Dalí visitou Fátima, Ourém e o Carmelo de Coimbra para se inspirar aquando da realização da “Visão do Inferno” para John Haffert do “Blue Army”

Salvador Dali

Ele foi até Fátima
só para pintar a visão do inferno

Muitos não sabem, mas, no auge de sua popularidade, em 1960, o pintor surrealista Salvador Dalí foi contratado para pintar a visão do inferno, tal como Lúcia, Jacinta e Francisco a tiveram em Fátima, durante uma aparição de Nossa Senhora.

Salvador Dalí é considerado um dos maiores artistas do século XX e o mais famoso surrealista. No auge da sua popularidade, em 1960, ele foi contratado pelo chamado “Exército Azul de Nossa Senhora de Fátima” para pintar a visão do inferno, tal como Lúcia, Jacinta e Francisco a tiveram durante a aparição de 13 de julho de 1917, em Fátima. A ideia do quadro partiu de um protestante que, depois de ler sobre a visão nas Memórias da Irmã Lúcia, se converteu ao catolicismo e entrou no seminário. Pensava-se que, com esta mensagem, Dalí poderia alcançar jovens e incrédulos com muito mais eficácia que qualquer sermão numa manhã de domingo ou história a respeito dos santos. Esse encargo mudaria a vida e a obra de Dalí, tirando-o de seu ateísmo declarado e trazendo-o de volta a suas raízes católicas [1].

Dalí cresceu na Espanha, perto da fronteira com a França, na Catalunha. Seu pai era ateu e anticlerical, e sua mãe, uma devota católica romana. Nascido apenas nove meses após a morte de seu irmão homônimo, Salvador costumava ouvir de seus pais que ele era seu irmão reencarnado. Tendo de conciliar as diferentes influências que recebia, de fé em Deus e ao mesmo tempo de incredulidade, Dalí cresceu confuso e incerto, afirmando certa vez: “O céu deve se encontrar exatamente no centro do coração do homem que tem fé. Neste momento, ainda não tenho fé e temo que morrerei sem o céu”.

Salvador Dalí, em 1939.

Após sua primeira exposição nos Estados Unidos, em 1934, ele se tornou uma sensação imediata, e a fama de Dalí cresceu ao longo dos anos 1930 e 40. Sua famosa pintura A Persistência da Memória, com a imagem de relógios de bolso derretendo, ajudou a definir seu método de criatividade e surrealismo, o “método crítico-paranoico”. A criatividade de Dalí surgia de imagens que ele extraía do subconsciente enquanto caía em um estado de semivigília, ou hipnagogia.

Ao longo de sua vida, Dalí lutou com a ideia de sua própria morte, um medo que não conseguia superar. Ele estudou novas descobertas relacionadas à terceira dimensão, que o levaram a buscar o acesso à quarta dimensão e à imortalidade. Suas obras são permeadas por temas de erotismo, morte e decadência, mas também por temas religiosos e assuntos relacionados ao progresso científico.

Ele tinha 55 anos quando foi abordado pelo Exército Azul para pintar a visão do inferno. O cofundador da associação, John Haffert, recebeu uma carta do seminarista encorajando-o a apresentar a ideia ao artista. Ele também colocou as economias de sua vida para pagar por isso. Haffert encontrou-se com Dalí no hotel onde ele estava hospedado em Nova Iorque e contou-lhe sobre a missão do Exército Azul de divulgar a mensagem de Fátima. John leu para ele a história de Fátima nos escritos de Lúcia e a descrição da visão do inferno.

“Cabe a você apresentar esta visão de forma verdadeira e vívida”, disse Haffert a ele. “Você está sendo escolhido para ser o artista de Nossa Senhora. Um intérprete visual para Deus”.

Dalí ouviu com atenção e pediu um prato de escargot. Quando chegou, ele começou a espetar os caracóis com garfos de escargot, explicando a Haffert que os grandes artistas sempre usavam tridentes para representar os demônios no inferno, mas ele usaria garfos de escargot. “A alma de um pecador é como um caracol”, explicou ele. “Ela se encaracola e se esconde dentro da casca, e a única maneira de buscá-la é usando um garfo de escargot!”

Os dois acertaram os termos do contrato e assinaram o acordo em um guardanapo de papel” recorda Carlos Evaristo no documentário “Dalí’s Greatest Secret”

“A alma de um pecador é como um caracol. Ela se encaracola e se esconde dentro da casca, e a única maneira de buscá-la é usando um garfo de escargot!” recorda Carlos Evaristo no documentário “Dalí’s Greatest Secret”

Haffert decidiu tentar um encontro entre Dalí e a Irmã Lúcia, que, em 1960, era uma monja carmelita de clausura, em Coimbra, Portugal. Ele não teve nenhum sucesso, mesmo depois de escrever para ela pessoalmente. Dalí disse a Haffert que não havia problema. Ele estudaria o que ela disse sobre a visão e montaria sua própria versão dela, dizendo-lhe: “Vou pintar o que vejo”.

Detalhe de “A Persistência da Memória”, obra-prima de Dalí.

Por mais de um ano Dalí se debruçou sobre a visão do inferno, tal como descrita por Lúcia, procurando por imagens em seu subconsciente, mas tudo foi em vão. Haffert sugeriu que ele fosse a Fátima em busca de inspiração. Parte do problema de Dalí era que ele não sabia como apresentar a Santíssima Virgem Maria. Sua esposa, Gala, sempre fora o rosto das mulheres em suas pinturas.

Em Fátima, ele foi levado diretamente ao local onde a Mãe Santíssima apareceu e onde as crianças viram a terra se abrir, revelando o inferno. A chave para compreender a visão do inferno, segundo seu guia, o cônego José Galamba de Oliveira, era o apelo à conversão. E o Coração Imaculado de Maria é sinal de esperança para todos os que respondem à sua mensagem de conversão.

Durante esta viagem, por influência de Galamba, Dalí finalmente conseguiu se encontrar com a Irmã Lúcia. Ele passou algum tempo com ela, conversando através das grades do locutório. Dalí comentaria mais tarde como era especial “respirar o mesmo ar que uma futura santa”, como era estar diante de uma presença celestial. Dalí finalmente teve a inspiração para pintar a visão do inferno.

Antes de sair de Fátima, Dalí pediu ao cônego Galamba que ouvisse sua confissão. O padre contou depois a Haffert que foi “a confissão mais comovente, sincera e profunda” que ele já ouvira em suas muitas décadas como sacerdote.

Em 13 de março de 1962, Haffert recebeu a notícia de que a pintura estava terminada e o senhor Dalí queria apresentá-la. Ele todavia não pôde estar presente na ocasião, mas o monsenhor Harold Colgan, cofundador do Exército Azul junto com Haffert, foi em seu lugar. Pela expressão em seu rosto quando a pintura foi revelada, mons. Colgan ficou chocado com a visão de acordo com Dalí. Não era o que ele esperava.

“Visão do Inferno”, por Salvador Dalí.

No entanto, após um estudo e exame mais aprofundados, acredita-se que Dalí tenha retratado a si mesmo na visão, pintando a sua própria conversão. O quadro mostra uma pessoa moribunda, com sua alma vermelha e translúcida, torturada e atormentada por demônios no inferno, que o espetam com garfos de escargot, tentando extrair sua alma. Abaixo, a terra fissurada se abre para o lugar do inferno. Acima, a Santíssima Mãe, angustiada diante do horror de uma alma se perdendo, revela seu coração dolorido e amoroso. Uma figura solitária em oração segura um crucifixo apontado para o céu.

As crianças de Fátima disseram que teriam morrido de medo da visão do inferno se Maria não estivesse com elas. Ela disse às crianças: “Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores; para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a Meu Imaculado Coração”. Durante a aparição de agosto, ela lhes implorou: “Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas”.

Ninguém sabe o que a Irmã Lúcia disse a Dalí em sua breve visita, mas ela tinha um talento especial para dizer exatamente o que alguém precisava ouvir para voltar a Deus, incluindo comunistas obstinados. Ela deve tê-lo ajudado a conhecer o amor de Deus e de sua Mãe Santíssima e a ver que seu Imaculado Coração é um refúgio para os pecadores. Na visão que pintou, Dalí não usou Gala como modelo para o rosto de Maria. Ele voltou a suas raízes católicas e à fé em Deus e enfrentou sua mortalidade.

Em 1997, quando a Irmã Lúcia finalmente viu o retrato da visão, por Dalí, ela o estudou atentamente e disse a seu intérprete: “O inferno é espiritual e não físico, e é impossível para qualquer pessoa fazer uma imagem do inferno. A pintura chega o mais humanamente possível de uma representação do inferno”.

Salvador Dalí morreu de insuficiência cardíaca no dia 23 de janeiro de 1989, aos 84 anos. Ele manteve seus sentimentos religiosos em segredo do mundo. A Irmã Lúcia certamente deve ter rezado por ele.

Sua pintura Visão do Inferno está exposta na casa de um colecionador de arte de Connecticut, que a comprou do Apostolado Mundial de Fátima em 2007.

FONTES: https://padrepauloricardo.org/blog/ele-foi-ate-fatima-so-para-pintar-a-visao-do-inferno?utm_content=buffer38c2d&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&fbclid=IwAR2e-FOCat799Q_O4yBU5arvPECAysmy4fkWIxSoHoyzVytWtqxb-81s7uE

https://vimeo.com/ondemand/salvadordali

https://padrepauloricardo.org/blog/ele-foi-ate-fatima-so-para-pintar-a-visao-do-inferno?utm_content=buffer38c2d&utm_medium=social&utm_source=facebook.com&utm_campaign=buffer&fbclid=IwAR2e-FOCat799Q_O4yBU5arvPECAysmy4fkWIxSoHoyzVytWtqxb-81s7uE

https://www.bluearmy.com/fatima-vision-of-hell-helped-salvador-dali-face-his-own-mortality/

4 de Setembro de 2012

NOTA: As informações que publicaram sobre Salvador Dali e Fátima são trabalho exclusivo de investigação do Departamento Centro para a Pesquisa Religiosa da Fundação Histórico Cultural Oureana e tais informações e citações só constam no livro”Dali’s Fátima Secret” de Paul Perry com Carlos Evaristo e Nicolas Descharnes e no documentário “Dali’s Greatest Secret” da Sakkara productions e Crown Pictures.

As fotografias usadas este artigo têm Direitos de Autor da Fundação Dalí, do Arquivo Descharnes e Descharnes e do Exército Azul USA e o seu uso requer licenciamento.

Estas informações e Citações não consta em mais lado algum e por isso, e a fim de evitar conflitos de direito de autor e de propriedade intelectual, foi pedido aos autores para citarem as fontes pois caso contrário, é crime de plágio e roubo de propriedade intelectual.

O Secretariado da Fundação pelo Departamento Jurídico Fiscal

Spread the love