Fátima: A Rússia foi validamente consagrada?

Com a crise na Ucrânia, levantaram-se novamente vozes que duvidam de que a Rússia tenha realmente sido Consagrada ao Imaculado Coração de Maria pelo Papa João Paulo II em 1984

Com a crise na Ucrânia, levantaram-se novamente vozes que duvidam de que a Rússia tenha realmente sido Consagrada ao Imaculado Coração de Maria pelo Papa João Paulo II em 1984

Comentário convidado de Michael Hesemann

TRADUÇÃO

Quando Nossa Senhora de Fátima apareceu pela terceira vez aos pastorinhos Lúcia, Jacinta e Francisco, a 13 de Julho de 1917, revelou-lhes três mistérios. O segundo segredo dizia: “Para evitar (uma nova guerra mundial) virei pedir a Consagração da Rússia ao meu Imaculado Coração e a Comunhão de Reparação nos primeiros sábados do mês. Se meus desejos forem ouvidos, a Rússia se converterá e haverá paz. Caso contrário, espalhará seus erros pelo mundo, provocando guerras e perseguições à Igreja. Os bons serão martirizados, o Santo Padre sofrerá muito, várias nações serão destruídas, mas no final o meu Imaculado Coração triunfará. O Santo Padre Consagra-me-à a Rússia, que se converterá, e o mundo terá algum tempo de paz”.

Doze anos depois, a 13 de Junho de 1929, Nossa Senhora realmente voltou. Jacinta e Francisco morreram desde então; eles haviam sido vítimas da gripe espanhola, a grande pandemia do início do século 20. Lúcia, por outro lado, havia entrado na ordem das Irmãs Doroteias (ela só se tornou carmelita em 1946) e morava no Mosteiro de Tuy, na fronteira hispano-portuguesa. Lá estava ela a rezar em frente ao tabernáculo quando teve uma aparição de Nossa Senhora concedendo-lhe uma visão da Santíssima Trindade e declarando: “Chegou o momento em que Deus pede ao Santo Padre, juntamente com todos os bispos do mundo, para Consagrar a Rússia ao meu Imaculado Coração e assim salvá-la”.

Imediatamente, a freira tentou escrever ao Papa por meio de seu bispo, mas sem sucesso. Fátima ainda não era reconhecida pela Igreja nesta época e Pio XI não era um grande amigo de revelações privadas. Isso mudou quando, em 1939, Pio XII. um novo Papa escalou a Cátedra de Pedro. Eugenio Pacelli foi ordenado bispo no dia de Fátima, 13 de Maio de 1917, já vendo nisso um sinal da providência divina. No entanto, naquela época ele ainda sabia muito pouco sobre os fenômenos para reagir “prematuramente”. Então, ele primeiro pediu a Irmã Lúcia, por meio de seu bispo, que escrevesse suas Memórias dos eventos de 1917, o que ela fez. Quando suas Memórias foram finalmente publicadas em 1942 e também disponíveis em Italiano, em plena Segunda Guerra Mundial, Pio XII, de facto, a 31 de Outubro de 1942, em discurso radiofónico ao povo Português, Consagrou o mundo inteiro ao Imaculado Coração de Maria, mas sem referir a Rússia: “Aos povos divididos pelo erro ou pela discórdia, e sobretudo aos que professam uma devoção única a Vós e onde não havia uma casa onde os Vossos ícones veneráveis ​​não fossem acarinhados, talvez hoje escondidos e conservados para dias melhores, dai-lhes a paz e reconduzi-los ao único rebanho de Cristo, entre o único e verdadeiro pastor. ”

A Irmã Lúcia explicou mais tarde que a Consagração, embora bem intencionada, não estava de acordo com a vontade da Mãe Santíssima, que havia pedido especificamente um ato de Consagração “junto com todos os bispos do mundo”. No entanto, um milagre aconteceu: 31 de Outubro de 1942 tornou-se o ponto de virada decisivo na Segunda Guerra Mundial. Apenas três dias depois, Hitler experimentou sua primeira grande derrota em el-Alamein, seguida algumas semanas depois por Stalingrado, onde seu fim foi selado. Mas algo também estava acontecendo na Rússia. Antes da guerra, Stalin foi um dos mais cruéis perseguidores de Cristãos da história, de repente fez com que ícones sobrevoassem as cidades da Rússia para que Nossa Senhora as protegesse e fundou três novas igrejas em Stalingrado. A partir de então, pelo menos a Igreja Ortodoxa Russa não sofreu mais grandes ataques. No entanto, a Rússia ainda estava muito longe da conversão. Pelo contrário: a Segunda Guerra Mundial levou o comunismo a subjugar toda a Europa Oriental e agora alcançando o resto do mundo também. A Guerra Fria nasceu e com ela o mundo esteve à beira de uma guerra nuclear duas vezes, nas décadas de 1960 e 1980. Mas nenhum Papa estava disposto a realizar a Consagração na forma desejada pela Mãe Santíssima, nem João XXIII, que impediu mesmo a publicação do Terceiro Segredo, nem Paulo VI, que fez uma peregrinação a Fátima em 1967. Só a tentativa de assassinato no dia de Fátima, 13 de Maio de 1981, abalou o Papa João Paulo II. No aniversário da tentativa de assassinato viajou a Fátima e consultou a Irmã Lúcia para celebrar efectivamente a solene Consagração do mundo e para, pelo menos – in pectore – fazer a Consagração da Rússia. E novamente um milagre aconteceu. Segundo a Irmã Lúcia, em 1985 ameaçou-se a eclosão de uma terceira guerra (atómica), mas em vez disso o depósito central de armas da Frota do Norte explodiu em 13 de Maio de 1984, o que prejudicou decisivamente as capacidades de guerra da Rússia. A hora dos “falcões” no Kremlin chegou ao fim e em 1985 a “pomba” Mikhail Gorbachev foi eleito o novo secretário-geral do PCUS e depois Presidente da URSS. Sua política de “perestroika” incluiu a introdução da liberdade religiosa no estado anteriormente militantemente ateu. Em 1989 foram liberados os estados do Pacto de Varsóvia na Europa Oriental, em 1990 foi permitida a reunificação Alemã, em 1991, na Festa do Imaculado Coração de Maria (22 de Agosto – hoje da “Realeza de Maria”) de todas as coisas, a tentativa dos radicais de salvar o comunismo entrou em colapso, e deu-se então, o Natal de toda a União Soviética. O que se seguiu foi, de fato, o maior milagre da história, a conversão da grande potência do ateísmo: a União Soviética anticristã tornou-se a Rússia Cristã. Hoje, 82% dos Russos professam o Cristianismo Ortodoxo, desde 1990, 30.000 novas Igrejas foram Consagradas e mais de 800 novos Mosteiros fundados, e cerca de 6.000 jovens são ordenados sacerdotes todos os anos. O comunismo foi adiado; nas eleições da Duma em 2021, o Partido Comunista recebeu apenas 18% dos votos, pouco mais do que o sucessor do SED, Die Linke, em Berlim (14,3%).

Em todo o caso, a Santíssima Virgem em Fátima só falou de um “tempo de paz” que seria concedido pela Consagração. Afinal, durou 37 anos, 77 mesmo desde o último fim da II guerra mundial, o que correspondeu a cerca de uma ou duas gerações bíblicas (40 anos).

No entanto, os círculos tradicionalistas gostam de afirmar que a Consagração de 1984 era inválida. Um Padre Canadiano que acabou se tornando leigo por sua ganância por dinheiro e desobediência ao seu bispo e a Roma, um radical antissemita e negador do Holocausto, o falecido Nicholas Gruner arrecadou milhões com sua autoproclamada “Cruzada de Fátima” contra as negociações de São João Paulo II e Bento XVI com as mensagens de Nossa Senhora. Gruner chegou ao ponto de acusar o Vaticano de falsificar documentos e substituir a Irmã Lúcia por uma atriz para evitar os desejos da Santíssima Mãe.

Em Dezembro de 2016, em Aljustrel, aldeia natal das três crianças videntes de Fátima, pude entrevistar Maria dos Santos, então com 96 anos, a sobrinha preferida da Irmã Lúcia. Ela me explicou na frente da câmera – publiquei a entrevista no youtube – que na década de 1990 ela foi repetidamente questionada pelos peregrinos sobre a validade da Consagração. Visto que a sua família também tinha permissão para visitar Lúcia regularmente no Carmelo de Coimbra, ela aproveitou para encaminhar esta questão à Irmã Lúcia. A resposta da vidente foi surpreendentemente clara: “A Mãe Santíssima prometeu que a Rússia se converteria se fosse Consagrada e veja, se converteu!”

Isso é exatamente o que a Santa Sé vem reivindicando desde 1984. Assim, em Junho de 2000, o Cardeal Ratzinger publicou uma carta escrita pela Irmã Lúcia, na qual ela confirmou ao Papa João Paulo II a 8 de Novembro de 1989: “Sim, está feito, tal como Nossa Senhora a pediu, desde o dia 25 de Março de 1984” – “Sim, tudo foi feito conforme pedido de Nossa Senhora, em 25 de Março de 1984.” A alegação de que a carta é uma falsificação porque foi datilografada é um absurdo. Quem visita o Carmelo de Coimbra, o Mosteiro onde viveiu a Irmã Lúcia, ainda lá encontrará a sua amada máquina de escrever. Há também fotos mostrando-a a escrever na mesma. Anteriormente, em 29 de Agosto de 1989, ela havia declarado, também por escrito: “Depois (de sua visita a Fátima) ele (João Paulo II) escreveu a todos os bispos do mundo e pedindo-lhes que se unissem a ele. Ele mandou trazer a imagem de Nossa Senhora de Fátima para Roma em 25 de Março de 1984. Então, junto com os bispos que queriam ajudá-lo, ele realizou publicamente a Consagração da maneira que a Santíssima Virgem queria que fosse. Depois disso, as pessoas perguntaram-me se estava acontecendo do jeito que Nossa Senhora queria, e eu respondi: ‘Sim!’”

Apesar disso, Dom Tarcisio Bertone, que mais tarde foi nomeado Arcebispo e admitido no Colégio dos Cardeais antes de Bento XVI. serviu como Cardeal Secretário de Estado, novamente a “questão de todas as questões” quando visitou Irmã Lúcia em Coimbra em 17 de Novembro de 2001 em nome do Papa João Paulo II: O Padre Gruner está certo quando fala de uma omissão?” Aqui, também, a resposta da Vidente então com 93 anos não deixou nada a desejar em termos de clareza: “A Consagração Mundial, a pedido de Nossa Senhora, teve lugar em 1984 e foi aceite pelo Céu.”

Claro que o Cardeal Bertone também foi acusado de mentir. O facto da própria Irmã Lúcia, no seu último livro, “A Mensagem de Fátima” (Coimbra 2006), publicado postumamente pelas suas coirmãs, ter confirmado a validade da Consagração e contrariado todos os que duvidavam, não mudou nada: “Depois enfim, ainda há cegos que não vêem ou não querem ver e dizem: Mas ainda há guerras neste mundo… (mas há) guerras civis que sempre existiram e sempre existirão.. A promessa de paz refere-se às guerras em todo o mundo, instigadas pela disseminação dos erros da Rússia. Esta Consagração foi tornada pública pelo Santo Padre João Paulo II em Roma, em 25 de Março de 1984, diante da imagem milagrosa de Nossa Senhora…”

Mas há uma prova inegável da validade da Consagração que mesmo os teóricos da conspiração tradicionalistas deveriam realmente aceitar. Afinal, a Irmã Lúcia comentou duas vezes sobre a Consagração da Rússia diante da câmara.

Devemos esta prova ao seu intérprete de longa data, o Português especialista em Fátima Carlos Evaristo, que cresceu no Canadá. Ele acompanhou vários Cardeais de língua inglesa ao Carmelo em Coimbra na década de 1990 para traduzir durante seus encontros com as Irmãs. Em duas ocasiões, elas permitiram que ele gravasse as conversas para contradizer abertamente as mentiras do Padre Gruner. A primeira dessas duas conversas ocorreu em 11 de Outubro de 1992, quando o Cardeal Indiano Antony Padiyara visitou a Irmã Lúcia. Na gravação, a Irmã Lúcia pode ser ouvida claramente a dizer: “Tudo levou a que esta Consagração fosse aceite… O Papa tinha a Rússia em mente quando mencionou ‘este povo’ no acto de Consagração em 1984. Aqueles familiarizados com o apelo à Consagração da Rússia sabiam a que ele se referia… Deus sabia qual era a intenção do Papa e que ele queria dizer a Rússia com a Consagração. A intenção é importante. Assim como quando um padre pretende Consagrar uma hóstia… Não há necessidade de Consagrar a Rússia novamente.”

Um ano depois, em 11 de outubro de 1993, o cardeal filipino Ricardo Vidal a visitou. Novamente Evaristo interpreta, novamente tudo foi gravado em vídeo. E novamente a Irmã Lúcia é claramente ouvida falando da conversão da Rússia:

“Você tem que entender uma coisa. Não devemos interpretar mal a palavra ‘conversão’. A palavra ‘conversão’, ‘converter’, ‘uma conversão’ indica um cambio. Uma ‘conversão’ é uma cambio do mal para o bem. Mas isso não significa que todo o mal desapareça… O Santo Padre fez a Consagração e esta cCnsagração é válida. A Santíssima Virgem nunca disse que o Papa tinha que pronunciar a palavra ‘Rússia’. Ela disse: ‘Ele Consagra-me-à a Rússia e ela vai se converterá. E então haverá paz.” Mas essa promessa de paz se referia às guerras e perseguições causadas pelos erros do comunismo ateu em todo o mundo… A Consagração de 1984 impediu uma guerra atómica que teria estourado em 1985… As guerras que estão acontecendo agora são guerras civis, não guerras mundiais. Guerras locais. A Santíssima Virgem nunca se referiu a tais guerras”.

Claro, é bom e correto invocar a Mãe de Deus em uma crise e confiar a ela novamente os países em necessidade ou guerra, mesmo que isso já tenha acontecido no passado. Nesse sentido, bispos Russos e Ucranianos pediram recentemente a Consagração da Rússia e da Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria. Mas esta exigência nada tem a ver com o fato de que a Consagração de 1984 era válida. Naquela época, destruiu o comunismo soviético e trouxe a conversão de uma grande potência. Portanto, temos boas razões para esperar que desta vez ela traga paz à Ucrânia sitiada.

Rússia (kath.net)

15 de Março de 2022

FONTE: https://kath.net/news/77832?fbclid=IwAR3byBwHk8qBqPt_XXPRfGfwWGMdXQKYiYsur9C3LLQVIIrRIbltFGLvbDw

Santa Sé Anuncia: “A 25 de Março, o Papa Consagrará a Rússia e a Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria

O ato se realizará durante a Celebração da Penitência que o Papa Francisco presidirá às 17h na Basílica de São Pedro. O mesmo ato será realizado, no mesmo dia, em Fátima pelo cardeal Krajewski, esmoleiro pontifício, enviado do Papa.

VATICAN NEWS

“Na sexta-feira, 25 de Março, durante a Celebração da Penitência que presidirá às 17h na Basílica de São Pedro, o Papa Francisco Consagrará a Rússia e a Ucrânia ao Imaculado Coração de Maria. O mesmo ato será realizado, no mesmo dia, em Fátima pelo esmoleiro do Papa, cardeal Konrad Krajewski, enviado do Santo Padre.”

A notícia foi dada, numa nota, pelo diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, Matteo Bruni. O dia da Festa da Anunciação do Senhor foi escolhido para a consagração.

Nossa Senhora, na aparição de 13 de Julho de 1917, em Fátima, pediu a consagração da Rússia ao Seu Imaculado Coração, afirmando que, se este pedido não fosse atendido, a Rússia espalharia “seus erros pelo mundo, promovendo guerras e perseguições à Igreja”. “Os bons”, acrescentou, “serão martirizados, o Santo Padre sofrerá muito, várias nações serão destruídas”. Depois das aparições de Fátima houve vários atos de consagração ao Imaculado Coração de Maria: Pio XII, em 31 de Outubro de 1942, consagrou o mundo inteiro, e em 7 de Julho de 1952, consagrou os povos da Rússia ao Imaculado Coração de Maria na Carta Apostólica Sacro vergente anno:

Assim como há alguns anos atrás consagramos o mundo ao Imaculado Coração da Virgem Mãe de Deus, agora, de forma muito especial, consagramos todos os povos da Rússia ao mesmo Imaculado Coração.

Paulo VI, em 21 de Novembro de 1964, renovou a consagração da Rússia ao Imaculado Coração na presença dos Padres do Concílio Vaticano II. O Papa João Paulo II compôs uma oração para o que definiu de “Ato de entrega” a ser celebrado na Basílica de Santa Maria Maior em 7 de Junho de 1981, Solenidade de Pentecostes. Este é o texto:

Ó Mãe dos homens e dos povos, Tu conheces todos os seus sofrimentos e as suas esperanças, Tu sentes maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas que abalam o mundo, acolhe o nosso clamor no Espírito Santo diretamente ao teu coração e abraça com o amor de Mãe e de Serva do Senhor aqueles que esperam mais este abraço, junto com aqueles que cuja entrega Tu também esperas de modo particular. Tomai sob a tua proteção materna toda a família humana que, com carinho afetuoso, a Ti, ó mãe, nós confiamos. Que se aproxime para todos o tempo da paz e da liberdade, o tempo da verdade, da justiça e da esperança.

Depois, para responder mais plenamente aos pedidos de Nossa Senhora, quis explicitar durante o Ano Santo da Redenção o ato de entrega de 7 de Junho de 1981, repetido em Fátima a 13 de Maio de 1982. Em memória do Fiat pronunciado por Maria no momento da Anunciação, em 25 de Março de 1984, na Praça São Pedro, em união espiritual com todos os bispos do mundo, previamente “convocados”, João Paulo II confiou todos os povos ao Imaculado Coração de Maria:

E por isso, ó Mãe dos homens e dos povos, Tu que conheces todos os seus sofrimentos e todas as suas esperanças, Tu que sentes maternalmente todas as lutas entre o bem e o mal, entre a luz e as trevas, que abalam o mundo contemporâneo, acolhe o nosso grito que, movido pelo Espírito Santo, dirigimos diretamente ao teu Coração: abraça com amor de Mãe e Serva do Senhor, este nosso mundo humano, que Te confiamos e consagramos, cheio de inquietude pela sorte terrena e eterna dos homens e dos povos. De modo especial Te confiamos e consagramos aqueles homens e nações que têm necessidade particular desta entrega e consagração.

Em junho do ano 2000, a Santa Sé revelou a terceira parte do segredo de Fátima e o então arcebispo Tarcisio Bertone, secretário da Congregação para a Doutrina da Fé, sublinhou que irmã Lúcia, numa carta de 1989, tinha confirmado pessoalmente que este ato de consagração solene e universal correspondia ao que Nossa Senhora queria: “Sim, foi feito”, escreveu a vidente, “como Nossa Senhora havia pedido, em 25 de Março de 1984”.

15 de Março de 2022

FONTE: https://www.vaticannews.va/pt/papa/news/2022-03/papa-consagracao-russia-ucraina-imaculado-coracao-maria.html

Spread the love