelo de Ourém.

No photo description available.
Vasco Sequeira Costa encarna o espírito de D. Nuno Álvares Pereira no Castelo de Ourém no Verão de 1970.

A Rota dos “Sete Castelos de Portugal”

O Programa Medieval; Banquete dos Reis teve várias antestreias ou ensaios gerais com convidados participantes, mas os principais ensaios tiveram lugar na Sexta-feira 13 de Agosto de 1971 e no Sábado, 14 de Agosto de 1971. Estas datas foram especialmente escolhidas por John Haffert por coincidirem com os aniversários da 4ª Aparição de Nossa Senhora em Fátima e a Vitória de D. Nuno em Aljubarrota em 1385.

No photo description available.
Decoração primitiva do Salão D. João I do Restaurante Medieval (1971).

O Programa seria oficialmente inaugurado, a 15 de Agosto de 1971, Festa de Nossa Senhora da Assunção, Dogma definido pelo Papa Pio XII em 1950 e a principal Festa Mariana que D. Nuno Álvares Pereira, III Conde de Ourém celebrava de forma especial, sendo ele particular devoto da Virgem Santa Maria sob esta mesma invocação.

Foi assim a maneira que o criador do projecto, John Haffert, encontrou para homenagear Nossa Senhora de Fátima e o Santo Condestável aquém ele chamou de “Percursor de Fátima” na biografia que escreveu ainda antes de vir a Portugal pela primeira vez em 1946. Já o Papa Pio XII, amigo pessoal de Haffert, havia sido quem aprovou o Exército Azul Ad Experimentam durante 100 anos.

May be an image of 2 people
As empregadas Ourienses do Restaurante Medieval vestem os fatos Medievais distribuídos pelo Gerente Vasco Sequeira Costa na Sede da TAP em Lisboa na manhã do dia 15 de Agosto de 1971.
No photo description available.
Vasco Sequeira Costa acompanhado do Presidente da Câmara Municipal de Ourém Professor Mário Albuquerque e sua mulher. Foi Vasco Sequeira Costa de facto o primeiro Gerente da firma Castelos de Portugal. Voltou ao Restaurante Medieval em Agosto do ano de 2000, altura em que foi foi homenageado por ocasião do 30º Aniversário do Programa Medieval.

Parcerias com a TAP e a RTP

O projecto que pretendia principalmente trazer nova vida ao Castelo de Ourém, nasceu de parcerias entre a agência de viagens Fátima Travel, a Castelos de Portugal Turismo Lda., a TAP – Air Portugal, Companhia Portuguesa de Transportes Aéreos e a RTP; Rádio Televisão Portuguesa.

May be an image of 5 people
O Gerente Vasco Sequeira Costa, (no papel de D. Nuno Álvares Pereira) com as primeiras empregadas do Restaurante Medieval (Castelo de Ourém, Verão de 1970).

Esta parceria foi sugerida pelo Presidente do Conselho de Ministros, o Professor Marcelo Caetano. Caetano pretendia dar a conhecer aos turistas estrangeiros os sete Castelos no Centro do país; nomeadamente os Castelos de Óbidos, Almourol, Torres Novas, Tomar, Leiria, Porto de Mós e Ourém.

A ideia vinha no seguimento de uma proposta feita anteriormente em 1955 ao Professor António de Oliveira Salazar pelo Fundador e Director do Exército Azul, Apostolado Mundial de Fátima .

No photo description available.
As primeiras empregadas do Restaurante Medieval (Castelo de Ourém, Verão de 1970).

O pacote turístico seria vendido internacionalmente pela TAP através de agências de viagens mas também seria promovido pela Fátima Travel, (agência de viagens de John Haffert que estava ao serviço dos 80 milhões de membros do Exército Azul e de outros Apostolados de Fátima fundados pelo mesmo).

No photo description available.
As primeiras empregadas do Restaurante Medieval (Castelo de Ourém, Verão de 1970).

O pacote de uma semana em Portugal incluía as passagens aéreas, de ida e volta (com voos a partir de todas as grandes Cidades dos Estados Unidos da América onde a TAP fazia escala). Os transferes entre as casas dos passageiros e os aeroportos eram realizados por táxi ou em carrinha shuttle e todo o transporte terrestre em Portugal, desde a chegada até à partida eram da responsabilidade da firma Castelos de Portugal Turismo Ldª. O alojamento era em Pousadas do Estado com todas as refeições e visitas guiadas incluídas aos monumentos de Lisboa e Fátima e aos sete Castelos já referidos.

O Corte da Fita pelo Secretário de Estado da Informação e Turismo com a bênção da Pedra do Brasão de Armas da firma, (hoje brasão da Fundação Oureana) pelo Bispo de Leiria D. João Pereira Venâncio. Á esquerda, junto ao Secretário de Estado pode-se ver o 3º Gerente da firma Castelos de Portugal Turismo Ld.ª, o Promotor Turístico Rafael Palácios.
O Brasão de pedra benzido a 15 de Agosto de 1971 ainda se pode ver na fachada do Paço Novo dos Cónegos, sede do Restaurante Medieval e da Fundação Oureana.

O programa dos Parceiros Protocolares culminava com a estadia em Fátima dos passageiros no Hotel Domus Pacis pertença do Exército Azul Americano e também fundado por John Haffert. Na véspera do voo de regresso tinha lugar ao jantar um Banquete Medieval de despedida. Este Banquete era servido a rigor no Restaurante Medieval e durante o mesmo eram aclamados e Coroados; o Rei e a Rainha para alegria de todos os membros da corte trajados a rigor.

John Haffert em conversa com o Presidente da TAP e o Bispo de Leiria.

A inauguração do Programa Medieval, a 15 de Agosto de 1971, contou com a presença do Secretário de Estado da Informação e Turismo que veio em Representação Oficial do Presidente do Conselho de Ministros Marcelo Caetano. Acompanhava o mesmo o Presidente da TAP e o Director Geral da RTP; Rádio Televisão Portuguesa. Esta última também parceira do projecto no que tocava à decoração do Restaurante Medieval e à divulgação internacional do programa. Convidados especiais da Igreja incluíam o Bispo de Leiria – Fátima, o Reitor do Santuário, os Párocos de Fátima e Ourém e vários Bispos e arcebispos em representação do Vaticano e do Exército Azul dos Estados Unidos.

As Velas com as cruzes dos Pereiras e da Ordem de São Bento de Avis eram feitas na Casa de Velas Loreto em Lisboa e a loiça de barro fornecida pelas cerâmicas do Juncal. Já os castiçais e as taças Medievais de prata, frequentemente roubadas e por isso se deixaram de usar, eram feitas por artesãos no norte.
No photo description available.
Programa do espetáculo Os Sete Espíritos do Castelo traduzido para Inglês, Francês e Alemão.

Os Sete Espíritos do Castelo

Durante o Banquete Medieval tinha lugar um espetáculo audiovisual e teatral denominado Os Sete Espíritos do Castelo. Escrito por John Haffert, o mesmo contava, de forma resumida e com recurso à projeção de slides e figuração em pantomina, as histórias de sete personagens históricas e lendárias do Castelo e Condado Ouriense; D. Afonso Henriques, a Rainha D. Teresa, a Princesa Moura Fátima – Oureana, a Rainha Santa Isabel, D. Pedro e D. Inês de Castro, D. Leonor Teles e o Conde Andeiro, D. Nuno Álvares Pereira e depois de 1974, Nossa Senhora de Fátima com os três Pastorinhos.

Após o 25 de Abril certos grupos pediam que o Espírito da Rainha Santa Isabel distribuísse cravos vermelhos em vez de rosas aos participantes dos banquetes.

No photo description available.

O espetáculo que foi visto por quase quatro milhões de pessoas ainda é recordado por muitos e jamais podia ser alterado de acordo com a vontade de John Haffert expressa nos Estatutos da Fundação que criou em 1995 aquando do 25º Aniversário da inauguração do Programa Medieval. No entanto, em 1998, Carlos Evaristo, numa primeira fase de restruturação do Restaurante Medieval, criou um programa e espetáculo alternativo, aprovado por John Haffert e Amália Rodrigues, e que estreou pelo 30º Aniversário do programa original.

May be an image of 1 person
Durante décadas, os fatos dos sete Espíritos do espetáculo do Restaurante Medieval eram emprestados aos empregados da firma para serem usados durante os desfiles e festas de Carnaval.

O novo Programa substituía alguns factos e figuras lendárias, que embora fizessem parte de historias ensinados na escola durante o Estado Novo, vieram a ser retiradas dos livros escolares depois do 25 de Abril de 1974. Tais histórias por vezes faziam algumas pessoas que viam o espetáculo comentarem que os Americanos ensinavam “a história de Portugal aos disparates”.

No photo description available.No photo description available.No photo description available.No photo description available.No photo description available.No photo description available.

“Foi o caso da única reclamação que existe no livro de reclamações da firma Castelos de Portugal Turismo Lda. A única queixa durante todos os anos em que teve actividade”, conta aquele que foi o último Gerente da firma, Carlos Evaristo.

Única reclamação registrada contra o Programa Medieval foi da Cantora Maria Guinot

Carlos Evaristo: “Não foi no meu tempo, mas encontrei uma cópia dessa famosa queixa guardada religiosamente numa moldura. Estava pendurada numa das paredes nas traseiras do palco e está hoje no arquivo da Fundação. O documento tinha sido colocado numa moldura pelo casal Braun como motivo de orgulho Católico segundo a inscrição e isto pelo facto de ter sido a conhecida Cantora do Festival da Eurovisão, Maria Guinot, a escrever a reclamação. Nela, a cantora também protestava o facto de lhe ter sido entregue a si e aos membros do seu grupo, um terço e um escapulário na última cena do espetáculo que relembrava as Aparições de Fátima, cena essa que foi introduzida já pelo casal Braun com duas crianças a fazerem de Jacinta e Francisco a distribuírem estas lembranças no final de cada Banquete. Parece que a cantora tinha vindo ao Restaurante Medieval com um grupo do Partido Comunista ou militantes do CDU os quais ficaram incomodados com as repetidas referências a Fátima e às profecias de Nossa Senhora no Programa de Haffert e particularmente as referências à conversão da Rússia. Por esse motivo a cantora reclamou. O conhecimento desse facto levou-nos a criar um programa alternativo para as pessoas, que tal como a Maria Guinot, podiam ficar ofendidas. É facto que inicialmente o Programa tinha sete cenas mas com a adição da cena de Nossa Senhora de Fátima pelo casal Braun, já eram oito. Quando eu cheguei havia grupos antigos que ainda queriam o programa tradicional mas a maior parte queria o programa novo que já tinha figuras históricas de verdade como D. Afonso, IV Conde de Ourém e D. João IV, entre outras.”

No photo description available.
No final dos Banquetes duas crianças faziam o papel dos Pastorinhos Jacinta e Francisco Marto e distribuíam lembranças de Fátima para agrado dos Peregrinos Americanos.

Em 2004, um documentário de 60 minutos intitulado Os Espíritos do Castelo de Ourém foi produzido por Carlos Evaristo e o Padre John Guilbert Mariani para a Crown Pictures. Este filme passou a substituir ambos os programas sendo projectado em várias línguas para os grupos durante os Banquetes Medievais e isto até ao encerramento da firma Restaurante Medieval Oureana Lda., em 2008.

No photo description available.
Dom Duarte de Bragança com John Haffert no 1º Aniversário do Programa Medieval (1972).

O documentário contou com a participação de D. Duarte de Bragança, actual Chefe da Casa Real Portuguesa e Conde de Ourém. Realizado em língua inglesa, o documentário passou várias vezes no Canal História dos Estados Unidos da América, depois da sua exibição ter sido descontinuada no Restaurante Medieval.

No photo description available.
Dois Pajens tocavam Charamelas dos Torreões do Castelo de Ourém à chegada dos grupos, enquanto um Cavaleiro descia a encosta a cavalo para distribuir programas.
Dois Pajens tocavam as Charamelas dos Torreões do Castelo de Ourém à chegada dos grupos mas na realidade o som era gravado e tocado numa aparelhagem ligada a um megafone no exterior do torreão sul. A partir de 1995 o toque de charamela passou a ser uma actuação ao vivo de Carlos Evaristo que havia tocado trombeta na Orquestra do liceu no Canadá. As bandeiras com o brasão de D. João I nas charamelas eram de facto estandartes antigos da Mocidade Portuguesa que o Capitão Mascarenhas Barreto trouxe da sede desse movimento.

“Fátima Travel” e “Castelos de Portugal Turismo Lda.”

As reservas do pacote turístico Os Sete Castelos de Portugal eram feitas principalmente através da agência de viagens Fátima Travel que John Haffert iniciou como operadora turística em 1946 e oficializou como empresa em 1967. Esta tinha de facto uma cadeia de agências de viagens que formava um grupo com sede em Nova Jersey, Estados Unidos da América. O grupo incluía outras operadoras turísticas de Haffert com programas específicos; a Avé Maria Tours (organizava peregrinações somente a Santuários Marianos), a Romana School (organizava somente peregrinações a Roma e a Santuários Italianos), a Catholic Traveler Holidays (organizava pacotes turísticos espirituais para famílias Católicas), a St. Christopher Tours (organizava viagens a lugares históricos europeus) e a Three to Five Étapes (organizava viagens prolongadas superiores a duas semanas) .

É de referir que durante o tempo em que John Haffert conduziu os empreendimentos turísticos da Fátima Travel (1967 – 1990) e até a empresa ter sido vendida no início da década de 1990, o Programa Medieval trouxe mais de 3.5 milhões de peregrinos a Fátima e ao Castelo de Ourém. A agência de Haffert tornou-se assim reconhecidamente na maior agência de viagens Católica de todos os tempos.

Convite Oficial para a Inauguração do Banquete Medieval, no dia 15 de Agosto de 1971.

As famosas Carrinhas do Restaurante Medieval

Os transportes terrestres do Programa Medieval eram garantidos por uma frota de mini autocarros da marca Mercedes – Benz. Estas viaturas fabricadas na década de 1960, foram compradas em segunda mão, ao Exército por Haffert.

Motoristas com Carta de Pesados Passageiros paga pela firma e uma equipa de Guias especializadas completavam a equipa de funcionários do Restaurante Medieval em Ourém que somava 32 empregados e colaboradores na época áurea do programa.

No photo description available.
As Carrinhas foram restauradas em 1995 e decoradas por Carlos Evaristo e Jorge Gonçalves. No ano de 2000 deixaram de servir e foram oferecidas por John Haffert a Raúl Espírito Santo Júlio que afirmava querer restaurar as mesmas para as colocar de novo ao serviço do turismo em Ourém.

O Programa Medieval do Restaurante Medieval era um serviço garantido pela empresa Portuguesa, Castelos de Portugal Turismo Lda., fundada de propósito para o efeito a partir de uma sociedade existente entre a Fátima Travel e John Haffert. Haffert por sua vez era sócio maioritário de ambas as firmas para assim manter a integridade do programa por ele criado.

John Haffert brinda os convidados no Banquete Inaugural do Programa Medieval que estreou-se a 15 de Agosto de 1971. Na fotografia pode-se ver, à esquerda; o Bispo Jerome Hastrich, Capelão do Exército Azul, José Heleno da Estalagem D. Gonçalo e Armando Mendes do Hotel Solar da Marta. À direita; Albino Frazão, dono da Agência de Viagens Verde Pino e o Padre Carlos Querido da Silva, Pároco de Ourém e amigo de longa data de Haffert.

A firma Castelos de Portugal Turismo Lda., dissolvida em 1996 com a criação da Fundação Oureana, teve como primeiro Gerente o Luxemburguês Camile Paul Berg. Berg era compadre de Haffert e Director da Fátima Travel mas faleceu antes da inauguração do Restaurante Medieval em 1970, e por isso nunca exerceu o cargo de Gerente em Ourém.

Foi depois nomeado segundo Gerente da firma por indicação do Secretário de Estado da Informação e Turismo, um empresário de nome Vasco Sequeira Costa, irmão do famoso Pianista José Carlos de Sequeira Costa, mas que só se manteve no cargo até à inauguração.

Seguiram os Gerentes; Rafael Palácios, Anastácio Gonçalves e Joseph Howard Braun (um músico e comediante Americano mais conhecido por “Mister Brown”) que se manteve no cargo durante 28 anos até ser exonerado por John Haffert em 1995, após ter sofrido um AVC que o deixou incapacitado.

O Logotipo da Castelos de Portugal Turismo Lda., hoje Brasão da Fundação Oureana, foi desenhado pelo punho de John Haffert. Incorpora a águia de Ourém coroada de uma Coroa Condal para relembrar o antigo Condado Ouriense e seus Condes. Num escudo ao peito estão colocados os sete Castelos da Bandeira Nacional e do programa criado com a TAP e a RTP. Ao centro; estão duas pombas brancas de Nossa Senhora de Fátima desenhadas em forma de duas mãos postas em oração para assim relembrar o Exército Azul fundado por John Haffert e Monsenhor Harold Colgan em 1947. Estas pombas sustentam uma Cruz branca, a de D. Nuno Alvares Pereira que é suspensa por um fio dependurado em forma de um Coração simbolizado assim o Triunfo do Imaculado Coração de Maria profetizado em Fátima em 1917.

Foi último Gerente da empresa Castelos de Portugal Turismo Lda., Carlos Evaristo, nomeado pelo seu compadre John Haffert. Manteve-se no cargo até 1997, altura em que se extinguiu a firma e foi criada a firma Restaurante Medieval Oureana Lda.

Carlos Evaristo veio do Canadá em 1990 e possuía uma larga experiência no ramo turístico, tendo sido Agente de Viagens na firma de família Coimbra Travel Agency, a primeira agência de viagens Portuguesa em Toronto. Evaristo era também Guia Turístico e Interprete Oficial certificado pelo Consulado Geral de Portugal no tempo do Cônsul Dr. António Tânger Correa. Entre 1990 e 1992 Evaristo organizava Peregrinações a Fátima e a outros Santuários a partir do Canadá e dos Estados Unidos da América e isto para a Fátima Crusader e a Fatima Family Messenger. Estes apostolados haviam sido fundados por Sacerdotes, ex-Capelães do Exército Azul nomeados por John Haffert, que acabaram por abandonar o apostolado para fundarem as suas próprias organizações.

No photo description available.
O último Gerente da Castelos de Portugal Turismo Lda., Carlos Evaristo (ao Centro) com parte da equipa de funcionários do Restaurante Medieval (que na altura eram 15 funcionários incluindo cozinheiras, motoristas e um cavaleiro). O grupo foi fotografado em 1995 pelo Fotografo da Casa Manuel Gonçalves (Sardinha). Celebrava-se então o 25º aniversário do Restaurante Medieval. A segunda pessoa da esquerda é a D. Michele Braun, Mestre Organista e mulher do antigo Gerente Joseph Howard Braun.
No photo description available.
Em traje Medieval, Margarida Evaristo, a última Sócia – Gerente do Restaurante Medieval Oureana Lda. com parte da sua equipa de empregadas e colaboradoras.

Da Castelos de Portugal Turismo Lda. ficou o nome dado a uma associação criada em 2010 por Carlos Evaristo e John Mathias Haffert para assim servir de Departamento da Fundação Oureana para preservação da memória do Programa e Espetáculo Medieval do Restaurante Medieval.

Augusto de Cassiano Mascarenhas Barreto, o “Capitão Barreto” de John Haffert.

A Contribuição do Capitão Barreto e da RTP

O maior contributo para a criação do Restaurante Medieval e do Programa do mesmo veio de outra figura do Estado Novo, nomeadamente o Professor Augusto Cassiano de Mascarenhas Barreto. Popularmente conhecido por Capitão Barreto por ter sido da Guarda Nacional Republicana, o mesmo era Chefe da Escolta do Presidente da Republica e um historiador que havia sido também Campeão Olímpico de Esgrima e Chefe da Censura da RTP.

Mascarenhas Barreto era também pioneiro nos estudos da teoria do Colombo Português e autor de livros de Fados e de Tauromaquia e juntamente com o artista José Garcês, co-autor de livros de banda desenhada. Foi Director da Torre de Belém e preparou várias exposições com a temática Medieval. Tinha também à sua disposição armazéns de adereços e decorações de produções medievais do Estado Novo, da Mocidade Portuguesa e da RTP. Era também artista tendo pintado as tapeçarias que decoram o Salão D. João I do Restaurante Medieval e desenhado todo o mobiliário Medieval e as vestes Medievais dos empregados e dos sete espíritos do Castelo.

Um Departamento da Fundação Oureana recorda hoje o contributo de Macarenhas Barreto e conserva os diversos estudos e artefactos do génio falecido em 2017.

May be an image of 3 people
Augusto Mascarenhas Barreto, John Haffert e Patricia Margaret Haffert fazem de Rei, Rainha e Conde de Ourém durante o Banquete da estreia do novo Programa sete Espíritos do Castelo estreado em 1996 pelo 25º Aniversário do primeiro Programa de Haffert e Barreto.

O Cavaleiro a Cavalo

Outro grande contributo do Capitão Barreto para o Programa Medieval foi o ter ensinado a montar a cavalo o jovem Augusto Pereira Gonçalves (neto de Joaquim Pereira Gonçalves, o homem que havia vendido a John Haffert a maioria dos terrenos e imóveis no Castelo de Ourém). Fê-lo num picadeiro improvisado que criou junto ao Castelo de Ourém. Augusto tornou-se no primeiro Cavaleiro do Programa Medieval do Castelo de Ourém e a uma celebridade para além fronteira.

Esta imagem tem um texto alternativo em branco, o nome da imagem é image-28.png
A mais antiga fotografia de Augusto Pereira Gonçalves, envergando o traje de Cavaleiro Medieval, data dos ensaios de 1970.

O cavalo do Programa Medieval era um de dois que foram adquiridos por Haffert (um branco e um castanho) e que haviam pertencido a toureiros famosos amigos de Mascarenhas Barreto. Estes animais depois de brilharem nas arenas durante anos viveram uma feliz reforma em Ourém onde encantavam os visitantes.

Um dos primeiros Cavaleiros a cavalo com um Pajem e as Damas de Charamelas dão as boas vindas aos visitantes junto aos portões das Cavalariças e Escritório da firma, hoje Sede da Regalis Lipsanotheca e Capela Memorial da Casa de Velório da Fundação o serviço da Junta de Freguesia.
Augusto Pereira Gonçalves a cavalo dá as boas vindas aos visitantes junto às Portas de Santarém do Castelo de Ourém. Fotografia tirada após o 25 de Abril numa altura em que a bandeira de Portugal actual substituía a do Reinado de D. João I nas Charamelas.

É ainda o Cavaleiro de serviço do Programa Medieval e desde 1995, Jorge Manuel Reis Gonçalves, que juntamente com Carlos Evaristo, formavam a última dupla que fazia recepção aos visitantes até 2010.

No photo description available.
O Cavaleiro Jorge Gonçalves com o traje vermelho de Conde de Ourém.
Jorge Gonçalves com o traje de D. Nuno Álvares Pereira e Carlos Evaristo com o traje de D. João I davam as boas vindas aos visitantes junto ao Paço do Conde.
Desde 1971 e até 1975, toda a comida servida no Restaurante Medieval era confecionada previamente no Hotel Domus Pacis em Fátima e transportada, sem que ninguém soubesse, nos vagões das carrinhas que transportavam os visitantes a Ourém. A comida era depois aquecido em estufas que havia no local. Mas após a Diocese de Leiria ter ilegalmente ocupado o Hotel do Apostolado Americano, foi criada pelo Gerente Joseph Braun uma cozinha de improviso no Restaurante Medieval que serviu até à remodelação do edifício em 2010.
Os Leitões expostos na Mesa Real e fotografados durante a o Banquete Inaugural

Companhia Aerea “Skystar International Inc.” e “Queen of the World Enterprises”

Com o 25 de Abril de 1974 as parcerias com a TAP e a RTP cessaram. Haffert era tido como uma figura Católica conservadora com a imagem ligada à Igreja e ao antigo regime de Salazar. O mesmo passava-se com Mascarenhas Barreto que viu o registo dos anos em que trabalhou para a RTP destruídos para assim o impedir de receber uma reforma do Estado.

Para dar continuidade ao Programa Medieval, Haffert entrou em parceria, primeiro com a CATUR e depois outras agências de viagens e hotéis em Lisboa e Fátima. Para resolver o problema do transporte em aviões Haffert decidiu comprar dois Boeings; um 707 e um 737 (Baptizados de “Rainha da Paz” e “Rainha do Mudo”) e que passaram a fazer escala, várias vezes por semana, entre Portugal e os Estados Unidos da América, trazendo assim a Fátima e Ourém cerca de 20, 000 visitantes por ano até 1992.

Panfleto da TAP que publicitava o Banquete Medieval no Castelo de Ourém por $28.00

A 8 de Setembro de 1983, Festa do Nascimento de Nossa Senhora, John Haffert escreveu uma carta pessoal ao Presidente dos Estados Unidos da América, Ronald Reagan. Haffert conhecia Reagan pessoalmente desde os dias em que o Presidente era Governador da Califórnia, logo depois de ter sido actor em Hollywood e de ter aparecido e colaborado, várias vezes, nos Programas Católicos da larga audiência na TV e Rádio, produzidos pelos Membros do Exército Azul; o Arcebispo Fulton J. Sheen e o Padre John Peyton. Ambos os religiosos eram grandes amigos de Haffert e devotos e promotores de Fátima e da devoção do Santíssimo Rosário.

Graças ao seu carisma Haffert conseguiu desbloquear o licenciamento dos aviões, em tempo recorde, para que os mesmos continuassem a levar peregrinos a Portugal e a outros destinos, até 1992 quando Haffert vendeu os aviões devido aos ataques terroristas. Passou depois a fretar aeronaves da TAP de outras companhias aéreas para assi, realizar os chamados Voos da Paz que costumavam levar 1200 pessoas a diversos destinos Católicos a rezarem pela conversão da Rússia e a Paz Mundial.

No photo description available.
A Recepção inaugural do Programa Sete Castelos teve lugar em 1971 na Sede da TAP Air Portugal com um cocktail servido no Hotel Ritz em Lisboa.
No photo description available.
A apresentação do Programa Sete Castelos teve lugar em 1971 na Sede da TAP Air Portugal com um cocktail servido no Hotel Ritz em Lisboa.
No photo description available.
O Banquete inaugural do Programa Sete Castelos da TAP (1971).
No photo description available.
O Banquete inaugural do Programa Sete Castelos da TAP.
No photo description available.
O Banquete inaugural do Programa Sete Castelos da TAP.
No photo description available.
O Banquete inaugural do Programa Sete Castelos da TAP.
No photo description available.
A Apresentação pelo Presidente da TAP do Programa Sete Castelos.

Segundo os panfletos publicitários da TAP, o preço do programa completo em 1971, com passagens aéreas dos Estados Unidos da América, era de somente $462.00 Dólares Americanos e isto na época baixa. Já na época alta o preço subia para $552.000. O preço do Programa Medieval em Ourém, incluindo transporte entre os Hotéis em Lisboa e o Castelo e o Banquete no Restaurante Medieval era de $28.00 Dólares Americanos ou 450$00 Escudos.

No photo description available.
No photo description available.
A Região de Turismo Rota do Sol atribuiu a Pinha de Ouro a John Haffert pelo grande número de peregrinos que trouxe à região durante mais de 50 anos.

A Fundação Oureana: o Legado de John Haffert e seu Colaboradores

Foi na Sexta-feira, 11 de Agosto de 1995, que no Escritório Notarial de Ourém, foi lavrada a escritura de constituição da Fundação Oureana, aquela instituição que iria preservar o legado de John Mathias Haffert e do seu Restaurante Medieval. Presentes no acto com Haffert estavam seu compadre e Secretário Carlos Evaristo e o Solicitador Ouriense António Rodrigues Vieira (Bragança) a pessoa que preparou a escritura e os primeiros estatutos.

Presente também estava António Costa, Presidente da Sociedade Filarmónica Ouriense a colectividade que a seguir à Igreja Paroquial de Ourém, seria a maior beneficiária da Fundação à data, e que no mesmo dia recebeu de Haffert, a doação de um terreno para a construcção de uma nova sede.

11 de Agosto de 1995: Escritura de Constituição da Fundação Oureana Na Foto: António Rodrigues Vieira, John Haffert e Carlos Evaristo

No dia seguinte, Sábado, 12 de Agosto de 1995, foi altura de apresentar publicamente a Fundação como legado do grande benemérito Ouriense John Haffert. Seria uma instituição que teria como primeira Madrinha; Amália Rodrigues, homenageado com o título de carreira Rainha do Fado e com a criação do Instituto Amália Rodrigues, Rainha do Fado, o primeiro Departamento da Fundação Oureana dedicado à preservação da memória da Fadista.

image.png
John Haffert, D. Duarte de Bragança (atrás de Haffert), o Engº Fernando Lagrifa Fernandes, o Presidente da Câmara Municipal de Ourém, Dr. David Pereira Catarino, o Chefe da Divisão Sociocultural da Câmara Municipal de Ourém, Dr. José Ferraz, o Presidente da Sociedade Filarmónica Ouriense, António Costa, o Gerente da firma Castelos de Portugal Turismo Lda., Carlos Evaristo e Amália Rodrigues, no dia 12 de Agosto de 1995.
No photo description available.
Carlos Evaristo com o Grupo Teatral do Seixo de Mira no 25º Aniversário do Programa Medieval em Agosto de 1996.
No photo description available.
Patricia Margaret Haffert, John Haffert e a benfeitora Helen Marie Bergkemp durante o Banquete comemorativo do 30º Aniversário do Restaurante Medieval, realizado a 13 de Maio de 2000. Haffert e Bergkemp queriam doar 8 milhões de dólares para o restauro do Castelo de Ourém para nele se instalar um Museu Medieval vivo. A proposta foi recusada, tal como a ideia que Haffert teve em 1969 de restaurar o Castelo de Ourém para lá se criar um Restaurante e Pousada temática com Programa Medieval e Justas de Cavaleiros a Cavalo.

Para o Presidente da Direcção da Fundação Oureana, Carlos Evaristo; “É importante recordarmos neste aniversário, não só John Haffert mas também todos os que o ajudaram a criar o Programa Medieval do Castelo de Ourém e o manter vivo durante 50 anos para que os milhões de visitantes que o viram ainda guardam agradáveis lembranças do mesmo. Agradecemos também aos funcionários e colaboradores que foram muitos. Contam-se mais de 1,500 ao longo dos anos. Um especial agradecimento aos clientes, Agências de Viagens, Hotéis e Parceiros Protocolares. Em Setembro teremos toda uma série de eventos para celebrar este aniversário dentro das possibilidades da presente Pandemia que estamos a viver. Queremos inaugurar assim que possível o Museu do Restaurante Medieval e reabrir a Adega dos Cavaleiros também fundada por John Haffert há 50 anos e que se encontra fechada desde 2008.”

No photo description available.
O edifício do Restaurante Medieval antigo Paço Novo dos Cónegos foi restaurado em 2010 pelo 40º aniversário da sua primeira recuperação.
No photo description available.
Decoração do Salão D. João I remodelada pelo 45º Aniversário do Restaurante Medieval.
No photo description available.
Fachada do Restaurante Medieval decorada com Pendões Medievais pelo 50º do Programa Medieval.

15 de Agosto de 2021

Textos e Fotos de Arquivo: Fundação OureanaTodos os Direitos Reservados / Reprodução interdita

Grand Master of Constantinian Order visits Fatima, Portugal

The group photographed by Dr. Carlos Evaristo at the Fatima Shrine

Fatima, July 4th, 2014. The Grand Master of the Constantinian Order HRH The Duke of Castro, accompanied by HRH The Duchess of Castro and the two princesses HRH The Duchess of Palermo and HRH The Duchess of Capri, visited Fatima in Portugal and offered prayers to Our Lady of Fatima at the small Chapel of the Apparitions.

The Grand Master and his family also visited the Royal Lipsanotheca and viewed an exhibition of relics of the Foundation Oureana / D. Manuel II presented by Mr. Carlos Evaristo, a leading expert of relics and Chairman of the chapter of the Patrons of the Vatican Museums. Among the exhibits were the relics of the Seers of Fatima, the Sicilian Saints and the major relic of the Blessed Maria Cristina, Queen of Naples, who was beatified in January 2014 by Pope Francis in a ceremony held at the Basilica of Santa Chiara in Naples attended by members of the Neapolitan and Portuguese Royal Families.

The Grand Master and his family were accompanied in pilgrimage to the Altar of Fatima by HRH The Duke of Braganza, HSH Prince Peter von Hohenberg, grandson of Archduke Franz Ferdinand of Austria-Hungary, HSH Princess Marie-Therese von Hohenberg and her husband HE Mr Anthony Bailey, Delegate of the Sacred Military Constantinian Order of Saint George in Great Britain and Ireland and Magistral Delegate for Inter-Religious Relations, HE Dr. Miguel Horta e Costa, Baron of Santa Comba Dão, Delegate of the Sacred Military Constantinian Order of St. George in Portugal, the Marquis of Rio Maior, D. João Saldanha Vicente; Sir Gavyn Arthur, former Lord Mayor of London; Eng. Domingos Patacho of the Royal Association; Dr. José Carlos Ramalho Royal Association of Ribatejo, Dr. Francisco Ramalho, Dr. Alberto Calafato Janelli, Private Secretary to the Duke of Castro and Dr. Carlos Evaristo, who led the visit to the Shrine.

FONTE: https://www.constantinian.org.uk/grand-master-constantinian-order-visits-fatima-portugal/

4 de Julho de 2014